Notas breves sobre a cimeira do G20

1. Como se previa, Trump foi toureado por Putin no encontro do fim de semana. Alegadamente Trump acusou Putin de interferir nas eleições americanas, estamos seguros que com grande convicção, já que veio depois de várias tiradas tonitruantes de Trump assegurando que o hacking russo não existiu e não influenciou as eleições. Mas apesar de não ter existido nenhum hacking russo – Putin disse que não e alguma vez o senhor faltaria à verdade? Trump, a grande custo (vide as tiradas tonitruantes), lá acreditou em Putin – Trump e Putin resolveram criar não sei o quê de cibersegurança (pelo meio vai o reconhecimento de que os States não conseguem garantir a sua segurança sozinhos, pelo que se aliam aos que mais põem em perigo essa segurança; é tudo muito lógico, se virem bem depois de beberem uns dez gins tónicos) para prevenir que não volte a acontecer aquilo que nunca aconteceu – o hacking russo nas eleições americanas. De caminho, negociou-se um cessar fogo que mesmo que se efetue não cessará quase fogo nenhum. Uma vitória diplomática americana, portanto. Só ensombrada por outra, a daquele acordo de comércio (cof) com a China, verdadeiramente groungbreaking, em que um país vendia carne ao outro e, em compensação, recebe os seus cartões de crédito. O mundo não será igual depois de um entendimento desta dimensão entre os Estados Unidos e esta potência. Em Hamburgo, Trump não só concedeu tudo que tinha para conceder a Putin, sem nada de retorno, como o elevou à categoria de par do POTUS. O que, em boa verdade, neste momento é.

2. Merkel – com o seu rolar de olhos com Putin e o scolding a Trump por causa dos acordos de Paris – mostra como é, atualmente, A Líder do mundo ocidental, sem reverência por quem não merece reverência, e sem problemas em constatar publicamente que aquilo que a Europa, no seu melhor, é, está muito acima de produtos políticos como Trump ou Putin.

3. O estado da administração Trump vê-se por termos uma Ivanka a substituir o pai nas mesas dos líderes quando este estava ocupado. Ivanka não percebe nada do que se passa naquelas mesas (ok, não é muito diferente do seu pai, mas este foi eleito), e pelo menos teve o bom senso de ficar calada todo o tempo e não se embaraçar. Mas das duas, uma. Ou Ivanka pediu muito ao pai para ir ela para a mesa, apesar de nada saber do que lá é dito, e o pai disse que sim, da mesma maneira que os pais deixam os filhos criança sentarem-se nas suas secretárias nos seus escritórios para brincarem aos donos ou diretores de empresas – o que, enfim, mostra que Trump devia ter ficado com o seu robe no seu quarto da Casa Branca a tuitar em vez de ir à cimeira. Ou, em alternativa, Trump não confia em absolutamente ninguém da sua administração e teve de mandar a filha, em quem confia absolutamente apesar de não perceber nada, para espiar o que se passa na sua ausência e, quem sabe, impedir que fosse gozado pelos seus pares nas suas costas.

Os mortos são um pormenor

O meu texto desta semana no Observador.

‘1. Em 1958, Mao Zedong lançou o Grande Salto em Frente. Alucinadas políticas agrícolas, industriais e de obras públicas, de conceção inteiramente humana, resultaram, segundo o académico Frank Dikötter, em pelo menos 45 milhões de mortos. Qual foi a desculpa oficial apresentada pelas autoridades chinesas para a fome e os mortos? Ora: houve uma sucessão de calamidades naturais que resultaram em colheitas minúsculas. Este tempo ficou conhecido como os ‘três anos de desastres naturais’.

Francisco da Silva Costa, Miguel Cardina e António Avelino Batista Vieira, em ‘As inundações de 1967 na região de Lisboa, Uma catástrofe com diferentes leituras’, sobre a tragédia das ditas cheias, verificaram que a imprensa amiga do regime focava as notícias no sentimento de fatalidade, no impacto das causas naturais e na generosidade geral que se seguiu. (Reconhecem?)

É próprio de ditaduras culpar desastres naturais por mortes evitáveis. Há que impedir contestação e protestos por incompetências e negligências dos queridos líderes. É neste quadro que devemos ler os argumentos dos jornalistas engajados que nos querem convencer que nada há a fazer porque a floresta arde, o aquecimento global está aí – e fica tudo dito.

