Um Presidente perigoso

(O meu artigo de hoje no Jornal Económico)

Recentemente, o Presidente da República achou por bem comentar publicamente o facto de muito boa gente achar que ele faz comentários públicos em excesso. Suspeito que não se apercebeu do carácter contraproducente da iniciativa, como aliás raramente se apercebe do que quer que seja que esteja para além da distância que o separa de um espelho.

Disse o Presidente que é “muito acusado de falar vezes demais”, mas que a crítica não faz sentido, porque “este é um tempo diferente” daquele em que outros presidentes tinham outro tipo de presença mediática, e agora é necessário dar resposta à “aceleração” em que vivemos e a que o nosso cérebro “se está a ajustar”. É por essa razão, e não por uma qualquer egomania, incontinência verbal ou saudades dos estúdios da TVI, que Marcelo alega estar permanentemente a pronunciar-se sobre tudo e mais alguma coisa, ou a distribuir abraços e beijinhos por toda e qualquer velhinha que tenha o azar de se cruzar com ele e uma equipa de reportagem televisiva.

Algumas almas generosas e benevolentes têm interpretado esta “estratégica mediática” do Presidente como uma tentativa de conquistar uma popularidade quase consensual e acima das habituais divisões partidárias, para que quando uma tempestade se abater sobre o país, ele a possa usar para arrumar a casa. Uns acham que ele será bem-sucedido, outros duvidam, mas todos concordam quanto à motivação de Marcelo. Sobrestimam o homem. A única motivação do Presidente é o seu desejo de adoração pública. Por isso tudo faz para que todos os seus gestos agradem ao máximo número de pessoas e desagradem o menos possível aos que se possam sentir ofendidos com o que diz ou faz. A proximidade ao Governo não se deve a um qualquer desejo de promover Costa ou afastar Passos Coelho da liderança do PSD, mas apenas ao propósito de agradar ao sentimento popular contra as “divisões partidárias”. O sermão a Centeno surgiu quando a sua gestão do “caso CGD” se tornou tóxica na opinião pública. As constantes referências a “boas notícias” que na realidade estão longe de o ser (como os juros que o país paga pelos empréstimos que contrai, ou o rating da Fitch) visam afastar da cabeça dos portugueses todo e qualquer motivo para se preocuparem com a intervenção política de Marcelo para além dos tão propalados (pelo próprio e por uma comunicação social sempre pronta a comer e a regurgitar a propaganda que lhe põe no prato) “afectos”, que não passam, no fundo, de uma afectação.

Como qualquer pessoa com dois dedos de testa percebe, a coisa acabará mal para Marcelo. Ele ocupa um cargo político, e em política – uma actividade em que cada escolha tem custos e, portanto, desagrada forçosamente a alguém – é impossível manter para sempre a aura imaculada que Marcelo vai tentando ostentar. Mas se tudo se ficasse pela desgraça de Marcelo, não haveria grande problema. O mal está em que o Presidente, ao se pronunciar sobre tudo, não se distancia de nada, e assim não só garante que será pessoalmente responsabilizado quando uma nova crise nos vier bater à porta, como também que arrastará consigo a credibilidade do resto do sistema político (o “caso CGD” é um bom exemplo da promiscuidade entre Belém e São Bento cultivada pelo Presidente). Claro que ninguém verterá lágrimas por este último, mas o problema está em que ninguém sabe o que vem a seguir. É por isso que Marcelo e a sua presidência são um perigo para este pobre país.

Advertisements

A geringonça e o fim da Europa

Passos conta com o risco financeiro para tramar Costa, mas Costa conta com o risco europeu para tramar Passos (e Marcelo). Quem é que vai ganhar? O meu artigo no Jornal Económico.

A geringonça e o fim da Europa

É cada vez mais evidente que o Governo não tem agenda: satisfeitos os interesses que a sustentam, pouco mais há a fazer que não seja esperar. Passos Coelho viu aqui uma oportunidade quando afirma que 2017 é o ano dos riscos financeiros. E se o líder do PSD vê confirmadas a suas projecções nos juros da dívida portuguesa que atingem valores preocupantes, tem também razão num ponto: os cidadãos que pagam os interesses protegidos pela geringonça não aguentam muito mais. O país perdeu a capacidade de se financiar lá fora conseguida no período da troika. Mas há um senão; um problema com que Passos parece não contar, mas que Costa espera seja a sua salvação.

E esse problema, que para Costa é um trunfo, é a desintegração da UE. Todos o sabemos, e Costa melhor que nós, que o calendário eleitoral europeu favorece o actual Governo: eleições na Holanda em Março, em França em Abril/Maio, ambas com a extrema-direita à frente nas sondagens, e na Alemanha, em Setembro, com o risco de a extrema-direita impor uma derrota a Merkel.

Para que a Europa sobreviva é preciso que Macron vença em França e Merkel ganhe na Alemanha. Se um deles falhar, a UE corre o sério risco de desaparecer. É isto: o projecto europeu está por um fio e depende de duas pessoas, uma das quais, apesar de pejados de méritos, é um desconhecido com pouca prática política.

O politicamente correcto, que impediu o debate político sério, amordaçou a Europa a soluções não questionadas e que agora, sem discussão séria, de forma dolorosa, são postas em causa por populistas de esquerda e de direita. Não houve seriedade nas questões religiosas, na imigração, no emprego, na protecção social concedida a quem não merecia e nada fez pela comunidade, nas políticas laborais, apesar do trabalho ter mudado radicalmente nos últimos 15 anos. Proibindo-se a discussão com medo de se afrontar, de se ofender, quem quer que fosse, criou-se uma panela de pressão que pode rebentar este ano.

E se Passos espera que os ventos soprem a seu favor, Costa, o BE e o PCP vêem no sucesso eleitoral do extremismo a sua tábua de salvação. O fim do euro, que acontecerá caso Marine Le Pen vença em França, o regresso tão desejado do escudo, que trará inflação, reduzirá salários, aumentará a pobreza, trará aflição para muitos. Mas servirá também de pretexto. As causas facilmente se apontarão ao estrangeiro. Seremos pobres, estaremos aflitos, não em virtude do Governo da geringonça mas por responsabilidade da Europa que se auto-liquidou. É desta forma que Tsipras sobreviverá na Grécia, Costa em Portugal e Rajoy pode cair em Espanha. O caos será amigo de um populismo de tal forma demagógico que o que vimos até agora é uma brincadeira de crianças.

O regresso às origens nos EUA

Com Trump, vamos dar graças à democracia que passa pela separação dos poderes. Com Trump, ainda bem que há Congresso e tribunais. O meu artigo no ‘i’.

O regresso às origens nos EUA

Com Trump na presidência, são muitos os que esperam que o congresso e os tribunais equilibrem a influência do presidente norte-americano. E esperam bem, porque Trump defende políticas desastrosas, como o proteccionismo, que boa parte da esquerda entre nós também advoga.

Infelizmente, não tem sido sempre assim. Nos últimos anos, os presidentes têm sido vistos como seres iluminados que deviam vencer a cegueira dos congressistas para que os EUA evoluíssem. Com Obama, esta tendência chegou mesmo a assumir contornos graves, com o presidente a ser encarado como um novo Messias libertador contra os poderes instalados em Washington. Um pouco como Trump, mas com mais souplesse.

