A grande mentira

Hoje no i. O brasileiro Rubem Fonseca escreveu, e muito bem, sobre a grande arte. Eu, sem a mesma mestria, sobre a grande mentira.

A grande mentira

O governo aprovou o Plano de Estabilidade 2018-2022. Nele prevê a redução do défice já este ano para 0.7% do PIB e um excedente em 2020. Isto, claro, relativamente ao PIB, que cresce devido ao turismo, que beneficia de uma lei das rendas que a esquerda critica, mas não altera.

A grande pergunta que se devia colocar à esquerda é a seguinte: onde está a espiral recessiva que a austeridade ia provocar? Nunca ouviremos a resposta porque não interessa. Há assuntos demasiado delicados para que se possa falar deles. A dívida pública é outro; não a dívida face ao défice, mas em números. Já o referi neste jornal, mas volto a repeti-lo: o que se passa com a dívida pública que em 2015 era de 231 mil milhões de euros e em fevereiro de 2018 atingiu os 246 mil milhões, mais 2,4 mil milhões que em janeiro deste ano?

Mas isto não interessa. O que temos de ouvir, a narrativa aprovada pela extrema-esquerda, é que a dívida pública vai descer (face ao PIB, que cresce sem o governo perceber como) e que como nós, verdadeiros campeões europeus, povo único à semelhança do tempo da outra senhora, só a Bélgica.

A Bélgica. O PS já nos quis transformar na Suécia, depois na Finlândia, agora na Bélgica. Ora, o que se passou na Bélgica? Em 1993, o país do Tintim tinha uma dívida pública de 303.816 mil milhões de euros, 138,14% do PIB. Em 2005, uma dívida de 366.891 mil milhões de euros, 94,7% do PIB. A dívida desceu? Não. O problema estrutural da dívida foi resolvido? Não. E tal não foi que , em 2015, a dívida totalizou os 482.519 mil milhões de euros, 106% do PIB. A Bélgica reduziu a dívida face ao PIB quando os ventos corriam de feição, mas tudo ficou na mesma quando estes mudaram de sentido.

Já vimos este filme tantas vezes que até enjoa. Compara o que os belgas fizeram com o que nós queremos fazer; o feito com a intenção, a realidade com o sonho e, nesse devaneio, discutem-se aumentos dos salários na função pública, mais dinheiro para a cultura (porquê apenas 1% e não 1,1% do PIB – o que interessa é parecer culto, não honesto) e descida nos impostos, como se os erros do passado não aguardem que o crescimento abrande para que os seus custos se sintam outra vez.

O país vive tão anestesiado com a política monetária do BCE e com o turismo que parece que está tudo bem. A grande mentira é esta. É a mentira que explica por que motivo o Bloco e o PCP criticam o Plano de Estabilidade, mas não o submetem a votação no parlamento sob pena de terem de votar a favor. O silêncio da esquerda perante o que se passa nos hospitais está aqui.

Há um livro de Rubem Fonseca chamado “A Grande Arte”. Neste, a arte era o manejamento da faca, a forma de melhor a utilizar para matar. Vivemos em Portugal, a grande mentira, a forma como melhor se saca do Estado sem se assacarem responsabilidades. A primeira é uma obra de ficção; a segunda, a nossa realidade.

Vencer o tédio é uma arte

O meu filho passou as férias da Páscoa no meu escritório; foi bom ver uma criança saber vencer o tédio. A minha crónica hoje no i.

Vencer o tédio é uma arte

Por razões várias o meu filho passou as férias da Páscoa no meu escritório. Uma pessoa vê-se perante esta inevitabilidade, planeia o que pode, convence-se de que tudo correrá bem, ao mesmo tempo que receia venha a ser o caos. Prepara-se para tudo, menos para a surpresa do que verdadeiramente acaba por acontecer. Levar o filho para o trabalho por falta de alternativa e acharmos que o miúdo merecia melhor é esquecer o que é ser criança. Que uma criança, o que mais gosta, o que mais valoriza, o que mais deseja, o que mais quer é estar com os pais.

Tomamos o pequeno-almoço, vestimo-nos, eu pego nas minhas coisas, e tu, já tens as tuas? “Sim, e levo também a carteira que hoje pago eu o almoço.” Entramos no elevador, descemos e vamos a pé pela rua, vais a pé pela rua de mão dada à tua mãe, o que uma criança mais deseja na vida, andas enquanto pensas, talvez sobre o que vais fazer, apercebo-me disso quando te ouço: “Papá, posso usar a tua máquina de fotocópias?”

Podes fazer tudo o que quiseres desde que não seja correr e falar alto e interromper quem está a trabalhar. Não peças colo às minhas colegas, embora saibamos que te vais aproximar delas, assim como quem se encosta, lança uma pergunta, deixa um comentário, faz um sorriso, deita uma gargalhada, quem é que não se desarma com uma? e depois se rende, primeiro quando te abraça, depois quando te empoleiras e sobes e lanças mais perguntas. Um sorrisinho, uma gargalhada curta, que já as tens no colo, no teu, quando é o delas que te dão.