É neste contexto também que enquadramos a história tão prontamente cozinhada por todas as autoridades, a do desastre natural incontrolável e das condições climatéricas atípicas (alguma vez se viu neste polo norte onde vivemos altas temperaturas e baixa humidade?). Uma situação imprevisível (a geringonça tinha dado ordem ao clima para só se fazer notar a partir de 1 de julho, e ninguém está a reprovar devidamente esta irreverência climática). Num país onde nada se descobre, em poucas horas encontrou-se a maldosa da árvore que recebeu o raio e matou toda a gente. A culpa é da árvore, do raio e, se há culpa humana, é da aleivosa criatura que ali a plantou há algumas décadas. Ao jornalista Sebastião Bugalho, do i, a gente da zona contou que a trovoada seca ocorreu depois do fogo deflagrar. Devem ter inalado fumo de alguma plantação ilegal de marijuana que ardeu.

2. Foi bom ver as gelatinas que nos governam. Num momento em que precisávamos de gente de cabeça fria e decisão certeira, a pessoa do Palácio de Belém e o secretário de estado deixaram-se fotografar, na noite do desastre, emocionados, abraçados, como se a desabar. A ministra Urbano de Sousa teve a falta de noção de falar dos seus estados emocionais numa entrevista televisiva. O primeiro-ministro, em vez de se mostrar ao comando, tuitou-se a abraçar uma senhora.

Indecorosa utilização das emoções. Quando necessitávamos de confiar que nos protegiam, apresentaram-se como se lhes devêssemos dar um lenço para assoar as lágrimas.’

O resto está aqui.

Reles é não fazer perguntas e não apontar responsabilidades só porque o governo é socialista

Enquanto os indícios de negligência se amontoam – na reação ao fogo do fim de semana (as autoridades mandaram pessoas para a estrada onde acabaram por quase morrer, bombeiros não foram enviados a tempo,…) e na prevenção (nem sei por onde começar; é ler por exemplo isto e isto; ou questionar onde se escolheu gastar dinheiro, nos últimos anos, tanto na administração central como nas autarquias) – e que perguntas curiosas estão sem resposta – porque houve informação tardia? porque não há no IPMA registo de trovoada seca naquela zona? -, simultaneamente avançam os esforços de branqueamento político antecipado do governo e do PS na responsabilidade política da catástrofe.

A narrativa parece ser ‘é obsceno para a memória das vítimas estar-se a fazer política com as mortes’. Ora vão dar uma volta ao inferno, para não dizer pior. Os governantes e políticos eleitos e jornalistas não perderam ninguém no fogo, pelo que mantêm as capacidades – e a obrigação – de não se fingirem paralisados com tanta dor. Já vários apontaram as diferenças com a tragédia também pelo fogo da torre de apartamentos de Londres. Não passou pela cabeça de ninguém em Inglaterra pedir para não colocarem os conservadores (centrais e da autarquia daquela zona de Kensington) no hot spot de quem tem respostas a dar para não desonrar a memória das vítimas. Na Alemanha, depois do atentado de Natal, imediatamente Angela Merkel foi criticada pela sua política de refugiados. Ingleses e alemães são uns papalvos que não sabem viver em democracia. Por cá temos todos de ficar bem caladinhos, com as luminárias putrefactas do regime a verterem moralismos sobre quem quer responsabilidades apuradas. Entendamo-nos: o que esta gente ruim pretende é agora impor o silêncio sobre responsabilidades socialistas, instituir a ridícula responsabilidade única da natureza e, mais tarde, fazer uma comissão de inquérito de fantochada, como a CGD, para branquear oficialmente a sua área política. E isto, sim, é que é gargalhar sobre as mortes ocorridas.

Lamento, não participo nisto. Morrerram 60 pessoas. Temos um governo em funções, quase a meio do mandato. O ministro da agricultura atual foi também o ministro da agricultura de sócrates, pelo que sacudir responsabilidades é inútil. E como esta questão de prevenção de incêndios não é conjuntural de uma legislatura, vale a pena lembrar que, nos últimos 22 anos, o PS governou 16 deles.

Lamento, mas o maior responsável pela tremenda negligência que matou este fim de semana 60 pessoas é tão ostensivamente evidente como um elefante no meio de uma sala. Os pormenores do que correu mal poderão – se tivermos muita sorte desta vez – virem a ser escalpelizados, e o Ministério Público verá se algum crime ocorreu. Mas a responsabilidade política, meus caros, neste caso não pode ser posta debaixo do tapete em nome de um hipócrita respeito pelas vítimas e um real branqueamento do PS. É criminoso branquear isso só porque se trata do partido amiguinho. Os familiares dos que morreram, e os mortos, merecem exatamente o contrário: intransigência em não deixar fugir quem permanentemente olhou para o lado. Ah, e quanto mais se esforçam por calar exigências de responsabilidades, mais ideia dão de que muito têm a temer.