A centralização do poder na pessoa do presidente foi um processo longo, com Andrew Jackson, Lincoln, Teddy Roosevelt, Wilson e FDR a darem o mote. E se antes eram poucos os que, na senda de George Washington, não repetiam o mandato, no pós-guerra só se ficaram por quatro anos os que ou morreram ou foram desastrosos.

Com Trump podemos assistir ao reconhecimento, por parte da população, de como a separação de poderes é importante; que um Congresso forte que reprime decisões não é uma falha da democracia, mas a sua força; e que os tribunais devem exercer devidamente as suas funções. Quem sabe não assistimos a um regresso às origens do sistema norte-americano. Recordar como é importante desconfiar do homem providencial, e restringir, na medida do possível, os poderes do presidente, pode vir a ser o legado de Trump.

O homem que não tinha ideais

Sim. Gente Independente, de Halldór Laxness. Outra vez.
Porque para se ser independente é também preciso não ter ideais. O meu artigo no ‘i’.

O homem que não tinha ideais

Volto esta semana ao livro “Gente Independente”, de Halldór Laxness (Cavalo de Ferro). Tudo nele se centra no desejo de Bjartur das Casas de Verão ser independente. A semana passada referi a importância de não ter dívidas, o que se consegue com obstinação e resiliência.

E como não é fácil ser-se independente, o processo também não é simples. Para não se ter dívidas e se ser independente, é preciso também não ter ideais. Sendo o ideal a reunião de todas as perfeições, o que é impossível, um homem independente não tem ideais. Quem procura a independência visa apenas vencer-se a si mesmo e não os demais; nem sequer pretende controlar ou mudar a natureza, que qualquer pessoa sensata ama por ser implacável como é.

Quem tem ideais não se foca em si, mas no outro. Quer mudar não ele próprio, mas o outro. O mundo, a sociedade, o que seja. É egocêntrico e arrogante. E, naturalmente, não aceita a independência.

Neste livro, todos opinam sobre a vida de Bjartur, que não propõe nada a ninguém. É com a melhor das intenções que o querem ajudar para depois o aprisionar. Para isso, a melhor arma é o ficar a dever. Dinheiro ou favores. Algo. E quando, depois da falsa prosperidade que invade a Islândia no decorrer da guerra 1914-18, a dívida destrói o que nos ombros desta foi construído, é à porta dos independentes que vão bater. A apropriação do que é dos outros torna-se lei. As massas que usufruíram das liberdades libertam-se então para destruir a independência de quem não se deslumbra com ideais.

O primeiro Presidente dos EUA anti-americano

Numa entrevista com Bill O’Reilly, Donald Trump disse que “respeita” Vladimir Putin, embora tenha acrescentado que “respeita muita gente” e nada garante que se vá dar bem com o presidente russo. De seguida, O’Reilly perguntou-lhe como podia Trump respeitar Putin, tendo em conta que ele “matou pessoas”. Perante a pergunta, Trump respondeu que “há muitos assassinos. Nós temos muitos assassinos. Acha que o nosso país é assim tão inocente?” Ou seja, como qualquer adolescente apaixonada por um rapaz de comportamento duvidoso confrontada com carácter deste, Trump logo se apressou a defender o objecto da sua paixão, não hesitando para o efeito fazer uma equivalência moral entre o país a que preside e o regime de um criminoso brutal, que assassina regularmente os seus críticos e terá até conduzido um ataque a cidadãos do seu próprio país para, ao levar os russos a crerem que havia sido um atentado terrorista, consolidar o seu poder interno. No fundo, Trump faz aquilo que, ao longo de anos, todos os esquerdistas e simpatizantes de carniceiros fizeram, para defender os regimes mais abomináveis ou porque o seu antiamericanismo visceral para isso os empurrou: dizer que os EUA são tão moralmente condenáveis como um ditadura. Foi isso que disseram na II Guerra, foi isso que disseram na Guerra Fria, foi isso que defensores do papel fundamental dos EUA no mundo – como eu – tiveram de ouvir aquando da guerra do Iraque ou – de forma bem mais nojenta – enquanto cidadãos inocentes estavam a morrer nos atentados de 11 de Setembro. Hoje, é o próprio presidente dos EUA que, ou por dever algo a Putin ou aos seus oligarcas, ou porque pura e simplesmente tem uma profunda admiração pelo seu brutal autoritarismo, papagueia este aspecto central da propaganda com que o Kremlin justifica internamente esse mesmo autoritarismo: os EUA, a sua democracia e o seu papel no mundo não são diferentes da nossa corrupção, repressão e brutalidade. Barack Obama foi um mau presidente, e a sua política externa, em particular, foi desastrosa. Mas Donald Trump é o primeiro Presidente dos EUA antiamericano, que acredita profundamente, e repete incessantemente, os chavões que jovenzinhos do Bloco de Esquerda ou comentadores da RT têm sempre na ponta da língua. Pelos vistos, há quem tolere, e até quem goste. Não é o meu caso.

Como o Islão matou a laicidade do Estado

O meu artigo no Jornal Económico.

Como o Islão matou a laicidade do Estado

Nas presidenciais francesas é importante compreender as razões para o estado do partido socialista, cujas primárias tiveram agora lugar. É que depois de cinco anos no Eliseu os socialistas arriscam-se a não ter um candidato na segunda volta. Nem Valls lhes vale, e o único com hipóteses de fazer um brilharete, Macron, saiu do partido e diz-se de esquerda, sim, mas não socialista. Por favor, não o confundam.

Há quem diga que é o resultado do mandato de Hollande. Sem dúvida. Mas, mais que isso convém perceber que a má prestação de Hollande não advém das suas incapacidades políticas, mas da armadilha em que os socialistas caíram.

Lembra a Le Point que tudo começou no Outono de 1989. Nesse ano, mais precisamente a 18 de Setembro, Fatima e Leila, duas raparigas de 13 e 14 anos, são impedidas de continuarem na escola que frequentam. A decisão é do director do estabelecimento de ensino que argumenta que o véu que utilizam é incompatível com o bom funcionamento da escola. Foi um escândalo e o PS dividiu-se entre os que eram favor da proibição do véu, entre eles Valls, e os que foram contra, entre os quais, Hollande. E também, como agora, houve quem não tivesse tomado partido, como foi o caso de Mitterrand. Aquele grande político do tempo em que os políticos tomavam decisões.

Os que eram contra a exclusão das alunas alegaram que a laicidade do Estado não permitia proibir. “Il est exclu d’exclure”, nas palavras de Jospin. E como esta esquerda não tinha referências religiosas, era laica, achou que o problema se resolvia proibindo os cristãos de se dizerem cristãos, por serem muitos, e permitir os muçulmanos de serem muçulmanos, porque eram poucos.

Mas já não são. São muitos e em muitos lugares a maioria. E os socialistas continuam a não saber como lidar com o fenómeno. O falhanço do socialismo em França, ao contrário do que está a suceder noutros locais do mundo, veremos como vai ser em Portugal quando rebentar a bolha em que vivemos, prende-se tanto com a destruição do conceito de laicidade do Estado como com a crise económica. A França perdeu a sua identidade e o Estado Republicano e Laico, que era o seu garante, traiu-a.

