A Líder da Oposição

PSD: 37.º Congresso Nacional

Escrevi aqui em Março, na minha Reflexão Pré-Congresso, que o CDS padece, desde a sua génese, de uma lamentável disposição a ser bengala. Esta disposição, originada, a meu ver, por um medo de parar, permite-lhe ir andando, mas também o impede de correr”. Disse também que devia “ambicionar para si o centro-direita, aproveitando a mudança de ciclo do PSD e a jacobinização progressiva do PS”.

Há uns meses, o país político fazia chacota de Assunção Cristas, desde os comentadores do costume, com a profundidade que lhes conhecemos, até aos notáveis de diversos partidos. Tudo porque se havia atrevido a admitir aspirar a liderar a oposição. Hoje lidera-a, sem sombra de dúvida. Em parte, e o seu a seu dono, por mérito próprio, em parte por falta de comparência de Rui Rio. O CDS tem estado na linha da frente do combate à geringonça, mobilizando-se sucessivamente e alcançando vitórias como o chumbo da eutanásia ou a pirueta a que forçou o PCP no caso dos combustíveis. Também o vemos no terreno, aprecie-se mais ou menos o formato.

Quanto ao PSD, pelo que ouvimos das suas raras tomadas de posição, podemos quase que encarar o seu silêncio como sábia prudência, quiçá evitando acrescentar demérito à asneira. O cinzentismo fatal da direita portuguesa, acrescido da típica disfunção ideológica de que vem habitualmente acompanhado e de que Cavaco foi o maior exemplo, vê-se consumado neste mandato onde se fica a crer, até pelo seu último artigo de opinião, que o Presidente do PSD foge do legado da finada coligação como quem foge do tifo, culminando na proeza de finalmente conduzir Santana Lopes a cumprir a eterna promessa de levar consigo o PPD e formar novo partido – ainda que a todos nos tenha desiludido por não apostar numa sigla com as suas iniciais.

Continue reading “A Líder da Oposição”

Anúncios

Tertúlia Ideias Radicais

O Instituto Mises Portugal organiza uma tertúlia com o sucesso brasileiro do Youtube Raphaël Lima, dia 16 de Julho às 19h no Grémio Literário. O seu canal Ideias Radicais, onde fala sobre escola austríaca de economia, política, liberalismo e libertarianismo, entre muitos outros temas, conta com 430 000 subscritores.

Lugares Limitados
Inscrição obrigatória: enviar email para misesportugal@gmail.com
Custo de entrada: 5 euros

ideias.png

IMP no Podcast do Mises Brasil

O Podcast do Instituto Mises Brasil, através do eterno Bruno Garschagen, acompanha o trabalho do Instituto Mises Portugal desde a sua criação em 2012. Dessa vez, o entrevistado foi o Bernardo Blanco, que o dissertou sobre os projetos em desenvolvimento e os desafios e oportunidades para divulgação da Escola Austríaca em Portugal. Seguiu-se também uma análise da situação política portuguesa e do governo da geringonça.

misesbr.png

Liberalismo e Descentralização em Portugal

O Instituto Mises Portugal organizará, dia 24 de Abril, uma tertúlia dedicada ao tema: “Liberalismo e Descentralização em Portugal”. Terá como convidados o eterno Insurgente Carlos Guimarães Pinto e o descentralizador-mor da pátria liberal Carlos Novais. O evento realizar-se-à na Sala D. Henrique, O Navegador do Instituo de Estudos Políticos da UCP, pelas 19 horas. Adianta-se, desde já, que a organização pode não conseguir disponibilizar sofás, pelo que a audiência poderá ter que optar pelo não menos digno liberalismo de cadeira.

Tertúlia: Liberalismo e Feminismo

O Instituto Mises Portugal organizará, dia 11 de Abril, uma tertúlia dedicada a explorar a relação entre o liberalismo e o feminismo. Terá como convidadas a nossa Maria João Marques e a Ana V. Martins e realizar-se-à na Sala D. Henrique, O Navegador do Instituo de Estudos Políticos da UCP, pelas 19 horas.

#nãosomostodoscenteno


mortagua.jpg

O Paciente Inglês

o pac

Como a direita continua a não ter vergonha na cara e teima em chafurdar na mesma desonestidade intelectual de que acusa os Costas e os Galambas desta vida, acumulam-se as duras críticas à sensata posição do Governo de Portugal em relação à guerra fria entre a Rússia e o Reino Unido. Serão os mesmos que evocam uma aliança centenária, quase pretendendo fazer a equivalência entre a defesa da mesma e o patriotismo, patriotismo esse que os leva, em certas ocasiões e nas poucas partes que conhecem de cabeça, a cantar um hino que surge de uma marcha exigindo que os portugueses rasgassem essa tal aliança e pegassem em armas, o equivalente a um suicídio dos dolorosos, “contra os Bretões”. Bom povo inglês, sempre do nosso lado em Goa, em Angola, em Timor.

Bem faz o Governo em exigir prova concreta que suporte as acusações inglesas, como também faria bem em desconfiar das mesmas, sejam elas apresentadas. Não há muito tempo, a dupla Durão e Portas arrastou Portugal para um conflicto desencadeado à margem do direito internacional, cujas provas, posteriormente, se verificaram serem falsas, e que pode bem acartar as culpas da terrível situação que o Médio Oriente hoje enfrenta. Sim, PSD e CDS têm ambos sangue nas mãos e a choradeira dos seus dirigentes e apoiantes quando se deparam com imagens dos meninos sírios lembra aquelas viúvas chorosas no luto do defunto,  tendo umas semanas antes escarniado o marido à cabeceira do amante.

Continue reading “O Paciente Inglês”