Sobre a tragédia do fogo de Pedrogão Grande

Uns apontamentos iniciais. Porque se é certo que temos clima propenso a fogos florestais, e que as condições climatéricas ‘atípicas’ que não raro resultam em incêndios, de altas temperaturas e baixa humidade, são muito típicas por cá, nada nesta propensão para e regularidade de condições ‘atípicas’ nos deve levar a pensar que nada há a fazer e que o melhor é sofrermos os fogos estoicamente, que fazem parte da sorte que nos calhou.

1. Muitas pessoas morreram encurraladas pelas chamas em estradas. O incêndio foi muito rápido, sim, senhores. Mas este é o momento para nos congratularmos por termos governantes que gastaram tanto dinheiro na caça às multas, com radares por todo o lado, não vão os meliantes que guiam a 60km/hora escapar, quando somos um país com propensão para fogos, com estradas e até autoestradas no meio de arvoredos suscetíveis de arderem no verão. Ainda bem que nunca se desviou dinheiro da caça às multas para coisas úteis como painéis eletrónicos nas estradas das zonas com floresta, de forma que, havendo sinalização de um fogo, imediatamente quem passa nas estradas num raio de uns bons quilómetros fique avisado do que se passa e possa inverter marcha ou alterar o caminho. Ainda bem que o dinheiro é usado onde serve melhor as populações.

2. A criatura de Belém. Não sei bem como pensa Marcelo Rebelo de Sousa, que apareceu a correr, que os seus bonitos olhos ajudam os bombeiros nos momentos em que está tudo em alvoroço – parece-me que só cria distrações ao trabalho que já precisa de concentração e decisões rápidas, e complicações de segurança – mas pior que isso é a declaração de MRS, em cima do acontecimento, de que tudo o que podia ser feito foi feito. Tal falta de respeito e de responsabilidade nunca se viu. Provavelmente este fogo seria sempre calamitoso, mas como pode a criatura de Belém garantir que não se poderia ter dado melhor resposta? Que as estradas não pudessem ter sido cortadas de imediato? Não sabiam que a temperatura iria estar em níveis estratosféricos e por isso com tendência para incêndios bravos? Não dá para ter a proteção civil preparada nestas típicas condições atmosféricas ‘atípicas’? Tanto mais que a austeridade já terminou, e agora há dinheiro para tudo, e estamos todos pacificados e amiguinhos, como assegura Marcelo.

Um presidente da república (nem merece maiúsculas) a branquear antecipadamente o necessário apuramento de responsabilidades numa tragédia com mais de 60 mortos é de fazer de corar de vergonha defuntos enterrados há dez anos. Tanto mais que há indícios que, se não há reparos (pelo contrário) aos bombeiros que estão no terreno, já a proteção civil e toda a organização que envia os bombeiros aparenta ter respondido tarde – mesmo tendo em conta que seria sempre impossível conter este fogo sem danos de maior.

Lindas histórias de amizade e de amor familiar

O meu texto desta semana no Observador.

‘Nenhum bom pai ou mãe de família resiste a uma eloquente história de amizade. Sabem quem retratou bem amizades? Hergé, com a amizade entre Tintin e o Capitão Haddock ou o jovem chinês Tchang. Para os amigos do mundo animal podemos também incluir Milou, que prescinde uma vez ou outra de roer uns saborosos ossos para ajudar Tintin.

Aprecio igualmente exemplos de dedicação à família. Trago à colação, por exemplo, Lord Arthur Saville, criação de Oscar Wilde, que por amor à sua futura mulher cometeu o crime que lhe cabia antes de casar. Considerava indigno e uma desconsideração pela sua prometida senhora entrar no estado de casamento com afazeres pendentes de natureza questionável.

É por ter tal enlevo por estas histórias de afetos que fiquei tão enternecida com o que se passou por estes dias para os lados dos amigos e familiares do PS. Ah, o gosto de termos gente a governar-nos que trata tão amorosamente de amigos e família.