Este era um problema que De Gaulle anteviu difícil de resolver: como é que um Estado laico não se imiscui na religião se, por exemplo, ao financiar escolas públicas laicas, dificulta o acesso às religiosas? E se em 2017, Valls, categoricamente laico perante todos, perdeu para Benoît Hamon, que defende que os muçulmanos sejam compensados do ostracismo a que pretensamente estão sujeitos, é porque assistimos ao culminar da desintegração de um conceito a que nos habituámos.

Não deixa de ser interessante que Fillon se defina como cristão, a Frente Nacional discuta se o inimigo é a União Europeia ou o Islão e Macron recuse a laicidade como religião. A Europa recristianiza-se e, de certa forma, o laicismo para combater o catolicismo foi derrotado pelo islamismo.

Ser independente

Há os que trabalham porque precisam de dinheiro para viver; há os que trabalham porque querem ganhar dinheiro ou construir algo. Por fim, há os que trabalham só porque querem ser independentes. O meu artigo hoje no ‘i’.

Ser independente

“Gente Independente” (Cavalo de Ferro), de Halldór Laxness, é um livro sobre a vida de um homem, um islandês chamado Bjartur, que quer ser independente na Islândia do início do século XX.

Para ser independente trabalha no duro durante 18 anos para uma família, poupando e juntando tudo o que pode; prescinde do que um homem precisa para existir, de forma a conseguir o que um homem precisa para viver: um pedaço de terra onde tenha as suas ovelhas, trate delas e elas depois tratem de si: “O homem que possui a sua própria terra é um homem independente” (pág. 18). Não precisa de luxos, desdenha o luxo, um encargo, que o desfoca do seu objetivo: ser independente.

Não ser livre. Ser livre passa por não assumir compromissos, que é o contrário do que a independência reclama. Um homem independente não prejudica ninguém. Não é um peso, um empecilho. Não causa impacto porque alguém assim não quer influenciar a vida dos outros.

E como é que se ganha a independência? Sem dívidas. Laxness escreveu este livro nos anos 30. Além de tremendamente bem escrito, é actual. E como é que se vive sem dívidas? Com obstinação. Viver sem dívidas exige muito de nós. É preciso teimosia, viver obsessivamente um fim. Não pactuar com o provável. Esperar sempre o pior. Com resiliência e em silêncio. “(…) agora era proprietário de terra escriturada no notário (…), era rei no seu reino, e os pássaros eram os seus convidados”(pág. 46). A independência é algo tão nosso que apenas nós a valorizamos.

E se este senhor for o próximo presidente da França?

macron_alcock_002__1050056c

Em Novembro escrevi este artigo para o Jornal Económico sobre Emmanuel Macron. Agora, que Fillon se encontra debaixo de um escândalo e Hamon radicaliza o PS, perceber quem é Macron torna-se obrigatório para compreender a França. Porque é da França, juntamente com a Alemanha, que virá o garante da continuação da União Europeia.

Benoît Hamon e o fim da social-democracia

Benoît Hamon, vencedor das primárias do PS às presidenciais francesas é uma novidade importante a reter. Até agora, e este fenómeno é muito visível em Portugal, os socialistas fazem depender as políticas sociais do crescimento económico e este da produção e do consumo. Ironia das ironias, o socialismo é hoje o grande defensor do consumismo desenfreado em cima do qual se constroem tantos castelos de areia. É aqui que Hamon inova num partido que se quer social-democrata: com ele os socialistas querem apoio social, o rendimento universal, sem crescimento económico. A economia é secundária. O que interessa é distribuir e que essa distribuição passe pelos corredores do poder. O que se perde hoje recupera-se amanhã em direitos e políticas publicas que fortalecem o Estado. Hamon é uma novidade para a social-democracia, mas ao inovar desta forma a social-democracia tem os dias contados.

Os truques da política portuguesa

centeno-truques A notícia, com estas ou outras palavras, está em todos os jornais e televisões: Mário Centeno, Ministro das Finanças e embaraço ambulante, esteve ontem na reunião do “Eurogrupo” e deixou um “recado” aos seus congéneres do Tesouro dos vários países da “zona euro”: Portugal e, acima de tudo, a sua excelsa pessoa, mostraram-lhes que estavam “muito enganados”. Aparentemente, na cabeça do senhor Ministro, o país está a ter resultados brilhantes na execução do Orçamento de Estado, com um défice baixíssimo, e tudo sem afectar o crescimento económico do país. O facto de grande parte desse “controlo” do défice ter sido conseguido através da suspensão de pagamentos a que o próprio Estado se obrigara, contraindo assim uma dívida que só pelas artes mágicas da contabilidade não é considerada como tal, ou de que esse crescimento continua a ser menor que o do endividamento, cujos juros a longo prazo continuam também eles aumentar, não ocorre a Centeno, ou, se lhe ocorre, não o incomoda. Afinal, nenhuma destas críticas passa de um conjunto de “mitos” propositadamente lançados por gente maldosa com o terrível propósito de causar danos ao país e, claro, ao Governo a que pertence (que é o que mais o preocupa).

Como qualquer pessoa minimamente inteligente – ou que não tenha optado por voluntariamente se deixar obnubilar pela sua paixão pelo que um senhor entretanto desaparecido chamou de “o tempo novo” – facilmente perceberá, todo e qualquer “recado” que Centeno tenha dado teve como destinatário imediato a imprensa portuguesa e como alvo fundamental o público português. O “recado” de Centeno não é na realidade o de que os seus parceiros do Eurogrupo haviam estado excessivamente pessimistas em relação a – ou deliberadamente a conspirar contra – Portugal, mas o de que ele, Centeno, e por interposta pessoa o Governo, “batem o pé” aos malévolos “senhores” da “Europa”, ao contrário dos ainda mais pérfidos responsáveis do anterior executivo, que tudo faziam para que “a senhora Merkel” nos castigasse ainda mais severamente do que a sua “moral protestante” a inspirava inicialmente.

O truque, claro, é velho: sair das reuniões e cimeiras da UE a alardear o esforço na “defesa” do “interesse nacional”, logo equiparado através do tom ao desembarque na Normandia, a fazer lembrar o comum português que em casa ou no café não consegue deixar de inventar um qualquer “e aí eu disse-lhe” e um “e o gajo calou-se logo” ao contar o episódio em que o patrão o destratou. A intenção, essa, é óbvia: criar na cabeça das pessoas uma realidade em que tudo está bem e qualquer notícia negativa não passa de uma invenção de interesses obscuros de potências estrangeiras com obedientes serviçais internos, contra os quais o Governo, por espírito de sacrifício e amor ao país, não se cansa de batalhar “lá fora”.