Espreitas para ver quem entrou, quem se senta na sala de reuniões e aguarda pelo teu pai. Uns têm um ar sério, outros até parecem felizes, cumprimentam-me, contentes, e sentam-se; uns aceitam um café, outros não, nem sequer um copo de água, que se atiram logo ao trabalho; alguns nem português falam, vêm de outros sítios, de lá longe, para estar aqui perto, mesmo ao lado da sala onde estás agora a escrever, ou a fazer desenhos que fotocopias, sei que o fazes porque ouço, no meio da minha reunião, o barulho da máquina a ligar-se e a puxar o papel que vais receber, deliciado.

O dia acaba, mais um, menos um para que as férias terminem, menos um em que vais gostar de ficar naquele sítio onde se trabalha e se trata de coisas sérias, excepto quando lá estás; mais um para guardar na memória, mais um contigo, mais um inesperado, ao todos foram dez, dez dias inteiros, preenchidos, inesquecíveis. Dias que antevi com preocupação, mas que cedo percebi ser o que mais desejavas.

A Legacy of Spies

Para a minha crónica de hoje no i pedi ajuda a George Smiley.

A Legacy of Spies*

Diplomatas dos dois lados da nova cortina fazem as malas e regressam a casa. Cansado, George Smiley respira fundo e afunda-se na cadeira. É em Freiburg, no sul da Alemanha, que nos diz adeus, precisamente agora que os espiões do seu tempo regressam.

Há precisamente dez anos leu “The New Cold War”, do jornalista Edward Lucas, e percebeu tudo. Primeiro, a negação; depois, a indiferença; a seguir, a raiva e a desorientação habitual dos governos que não se prepararam para a visão que Putin tem da Rússia. Presentemente, com o envenenamento de um ex-espião russo que trabalhou para os britânicos, ouve os noticiários, comentadores incluídos, a falarem do medo.

Olha pela janela e recorda-se do medo que serve para definir tudo. Sentiu-o em plena Guerra Fria, mas cedo o transformaram em certeza perante a incerteza do novo mundo. Sem URSS, e com os EUA como única potência mundial, a ameaça terrorista fazia isso mesmo: aterrorizava. De acordo com o que se dizia, o medo do tempo de Smiley era seguro, certo, concreto. Houve quem, no mercado livre que conquistava o mundo, no crescimento da China e na redução da pobreza em África, nas novas democracias no leste da Europa, visse uma ameaça mais grave que a que pairava na Guerra Fria; na sua guerra.

Tudo passa menos o medo, que é uma constante, nem damos valor ao que temos excepto quando o perdemos. Verdades eternas que se ignoram. Os que clamaram contra a abertura dos mercados chorarão os efeitos do fecho das fronteiras e do aumento das tarifas aduaneiras. A falta de diálogo conduzirá ao armamento, com dinheiro que podia, devia ser usado noutros domínios. Espiões serão mortos em Londres e em Paris (em Moscovo também), vidas secretas caminharão ao nosso lado, com a pequena grande diferença que são as novas tecnologias.

E enganem-se os que acalentam que o novo equilíbrio mundial porá termo ao terrorismo islâmico. Numa guerra fria, de nervos, tudo vale. Na primeira, EUA e URSS combateram no chamado Terceiro Mundo guerras indiretas com soldados que não eram seus. Nada nos garante que os extremismos islâmicos não sejam utilizados como novas armas para novos ataques numa nova guerra fria sem envolvimento direto dos seus principais intervenientes. Uma certeza podemos ter: George Smiley não terá saudades. Acena-nos da janela, deixando o legado para outro.

*Título do último romance de John le Carré

50 anos do Maio de 68: a vitória de Raymond Aron

O meu ensaio no Jornal Económico sobre o Maio de 68.

50 anos do Maio de 68: a vitória de Raymond Aron

Falar do Maio de 68 implica recordar o Movimento de 22 de Março desse ano. Nesse dia, alguns estudantes de extrema-esquerda ocuparam a Universidade de Nanterre num protesto contra a guerra no Vietname. Os seus organizadores, Daniel Cohn-Bendit e Jean-Pierre Duteuil, foram detidos por terem participado na redacção de uma brochura de propaganda que ensinava como preparar cocktails Molotov. As autoridades libertaram-nos pouco depois.

O começo

No primeiro de Maio de 1968, Daniel Cohn-Bendit, que nem sequer era francês, foi a faísca que tornou tudo possível quando, ao serviço da CGT (uma confederação sindical comunista), se envolveu em alguns confrontos. A partir daí assistiu-se ao deflagrar de uma série de manifestações que abalaram a França. Perceber isto, o que está na base dos acontecimentos que marcaram os meses de Maio e Junho de 1968, é indispensável para, 50 anos depois, sermos capazes de analisar friamente o que se passou naqueles dias, o que aconteceu nas décadas seguintes e o que estava planeado mas acabou por não suceder, como alguns idealizavam.