Vejamos os Best Friends Forever António Costa e Lacerda Machado. Esse, o feliz contemplado com a nomeação para a administração da TAP, aquele negócio que o dito BFF do primeiro-ministro ajudou – tão generosa e desinteressadamente, fez tudo para o bem do país sem esperar nenhuma recompensa (pecuniária) – a trazer de novo para as garras do Estado. Ora sobre este pestilento assunto há alguns pontos a referir.

Um. Veem para que servem as empresas públicas? Os políticos podem aventar as tretas que se lembrarem, inventar benefícios para os consumidores, aludir falsamente a um qualquer interesse nacional (sei lá, como os balcões da CGD que vão fechar pelo motivo mais comum nas empresas privadas, o lucro, ou os voos que a TAP já não faz para o Porto). A verdade é mais prosaica: os políticos defendem a existência de empresas públicas porque querem ter nelas a possibilidade de colocar amigos recebendo simpáticos ordenados ou, ocasionalmente, emprateleirar inimigos. E enquanto existirem empresas públicas essa será a sua serventia. Clamar contra nomeações de amigos (pessoais ou políticos) ao mesmo tempo que se declara paixão ao setor empresarial do Estado é diletantismo de amantes de unicórnios ou hipocrisia de mal-intencionados. A única solução para impedir estas promiscuidades amistosas é não dar oportunidades. Que é como quem diz: privatizar as empresas públicas.’

O resto está aqui.

Turismo: do passado inventado às insuportáveis peneiras

O meu texto de hoje no Observador.

‘Continuando-se a discutir esses horripilantes alojamentos locais e arrendamentos de curta duração – por oposição ao passado glorioso, tranquilo, pacífico, de amor generalizado entre os vizinhos que se vivia antes das enchentes de turistas – resolvi fazer serviço público. Vou contar a minha experiência de vida numa zona histórica.

De 2001 a 2008 morei numa das encostas históricas de Lisboa, num apartamento que reabilitei. Foi antes de os habitantes das zonas históricas de Lisboa serem ‘expulsos’ pelos turistas e pelas rendas caras que os senhorios agora conseguem obter (aproveito para explicar devagarinho: se os senhorios não conseguirem cobrar rendas ditas ‘caras’ pelas casas, também não vão gastar o seu dinheiro reabilitando-as). Curiosamente, estas pobres pessoas que foram ‘expulsas’ já não moravam nas zonas históricas naqueles anos, apesar das rendas mais baixas. Não sei o que os impedia de lá residirem. Certamente estavam todos a trabalhar como voluntários nos campos de refugiados no sul do Sudão. Ou, em alternativa, fazendo viagens de autoconhecimento como backpackers na Índia, descobrindo, entre outras coisas, a reação da pele à falta de banho durante três meses.

Adiante. Descrevo alguns dos meus vizinhos. Tudo gente com arrendamentos permanentes. Já na altura eram bastante internacionais. Por baixo de mim morava um casal de franceses. Tinham o costume de à uma da manhã começarem a ouvir música (se é que se pode aplicar o termo àquela mescla de gritos que se imaginaria virem de uma sala de interrogatórios de Guantanamo, de rugidos dos animais mais ferozes da natureza e de rock alternativo). O prédio é antigo, a insonorização entre pisos é irrisória, o volume da música era suficiente para impedir qualquer sono. Com regularidade discutiam como se se pretendessem assassinar. Os berros franceses eram acompanhados de sons que sempre concluí tratarem-se de destruição de mobília. Ah: a paz e tranquilidade que a ausência de turistas permite.’

O resto está aqui.

Teresa Anjinho: da escala de prioridades ignóbil à chico-espertice

Quarta-feira, Conferências do Estoril. Teresa Anjinho faz uma intervenção sobre acolhimento de refugiados, ficando pela parte mais moral e humanitária – e eu apreciei-a. Mas as coisas descarrilam quando começam as perguntas da audiência. Alguém pergunta sobre acolhimento de refugiados nos países europeus e Teresa Anjinho diz coisas lindas. Por exemplo, que ‘integração não é assimilação’, não podemos exigir que os refugiados abandonem os seus valores; mais: ‘a integração funciona nos dois sentidos’, os refugiados têm de nos respeitar mas nós temos também de respeitar a sua cultura. Portanto, já sabem, para Teresa Anjinho, política do CDS (???), nada daquela boa ideia de aceitarmos na Europa refugiados (ou qualquer tipo de imigrante, de resto) em troca do compromisso de adotarem os nossos valores e o nosso modo de vida. Nada disso: a tónica de toda a resposta de Teresa Anjinho foi da necessidade de nós, europeus, aceitarmos nos nossos países uma cultura alheia (e tantas vezes antagónica, digo eu), assim uma espécie de vida paralela, uma Europa islâmica ao lado de uma Europa de raízes judaico-cristãs.