O resultado também é sempre o mesmo: durante uns tempos, a propaganda vai funcionando, talvez não tanto no propósito de fazer com que as pessoas acreditem nela, mas certamente no (principal) de as fazer não ter energia nem paciência para a contestar. Mas, com o passar do tempo e o consequente agravamento dos reais problemas do país, a ilusão propagandística dissipa-se, e os seus autores são forçados a abandonar o poder. Não antes, no entanto, de terem alimentado devidamente as suas clientelas e dependentes, assegurando assim a sobrevivência destes últimos e a sua lealdade para quando, passado algum tempo e a raiva popular contra os seus desmandos tiver sido aligeirada, precisarem de quem os alce novamente a São Bento, onde rapidamente voltarão a fazer das suas, com os mesmos resultados. Como de todos os lados do hemiciclo parlamentar, o apreço pela prática não varia – apenas a respectiva competência para a manipulação difere de bancada para bancada – os portugueses que não pertençam aos beneficiados do balancé partidário não podem senão ficar a assistir, com a garantia de que, aconteça o que acontecer, ficarão sempre pior do que estariam se vivessem num pais minimamente decente.

Está a Europa a caminho do fim?

O meu artigo hoje no ‘i’.

Está a Europa a caminho do fim?

A 25 de Maio de 2016 tive oportunidade de alertar, no então “Diário Económico”, para o calendário eleitoral dos meses seguintes. Era o Brexit em Junho, Trump em Novembro e as presidenciais francesas, em Abril/Maio deste ano. E na altura referi que tanto a vitória do Brexit como a de Trump poderiam extremar a política francesa, favorecendo a Frente Nacional.

Marine Le Pen sabe disso há muito tempo e desde cedo se colou politicamente a Trump. Foram os elogios ao candidato republicano durante as primárias e até uma breve passagem pela Trump Tower neste mês de Janeiro.

Se não devemos cair no exagero de Nicolau Santos que, no “Expresso”, declarou caminharmos para a terceira guerra mundial, também não podemos estar desprevenidos. Muitos dizem que Trump é uma incógnita e que, com o tempo, vai mudar. Que ia mudar durante as primárias, para as vencer, depois das primárias se quisesse bater Hillary, e na tomada de posse porque assumiria pose de Estado. Até hoje.

É difícil alguém ser tão claro quanto Trump. Nada é uma incógnita, apesar de muitos não quererem aceitar que seja verdade. O proteccionismo económico, o nacionalismo (que não é patriotismo), a demagogia, o que boa parte da esquerda, sem se aperceber, tanto exigiu e confundiu com decência, estão de volta. A vitória de Trump pode ter repercussões na Europa, a começar pela Holanda em Março. Uma Europa que só não se desintegrará se Fillon ou Macron ganharem em França e Merkel vencer na Alemanha, nas eleições a terem lugar no fim do Verão.

Factos alternativos

Quando uma conselheira de Donald Trump diz que uma mentira não é mentira mas um facto alternativo, pergunto-me se nos EUA têm andado a aprender alguma coisa com o nosso governo. Uma suspeita que já tinha em Setembro quando escrevi este artigo no ‘i’ sobre a nova mentira. Uma palavra feia, para a qual os profissionais da coisa rapidamente arranjaram uma expressão mais adequada.

Donald Trump e “A Era da Desmiogarquia”

 

Um texto meu no site britânico CapX:

“Sullivan’s words might sound overly-dramatic, but there’s some validity to them. Not in the sense that America’s first orange president will become a true tyrant, but that his election does say something about the predicament of the American Republic. It is a symptom of the American democracy’s degeneration into a desmiogarchy – the government of the shackled, of those in bounds.

This degeneration has been a feature of European politics for several years now. All over the continent (Austria, Poland, Sweden, Denmark, Portugal), an increasing number of voters have transferred their support from mainstream, “centrist” parties to extremist, populist ones, or have elected not to participate in the democratic process at all. The pattern will likely be repeated in future elections in the continent, whether in Germany, Italy or most particularly in France.

At the root of this “desmiogarchization” of European democracies lies the exponential growth of the state. Since the turn of the century, across the continent, public spending has soared as a share of national income – from 51.6 per cent in 2000 to 55.9 per cent in 2012 in France; from 45.9 per cent to 49 per cent in Italy; from 41.6 per cent to 46.9 per cent in Portugal.

(…)in the end, these welfare states created a series of problems that seem difficult to overcome. They’re ineffective: they respond not to the needs of those who use them, but to the bureaucratic goals of political decision-makers. They’re unsustainable: there is an ever smaller number of workers paying for an ever-growing number of beneficiaries. And they’re unfair: because they try to provide for those who need it and those who don’t, they end up giving too much to those who don’t need it and not enough to those who do.

On the one hand, the inefficiency of these services feeds the electorate’s high – and growing – level of dissatisfaction with governments and politicians. On the other, European electorates seem pretty reluctant to give their support to any reform that might mean they would have to give up some of the things they take for granted.

The combination is lethal: most voters make their electoral choices on the basis of who they believe will be capable of keeping things as they are, but at the same time, those voters who want to keep the statist status quo intact grow unhappy with the practical results of that same statism. So voters blame the traditional governing parties for not being able to give them the statism of plenty they long for.”

O resto pode ser lido aqui.

Republicano, socialista e laico?

imgres

Benoît Hamon, o vencedor da primeira volta das primárias do PS francês não é apenas um proteccionista à semelhança de Donald Trump. Representa também, no que diz respeito aos direitos que reconhece aos muçulmanos em França, o fim da laicidade republicana do socialismo francês.

Um país sem memória não se governa

Lembram-se da inflação? Não? É porque a vida tem sido boa com o euro. O meu artigo hoje no Jornal Económico.

Um país sem memória não se governa

Na minha infância era a inflação, 20,9%, em 1978. Com a AD, em 1980, 16,1%. E, em 1984, a meio da intervenção do FMI, em pleno Bloco Central, quando Soares era primeiro-ministro, foi de 28,5%. Apenas em 1987 desceu abaixo dos 10%. Foi um feito. Ainda me lembro das primeiras páginas dos jornais: a inflação estava abaixo dos dois dígitos. O país tinha futuro. Já não era sem tempo.

E o tempo passou e o país esqueceu-se. Já não se sabe o que é o salário não chegar ao fim do mês porque os preços aumentaram. Como é que o que se recebe em Dezembro não chega para as mesmas compras feitas em Janeiro? As empresas desconhecem como se gerem stocks, como se vende a crédito, quando há inflação. Imagine o leitor vender um produto pago 90 dias depois. Quanto dinheiro perdeu? Pois, não foi fácil. É muito difícil.

E tem sido fácil, tem sido possível às famílias anteverem os gastos do ano, às empresas planearem como serão os próximos meses, anteciparem investimentos, compras, vendas, salários, gastos, ganhos, porque sabem quanto vale o dinheiro hoje, daqui a duas semanas, dois meses e até mesmo dois anos. Este paraíso económico devemo-lo ao euro.

Infelizmente não aproveitámos todas as potencialidades. É que durante a minha infância ouvi vezes sem conta que o problema do país eram os salários baixos. E como é que se resolvia o problema dos salários baixos? Com uma moeda forte. É claro que tivemos azar: a moeda forte caiu-nos do céu. Conseguiu-se sem produtividade e sem capital. Que se obtém com poupança, sem défices, e com bom investimento. Como não tínhamos nada disso, como não fizemos nada por isso, a moeda forte passou por nós sem os proveitos que podia gerar. Tal como nada se fez para se aproveitar o euro e subir os salários, nada se fez nos últimos meses para tirar proveito das ajudas do BCE, do baixo preço do petróleo e das matérias-primas. Em vez de reformas que preparem o país para quando as condições mudarem, o Governo distribui benesses entre aqueles que o apoiam, sequestrando o Estado a esses interesses.

Imagino o leitor a sorrir neste momento: a inflação é um perigo? Onde? Mas talvez saiba que Trump pretende gastar em infra-estruturas e implementar políticas proteccionistas; que o dólar se está a valorizar contra o euro e o que tudo isto junto traduz.  Em 2017 vai-se travar uma dura batalha entre dois campos: os que dão valor ao dinheiro e os que o querem desvalorizar. E este último objectivo consegue-se com inflação.

Até agora a Alemanha é quem mais se opõe à política monetária do BCE. Para os alemães, a subida de preços é inaceitável. Tal como deveria ser para nós. Infelizmente, este Governo, e a maioria que o sustenta, não se importa. Até o prefere. Porque com inflação é muito mais fácil iludir as pessoas. Às vezes olhamos para os problemas e não nos apercebemos que esquecemos como era. O quanto custou e o que jurámos nunca querer repetir.

Sobre os jornais

O meu artigo hoje no ‘i’.

Sobre os jornais

Perdoem-me os jornalistas, mas vou falar de jornalismo. Da minha perspectiva, enquanto leitor de jornais e revistas, sobre a transformação do modo como lemos notícias e somos informados, ou desinformados.

O meu avô lia o “Jornal do Fundão” para se manter a par do que acontecia na região de onde vinha. Todos os dias comprava um vespertino que lia com cuidado. E todos os dias aguardava pelo noticiário das oito e via o que acontecia no mundo. Para ser informado, ele passava pela papelaria e comprava o jornal quando regressava a casa ao fim do dia. Tinha de se sentar, de o abrir e de o ler. Tinha de ter iniciativa.

A internet e os tablets mudaram isso. Com acesso directo à notícia a toda a hora, a maioria fica-se pelos títulos dos artigos, cuja leitura adia para mais tarde, para um momento em que outros títulos lhe tiram o tempo que tinha para ler o que o tempo já deixou para trás. Pior que isso, a notícia vem ter connosco, sem esforço. Esta passividade matou o interesse.

E sem interesse não vejo grande futuro nos jornais diários em formato de papel. A época do meu avô já não existe. Uma publicação precisa de ter conteúdos para nos fazer sair da redoma em que vivemos e sermos ativos. E para termos algo que tenhamos tempo de ler, a imprensa escrita talvez deva ser menos generalista e menos periódica. Noticiar não é ir atrás da notícia. Deixem os títulos com o telemóvel e examinem o que se passa. Precisamos disso. Porque se pensar é perigoso, não pensar é muito pior.

Rebenta a bolha

rebenta-a-bolha Ao que parece, Portugal emitiu títulos de dívida pública – ou seja, pediu dinheiro emprestado – por um prazo de seis e doze meses a juros negativos. Tendo em conta que isto sucede poucas semanas depois de ter sido obrigado a aceitar juros de 4% por empréstimos com o prazo de dez anos, só se pode chegar a uma conclusão: a política do BCE está a criar uma bolha no mercado dos títulos de dívida, mas toda a gente espera que, a médio ou longo prazo, ela acabe por rebentar, e ninguém confia na capacidade do Estado português saldar as suas dívidas quando tal acontecer.

Eu, André, me confesso

Os meus pais escolheram o meu nome porque, além de gostarem, não havia muitos. E durante anos fui o único André: na escola, na universidade e entre os meus amigos. Não havia outro. Ao pé dos Carlos, Nunos, Joões, Paulos, Pedros, eu era o André. Sabia bem.

Só poucos anos depois de iniciar a minha vida profissional comecei a conhecer outros Andrés. Primeiro, um, e achei piada. Mas depois outro, e estranhei; e outro e outro, e aos poucos fiquei rodeado deles. Como eram todos mais novos, dei–me conta que, anos depois de eu ter nascido, o nome se tornara popular. Atrás de mim havia uma catadupa de Andrés. Não eram milhares, mas dezenas de milhares. A singularidade do nome desapareceu.

Quando nasceu o meu filho, escolhemos um nome do nosso agrado e que, ao mesmo tempo, não fosse muito comum. Todos os anos volto à lista dos nomes mais escolhidos no ano anterior e temo o pior. Ainda não foi desta e o miúdo vai-se safando. Caso o nome se banalize, a probabilidade de pertencer a outra geração ajudá-lo-á.

As modas massificam, matam. E não há muito a fazer a não ser aceitar. O problema é que o nome, pelo menos esse é o meu entendimento, é o mais pessoal que podemos ter e, ainda por cima, dado pelos nossos pais. Não há presente maior. E o que me impressiona, não posso deixar de dizê-lo, é a forma como se escolhe algo tão importante sem que se o eleve acima da moda. Nestes dias admiro mais quem tenha a coragem de escolher Vanessa ou Guiomar porque gosta do que os que vão para Martim ou Matilde porque sim.

Guião de thriller financeiro “O Lobo do Intendente”

  1. Afirma-se que esta coisa do Novo Banco é para vender com urgência. Se não for vendido, o melhor é fechar, resolver, liquidar, etc.
  2. Surpreendentemente (Not), ao ser confrontados com esta informação os potenciais compradores fazem ofertas baixas.
  3. Algumas vozes queixam-se que as ofertas são demasiado baixas. Dizem que se é para pagar então mais vale nacionalizar.
  4. Depois daquele negócio espectacular do Banif, isto de o contribuinte pagar para uns estrangeiros ficarem com o banco é uma coisa mal vista. O povo agita-se.
  5. Inúmeros idiotas aparecem a dizer que, se calhar, o é melhor nacionalizar. Com a memória que caracteriza os protozoários, já ninguém se lembra do BPN.
  6. Técnicos do FMI compram bilhetes para Lisboa.

Mário Soares

soares4_07_01_2017-925x578

Soares em mil caracteres. O meu texto no Jornal Económico sobre Mário Soares.

Mário Soares, um génio político incongruente

Somos livres porque Mário Soares esteve do nosso lado contra os comunistas. Não tivesse tido o discernimento e a coragem de o fazer, e a vida da geração dos meus avós, dos meus pais, e a minha, teria sido desgraçada. Por isso estou-lhe profundamente grato.

Mas Mário Soares foi muito mais que esse momento. Era o ‘bochechas’ que perdeu para Sá Carneiro e para quem ia perdendo o centro político. Não fosse Camarate como teria sido a carreira política do então líder do PS?

Soares foi o primeiro-ministro da austeridade que, 30 anos depois, criticou em nome de interesses que, quando necessário, combateu. Ganhou a presidência com coragem e 8% nas sondagens. Mas teve azar com as duas maiorias absolutas de Cavaco.

Implacável, não aceitou que o país não precisasse dele. Entrincheirado numa esquerda à qual não pertencia, defendeu um mundo diferente daquele que ajudou a fazer. O último Soares combatia ainda, mas contra a inevitabilidade do fim, luta para a qual qualquer coisa servia.