Quando questionada por José Rodrigues dos Santos (o moderador) sobre uma declaração que na Alemanha obrigariam os refugiados que querem ficar a assinar, dizendo que sabiam que não podiam matar a sua mulher em caso de esta cometer adultério – algo que qualquer pessoa minimamente informada percebe que se trata de uma maneira de informar que na Europa não se permitem crimes de honra, algo que na minha opinião é muito necessário (tal como as famosas aulas na sequência de Colónia para explicar aos refugiados que as mulheres europeias não estão disponíveis para terem sexo com eles só porque estão de minissaia ou lhes dirigem a palavra) e se for feito com pouca subtileza, i really don’t care porque valores mais altos (preservar vidas de mulheres islâmicas) se levantam – Teresa Anjinho repudiou enfaticamente (repito: repudiou enfaticamente) tal processo alemão, que era um tremendo desrespeito para a cultura islâmica (!!!!).

Bom, claramente para Teresa Anjinho a hierarquia de valores a defender é a seguinte: poupar as sensibilidades ultra-machistas islâmicas (coitadinhos deles, não se lhes pode dizer que não podem matar as mulheres) e só depois, sabe-se lá quando, dar a informação de que na Europa os costumes bárbaros comuns nos países islâmicos (só um ignorante que nunca leu jornais não o sabe) não são permitidos por cá – isto, claro, como primeiro passo para evitar os tais crimes de honra.

É isto defender coisas ignóbeis? É, sim, senhores. Inaceitável vindo de alguém que se diz de direita? Sem dúvida. Talvez por isso agora Teresa Anjinho – com chico-espertice desonesta – venha levantar poeira por eu ter mostrado a minha repugnância pelo que defendeu publicamente. Fiz um post (moderadíssimo) no facebook dando conta de como as pessoas passam tão facilmente para a apologia da manutenção dos valores dos outros em vez da exigência de respeito pelos nossos valores. Parece que Teresa Anjinho viu. E além de outras formas de comunicação, também objetáveis, comigo (que qualquer político devia perceber que são inaceitáveis), apesar de saber o que me tinha motivado a tal observação – estava na resposta a uma pergunta que a deputada do CDS Ana Rita Bessa me havia feito no post que Anjinho leu -, fez um post sonso onde aparecia outra resposta minha, mas omitiu para o seu clube de fãs a minha explicação. Tudo para se lamentar e refazer verdades. Diz até, insidiosamente, que palavras minhas de um comentário em resposta a uma amiga eram palavras que eu lhe atribuía. (Isto, claro, além de mostrar no print screen quem fez comentários no meu post, e likes, o que é de uma deselegância tremenda para pessoas que não têm nada a ver com a questão nem têm de levar com os achaques de Teresa Anjinho.)

Não sei o que pensa Teresa Anjinho – e, neste momento, não me interessa; acho que é o tipo de pessoa que não aguenta escrutínio, tem modos questionáveis, muda de ideias conforme as audiências, não é inteligente a ponto de perceber que deve deixar morrer assuntos em que não tem razão e em que faz acusações desagradáveis e infundadas, e, por tudo isto, é bom que esteja afastada da condução da governação. Talvez estivesse a dizer o que achou necessário para ter mais palmas da audiência. Talvez estivesse a mostrar a JRS que é uma pessoa que diz coisas redondinhas e bonitinhas e, por isso, pode ir à RTP. Não sei. O que sei é que é vergonhoso termos políticos de direita a defender publicamente o que acima descrevi. O que tem mais piada é que a senhora se diz feminista e eu até já a tinha elogiado publicamente por isso mesmo. Em todo o caso, aqui fica a descrição do que se passou, porque gosto muito pouco que publicamente me acusem de falsificar quando comento o que de facto ocorreu.

Claro que Teresa Anjinho e seus seguidores podem considerar que tudo o que a senhora defendeu está muito certo. Não podem, no entanto, ao mesmo tempo reclamar que têm o estancar crimes dos muçulmanos (da Europa) contra mulheres como prioridade, nem que defendem a necessidade de adaptação dos que para cá vêm viver. E isso, agentes políticas pouco consistentes gostem e entendam ou não, é e deve ser objeto de crítica.