As opções editoriais sobre crianças III

baldaia

A correr desde o início de Dezembro do ano passado nas redes sociais e nalguns orgãos de comunicação social estrangeiros, o DN resolver publicar hoje com destaque da primeira página uma fotografia de um menino morto e com direito a editorial de Paulo Baldaia.

Na altura, as informações que acompanhavam a imagem relatavam que a criança terá sido uma das dezenas de vítimas mortais e que resultaram dos disparos contra barcos na fronteira entre Bangladesh e Myanmar, por guardas fronteiriços deste último país.

E o que “extraio” do editorial do director do DN? Isto “dito” de modo mais rústico quando comparado com a pena progressista do director do DN:

O centenário DN publica a 5 de Janeiro de 2017, algo que foi difundido nas redes sociais e nalguma imprensa internacional a 5 de Dezembro de 2016 e que ao contrário do que afirma Paulo Baldaia não foi publicada em primeira mão pela CNN.

Mais. Apesar “dos riscos de manipulação que deixaram o jornalismo ficar mal” (alguém se lembra de Pallywood?), a publicação pelo DN serve para de algum modo defender a minoria muçulmana de Myanmar e “expor” as vítimas do terrorismo religioso de qualquer ponto do planeta.

A crer nessa missão, estarão asseguradas para todas as restantes edições do diário de referência português a publicação de pelo menos uma fotografia chocante, de preferência de um corpo de uma criança, o respectivo editorial justificativo e um dossier sobre o tema do dia mas sem banalizar ou aborrecer os leitores do jornal.

Talvez esteja encontrada a solução para acabar com a decadência nas vendas do DN e tirar da miséria franciscana a secção de Internacional do jornal que até à publicação da imagem do corpo de um menino nunca se interessou verdadeiramente por conflitos que não nos são próximos e que matam inocentes. Até porque o Engº Guterres irá salvar o Mundo a partir da secretaria-geral da ONU e o DN não podia deixar de cumprir o seu papel.

Sugestão de leitura complementar: As opções editoriais sobre crianças e As opções editoriais sobre crianças II.

Os mergulhos de Marcelo

O meu artigo hoje no ‘i’ é sobre os mergulhos de Marcelo.

É muito interessante perceber que, apesar de representar tudo o que o país, ao que por aí se diz, não tolera, Marcelo é popular por garantir que nada muda.

 

Os mergulhos de Marcelo

Porque é que o mergulho de Marcelo na praia de Cascais me incomoda? Não é só o show-off de alguém que precisa de se exibir que me chateia. Isso terá naturalmente uma explicação qualquer, para a qual não sou a pessoa mais indicada. O que me incomoda é a ostentação de Marcelo não ser escrutinada apesar dos intentos por trás dos mergulhos.

Outro seria trucidado. Mas Marcelo, apesar de afilhado de quem é, amigo da casa de Ricardo Salgado, mergulha no mar em plena baía de Cascais e o país sorri porque o Presidente é a garantia de que o país fica como está. A cumplicidade tem destas coisas. O que de outra maneira seria inadmissível é aceite como compensação de que nada muda.

E a forma complacente como fala com as pessoas, não como um Presidente eleito pelo povo, mas pelo destino. Porque Marcelo acredita nisso: que estava destinado a ser chefe de Estado. Diz–se que é comportamento de rei, algo que estranho num país alegadamente republicano e que elegeu um Presidente.

Um país que não se importa que Marcelo queira ser popular com afectos e beijinhos para preencher o vazio de poder que surgirá caso a geringonça falhe. A mensagem de ano novo apelando a mais crescimento é um aviso tão fácil e valioso quanto os afectos que distribui. Ele sabe que não há crescimento sem contenção orçamental e que a conseguida foi à custa de artimanhas contabilísticas e do BCE. Para Marcelo está tudo bem, ao mesmo tempo que, prevenindo, se desresponsabiliza. Este Presidente gosta de mergulhar, mas o país não tinha de ir com ele.

Inflação regressa à Alemanha?

Até agora o problema era a deflação, que não ajudava ao investimento. Qualquer dia, quando nos recordarmos que inflação é subida de preços (o PCP lembrou-se disso ontem), a razão para a crise será outra que não o dirigismo político da economia.

Trump: um presidente dos trabalhadores

E se Trump for o presidente de todos os trabalhadores? Como é que fica a esquerda? O meu artigo no Jornal Económico.

Trump: um presidente dos trabalhadores

Quem diria? Donald Trump, o homem de negócios, o especulador que faliu empresas tirando daí proveitos próprios; o arrogante e execrável Trump vai ser um presidente das massas trabalhadoras. Quem o refere é Rich Lowry, editor da National Review, num artigo publicado este mês na Politico Magazine, com o sugestivo título de “The Party of Workers”.

Atenção que falar de trabalhadores não é falar de pobres. As políticas de Trump não visam reduzir a pobreza, mas subir os salários. Aproveitando um mal-estar cujas razões poucos conseguem expor, Trump simplificou o problema explicando que os salários não têm aumentado devido à imigração. O seu raciocínio é ajudado porque a população de imigrantes nos EUA aumentou, desde o início deste século até 2014, de 31 para 42 milhões.

A solução de Trump para este problema é reduzir a entrada de estrangeiros. Com menos pessoas a trabalhar os salários sobem. E se, com a subida dos ordenados, as empresas pensarem em se instalar nos países onde a mão-de-obra seja mais barata, Trump pune-as com impostos e tarifas aduaneiras sobre os seus produtos. É assim que Trump se transforma, de um homem do capital num defensor dos trabalhadores. Juntemos a esta política as obras públicas de renovação das infra-estruturas dos EUA, que a sua administração conta para criar empregos, e está visto como vão ser, caso Trump cumpra o que diz, os próximos anos na América.

Muitos comentadores norte-americanos estão excitadíssimos com a perspectiva de um novo Roosevelt. Mas há problemas. Um país não se desenvolve, não enriquece, só com menos impostos e mais despesa pública. É preciso progresso tecnológico e inovação. A redução dos impostos e o aumento dos gastos públicos origina dívida que obriga a racionar o futuro. Aquele momento em que Trump já não será presidente e, por isso, por ora não interessa nada.

O proteccionismo de Trump até pode criar um aumento temporário dos salários e do emprego. Mas um país fechado não inova e, mais cedo ou mais tarde, é ultrapassado por outros que produzem melhor e mais barato. A que se junta a inflação, um risco natural para qualquer país que feche as portas à globalização. A inflação: essa forma de austeridade que tantos desejam e que afecta especialmente os que ganham menos e que têm mais dificuldade para fazer frente ao aumento dos preços. Para a evitar, a Reserva Federal já anunciou o aumento das taxas de juros e promete mais em 2017.

Taxas de juros mais altas podem ser um problema para países como Portugal. Mas como é habitual, será algo que o Governo vai empurrar com a barriga. Entretanto, vai ser muito difícil à esquerda dizer mal de Trump depois de tantas críticas lançadas à austeridade de Angela Merkel. Até porque, apesar de ainda nem sequer ter tomado posse, os anúncios de Trump já estão a estimular a economia e as bolsas fervilham na Europa. Como o socialismo, tão avesso à especulação, tanto queria.

O ano em que ninguém quis saber

O meu artigo no ‘i’ sobre o ano português que termina.

O ano em que ninguém quis saber

O ano está a terminar e é hora dos balanços. Por todo o lado leio que o país está excelente. O Público, num especial sobre 2016, descreve-o como o ano dos êxitos improváveis e pergunta se a auto-estima voltou. Até a novela do aeroporto regressou à baila com o Expresso a noticiar que a construção de um  novo pode avançar já em 2019. Isto depois de sabermos que já há planos para a expansão do Metro de Lisboa.

Algo de muito estranho se passou este ano e que poderá explicar como é que saímos da depressão profunda da troika e chegámos à euforia contagiante da geringonça. Mas o quê?  É certo que o BCE compra dívida pública portuguesa, mantendo o país a soro. Mas e depois? Ninguém se pergunta como vai ser quando essa ajuda terminar? Ninguém se preocupa?

Lembram-se daquelas reformas que durante anos ouvimos dizer que eram indispensáveis? Agora já não não precisas para nada. Afinal o país até está melhor sem estas. Até porque essas reformas implicavam mudanças de hábitos e os portugueses estão habituados a não mudar as suas práticas. Como governante hábil que é António Costa percebeu isso e deu-nos isso.

Daqui a muito tempo os portugueses do futuro estudarão estes anos para conhecer Portugal. Para se conhecerem a eles próprios. Um país que fecha os olhos porque dessa forma não se passa nada. Não querer saber é um remédio. E quando o Carmo e a Trindade caem pergunta-se porque é que ninguém avisou. Não é verdade. Os avisos estão aí. O problema é que ninguém quer mesmo saber.

Bom Natal

Foi um ano difícil. Cheio de incertezas e pejado de desafios. Mas é nestas alturas que devemos olhar para trás. Para ver como foi, como as dúvidas que temos hoje outros tiveram também.

Esta mensagem de Natal da Rainha Isabel II, em 1957, a primeira ser televisiva, ilustra bem isso mesmo. Vejam-na. Nela fala-se do mundo que muda muito depressa, nos deixa desamparados e como temos de ter coragem e atenção aos valores que guiaram os nossos avós para enfrentar o ano que vem. Na época, 1958. Agora, 2017.

P.S.: a Rainha também fala da visita a Portugal, mas não confirma ter visto Marcelo.

Síria: back to basics XXVIII

assad

Perante a histeria do carniceiro Assad: Triumphant Assad: ‘History is being made in liberated Aleppo’  faz ainda mais sentido ler o comentário sobre a Síria de Miguel Monjardino, na sua página de Facebook:

(…) 2. A vitória militar numa guerra urbana que dura há 5 anos representará um grande triunfo político para Damasco. A constelação de grupos revolucionários sunitas e rebeldes que combatem contra o regime de Bashar al-Assad está a caminho de deixar de representar uma ameaça existencial para a sobrevivência de Damasco.

3. Porém, a queda de Palmira e dos poços de petróleo à volta da cidade para o Daesh é um embaraço político para Moscovo e Damasco. Por duas razões. A primeira é tornar excessivamente claro que a verdadeira prioridade de Bashar al-Assad na guerra não tem sido o Daesh mas sim os outros grupos armados sunitas. A segunda mostrar que que Damasco não tem o número de tropas e milícias suficientes para controlar a capital, Alepo e uma parte do país e lutar contra os revolucionários do Daesh, Al Qaeda e outros grupos rebeldes sunitas ao mesmo tempo. O número de baixas das forças armadas sírias durante a guerra tem sido muito elevado. (…)

5. É importante ter em conta que os interesses de Damasco, Teerão e Moscovo não são coincidentes. Todas estas capitais estão dispostas a pagar um preço elevado em sangue e dinheiro para manter o regime de Bashar al-Assad. A determinação desta coligação foi superior à da Turquia, Arábia Saudita e Qatar que tentaram usar a guerra civil síria para derrubar o regime sírio e criar um baluarte sunita na costa do Mediterrâneo. Dito isto, o Kremlin não tem grande interesse em ver a guerra pelo controlo de todo o território sírio continuar. Moscovo aproveitou o recuo da administração Obama no Médio Oriente e a aposta estratégica de Washington na negociação do acordo nuclear com o Irão para intervir militarmente na Síria. O principal objectivo de Vladimir Putin é melhorar a sua posição estratégica na Europa: levantamento das sanções económicas, financeiras e tecnológicas impostas pelos EUA e a União Europeia, negociação do estatuto geopolítico da Ucrânia e impedir que tropas NATO sejam estacionadas nos estados da Aliança Atlântica a leste. Ou seja, a Rússia não quer aumentar o seu empenhamento militar na guerra síria. O interessa a Vladimir Putin é voltar a dar à Rússia um papel indispensável na política internacional. O que o líder russo ambiciona é uma mistura de estatuto e respeito em Washington. Damasco é um instrumento para Moscovo voltar a ser o nº 2 a nível mundial. Damasco e Teerão olham para o problema de outra forma. O mesmo pode ser dito dos grupos de revolucionários e rebeldes sunitas que combatem em território sírio. A sua determinação em continuar a combater mantém-se.

6. O que é que as capitais europeias podem fazer no meio de toda esta violência? Se não estivermos dispostos a agir militarmente para defender interesses ou valores, a resposta é “Nada!” Como Tucídides escreveu na sua “História da Guerra do Peloponeso” – esse grande clássico sobre a política, a estratégia e a natureza humana -, “a guerra é um professor muito violento.” Esta é uma lição que as sociedades europeias que decretaram ter abolido o problema do uso da força militar para conquistar ou manter o poder político vão ter de aprender. Restam os gestos como este em Paris e as redes sociais que geram emoções. O que está em jogo, porém, não são as emoções mas sim o poder. A paz, essa, levará mais algum tempo a chegar às cidades, vilas e aldeias sírias. (…)

CGD: a (in)utilidade de um banco público

CGD_afundaÉ hoje notícia no jornal Público que o governo PSD/CDS, chefiado por Pedro Passos Coelho, escondeu informação sobre agravamento do buraco na Caixa Geral de Depósitos (CGD), para evitar, meses antes das eleições, comunicar aos contribuintes que teriam de meter dinheiro neste banco público:

Durante seis meses, o Ministério das Finanças liderado por Maria Luís Albuquerque teve na gaveta pelo menos dois pareceres da Inspecção-Geral das Finanças relativos a relatórios trimestrais da Comissão de Auditoria da Caixa Geral de Depósitos de 2014 que mostravam um agravamento das imparidades do banco público.

Um ano depois das eleições PSD acusa o governo PS, chefiado por António Costa, de adiar injecção de capital na CGD, para evitar que este valor tenha influência no cálculo do défice orçamental do Estado para 2016.

É notório ainda que muitas daquelas imparidades se referem a empréstimos efectuados a empresas/indivíduos a operar em actividades que políticos designam de “sectores estratégicos”. E agora os contribuintes terão de pagar a factura dessas más apostas.

Mesmo assim, a classe política continua a afirmar que a CGD deve permanecer pública, para que seja um importante factor no estímulo ao crescimento económico. Estas notícias dizem o contrário: a CGD seria mais útil à economia portuguesa se fosse privatizada.

O preço da sorte

O meu artigo de hoje no Jornal Económico.

O preço da sorte

Conta-nos Heródoto que Polícrates, o tirano de Samos, recebeu uma carta do faraó Amásis, na qual este expressava a sua preocupação pela boa sorte daquele. Nessa carta, Amásis dizia nunca ter conhecido um homem com tanta sorte que não tivesse terminado na miséria. Para afastar o fatal preço da sorte, Amásis sugeriu que Polícrates deitasse fora o seu objecto mais valioso e de que mais gostasse. Polícrates assim fez e lançou ao mar um anel com esmeraldas que usava com muita frequência. O primeiro azar foi que este regressou a terra dentro do estômago de um peixe. Sabendo disso, Amásis desfez a aliança que tinha com Polícrates que, pouco depois, foi empalado e mandado crucificar por Orestes de Sardes.

Ninguém deseja o mesmo fim a António Costa, nem sequer, excepção feita aos que crêem nas teorias da conspiração, alguém ainda acredita no fatalismo da sorte e do azar. O certo é que Costa tem tido sorte. Melhor: aproveita muito bem a que vai tendo. Tal como Polícrates, Costa meteu os aliados no bolso e vangloria-se dos resultados que apresenta. Proventos que, como os de Polícrates, têm pouca base de sustentação. No entanto, enquanto a sorte durar, Costa sorri.

A sorte de Costa é que o BCE tem comprado dívida pública portuguesa baixando os respectivos juros. Com a política monetária do BCE, Portugal continua a viver sob assistência financeira, mas sem contrapartidas. A sorte de Costa é que a DBRS mantém Portugal seguro por um fio, apenas porque o custo do colapso de um país do euro é superior ao dano de uma notação errada. A sorte de Costa é que a Alemanha tem eleições em Setembro e Merkel prefere que Costa sorria e Marcelo seja afectuoso, a dar um presente de mão beijada à extrema-direita. A sorte de Costa é que as eleições francesas são na Primavera. A sorte de Costa é que o mundo está em stand-by até ao Verão.

A moeda da sorte de Costa tem um outro lado: a política monetária do BCE dificulta a poupança de que Portugal carece; as eleições francesas e alemãs renovarão as exigências europeias (se não puserem um ponto final na política de assistência em que vivemos), e a banca portuguesa vai ter de deixar de financiar empresas amigas do poder, a começar pela CGD. Sim, pela Caixa Geral de Depósitos, sob pena de derrocada.

A sorte de Costa tem uma data limite. Mesmo em cima das autárquicas, que o PS espera vencer. A sorte de Costa é o nosso azar. Azar porque, durante este compasso de espera, o país não aproveita para reduzir a dívida pública (de acordo com o Banco de Portugal, atingiu 133,1% do PIB); não desce a despesa, mas compensa o défice com mais impostos e taxas que matam a economia. Não poupa, não investe, nem canaliza dinheiro para quem pode fazer a economia crescer. Azar dos azares, nem nos poderemos desforrar: quando a sorte de Costa acabar, ele fica ligado à folga usufruída por uns tempos e o povo paga a conta. Polícrates não teve tanta sorte.

Purga envergonhada no Bloco de Esquerda

catarinamartins

Imagino que na vida interna dos partidos existam episódios dignos de uma comédia que acaba muitas vezes por se  transformar em drama e nos piores casos, em tragédia e horror. E se até agora pensavam que a purga era um exclusivo do PCP – o mais moscovita-estalinista dos partidos comunistas da Europa Ocidental, estão enganados, de uma forma mais ou menos envergonhada o Bloco de Esquerda  lá vai percorrendo o seu caminho.

O Bloco de Esquerda é mais do que uma experiência, uma vivência de um conjunto de partidos inovadores de esquerda, com maioria absoluta nas  redacções, cujo primeiro líder foi o actual Senador da Rrrépública Francisco Anacleto Louçã. Depois dele, a gerência passou por uma direcção bicéfala que respeitou a quota dos sexos e acabou com Catarina Martins a chefe, a apoiar a Geringonça e a engolir uma generosa quota de sapos, rãs e demais batráquios.

Podemos estar gratos tanto à sua existência como à sua dissidência. É ao BE que devemos a existência de um MAS (Joana Amaral Dias durante umas eleições e gravidez), do Livre unipessoal de Rui Tavares, de um 3D (do Daniel Oliveira que não pergunta o que nos dizem os nossos olhos) ou qualquer outra agremiação que entretanto tenha nascido ou venha a nascer da força  imaginativa dos homens, mulheres e restantes criaturas da esquerda que se quer diferente mas igual. O BE para além dessa tarefa hercúlea de procura e  dissimulação envergonhada do comunismo,  sonha com a “transformação social, e a perspectiva do socialismo como expressão da  luta emancipatória da Humanidade contra a exploração e a opressão”. Ao que parece,o BE oprimiu impediu  Francisco Raposo,ex-dirigente da agremiação de regressar. O curioso é que até ao momento ninguém sabe muito bem as razões do boicote. Para já, existe uma carta aberta de solidariedade com o socialismo, com uma peculiar lista de subscritores nacionais e estrangeiros e um manifesto de Solidariedade dos membros da Moção B da Mesa Nacional do BE, naquilo que é considerado como um golpe inaceitável na democracia interna do Bloco de Esquerda.

De regresso ao PCP, enquanto partido conservador-comunista aproveitou a derrocada do comunismo na Europa de Leste,  para purgar os elementos menos ortodoxos, cabendo a alguns deles a abertura de novos movimentos de participação cívica-comunista- na-realidade- mas-com- outro-nome. Ou na integração dos dissidentes sobreviventes em partidos como o PS ou o PSD.

O surrealismo purgatório é lei para o comum dos traidores e o desfecho natural da militância no Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP ). Um dia depois do Natal de  1976, após seis anos de luta, nasceu o PCTP/MRPP, um partido “com uma linha política verdadeiramente revolucionária, assente na  aplicação da teoria e doutrina marxistas à situação portuguesa.” Sempre consideraram os outros comunistas como uns betinhos e de valor residual. O camarada Arnaldo Matos atingiu o  estatuto de figura pública apesar de não ter o culto das multidões proletárias e camponesas de um Ribeiro Santos – abatido pela PIDE – ou de um Alexandrino de Sousa, assassinado pelos social-fascistas da UDP  (facção do actual BE) . E depois de um afastamento a que os ousados apelidariam de burguês, acabou recentemente por purgar o Secretário-Geral o mediático advogado Garcia Pereira e os membros do comité permanente do comité central. O  único partido capaz de fazer “a aliança operária-camponesa” e num momento de  reflexão profunda reconhece-se a si próprio como “o único partido que, desde o início da mais  recente e grave crise do sistema capitalista em Portugal, definiu que a questão central que se coloca  à classe operária para não ser esmagada pela contra-revolução é a do não pagamento da dívida.”  É esta a abrangência que os camaradas têm direito,  sem coligações burguesas, de preferência sem pagar aos credores e em perpétuas histórias de higienização interna.

Alguém alinha nas pipocas?