Como também é importante reconhecer que o Maio de 68 não se deu em Maio de 1968 por acaso. Nesse ano, precisamente nesse mesmo mês, passavam 23 anos do fim da Segunda Guerra Mundial. Os jovens de então, esses jovens que encheram as ruas de Paris, não tinham vivido a guerra mas estavam fartos das limitações que esta impunha. A eles, aos pais, a todos. Quem sobrevive ao horror dá graças por estar vivo contentando-se com o que há. O problema não era a falta de ambição – afinal os 30 anos gloriosos deram-se depois da guerra e não mais se repetiram – mas o viver-se de forma contida, sem efusões de maior que o maior era mesmo estar vivo.

 

A Universidade e as greves

O forte progresso económico francês do pós-guerra levou a um aumento do número de estudantes universitários. Se em 1960 eram 200 mil, já em 1968 atingiam o meio milhão. Um crescimento que resulta não só do aumento da população no seu todo (46 milhões, em 1960 – 51 milhões, 1968), mas também da Universidade ter passado a ser o destino possível de qualquer jovem francês e não apenas dos filhos das classes médias-altas. A estratificação social diluiu-se nas universidades francesas e as expectativas dos estudantes mudaram.

Com o sucesso económico, o Estado precisa de quadros formados nos moldes que se conhecem então: futuros servidores, jovens bem-educados, respeitadores das regras sociais, cumpridores dos deveres que uma sociedade contida precisa. Mas esses jovens que nunca viram a guerra, esses jovens que já não pertencem apenas à classe média-alta que servia o Estado, não estão para aí virados. Querem mais. Houve quem o tenha pressentido, alguns deles professores com um contacto directo com a nova realidade universitária, como Paul Ricoeur e Raymond Aron. Por sinal, dois dos filósofos que ficaram à margem do movimento, que percebendo as críticas dos estudantes não aceitaram o condicionamento político a que estes foram depois submetidos.

O facto da Universidade não estar à altura das aspirações dos jovens foi o pretexto para o acender do rastilho. Cohn-Bendit usou o Vietname, onde a França não estava, utilizou a violência e depois o controlo perdeu-se para gáudio de muitos e desespero do Estado. A Universidade mudou, mas de forma informe, quase sem nexo, com professores vexados, uma democratização e igualitarismo extremos que apenas a desprestigiaram.

A reforma da Universidade, a redução de valores a palavras de ordem que mais não exprimem que emoções, conduziram a insatisfação crescente à necessidade de revolta. À afronta, o Estado respondeu com confronto. Em resultado, os sindicatos solidarizaram-se com os estudantes exigindo mais direitos para os trabalhadores. A 10 de Maio têm início as greves que se vão estendendo a todo o país; greves a que nem os acordos de Grenelle (25 de Maio) põem termo. Dividido, o Partido Comunista, que domina vários sindicatos, acaba por ceder à força das manifestações e as greves continuam por mais alguns dias. A expectativa é que o caos lhe seja favorável.

No entanto, a 30 de Maio, De Gaulle dissolve a Assembleia Nacional e convoca eleições legislativas para 30 de Junho. A vitória da direita é avassaladora com perto de 60% dos votos e 394 dos 485 assentos parlamentares. A crise termina, mas deixa marcas.

“Un homme n’est pas stupide ou intelligent, il est libre ou il n’est pas.”

Uma das consequências do Maio de 68 foi o ataque à cultura. Cultura vista como a percepção, a capacidade de apreensão de algo superior que nos une, nos liga a todos e nos permite continuar capazes de sobreviver aos sobressaltos da história. A partir de 68 a cultura passa a ser encarada como uma nova arma política, um mero instrumento para a revolução. Trata-se da ‘banalização da cultura’, usando a expressão de Alain Finkielkraut (“La Défaite  de la pensée” – Gallimard, 1989). Cultura anunciada por todo o lado mas que não existe, não se delimita e se usa como meio para uma agenda política. Propaganda. O homem já não se define por saber ou não saber, por querer saber ou por não querer saber, por conhecer ou não conhecer, ser inteligente ou estúpido ou ignorante, culto ou inculto, mas apenas e tão-só por ser ou não ser livre. O que é a liberdade depois se verá: alguém entre os que reduziram a cultura a pó estará capacitado para definir o que significa essa  palavra.

É também Finkielkraut, desta vez com Pascal Bruckner, que tece a primeira crítica consistente à ‘revolução sexual’ saída do Maio de 68. Em “Le Nouveaux Désordre Amoureux” (Points), os dois filósofos definem o amor como algo demasiado concreto para se poder revolucionar. O amor não é política, nem tudo pode ser política e nem tudo melhora apenas porque se vira o mundo de pernas para o ar. Os dois acusam a revolução sexual de 68 de ser profundamente machista, uma revolução da qual a mulher é a principal vítima. Um trajecto iniciado há 50 anos e que alguns crêem estar agora a terminar com o #MeToo.

Hoje em dia, a imagem idílica que muitos têm do Maio de 68 já se esfumou. A ideia de uma massa de jovens unidos aos trabalhadores e prontos a derrubar a ordem política estabelecida, com De Gaulle à cabeça, uma revolução dos costumes que acabaria na mudança do regime, já não existe. O mito morreu porque a realidade nunca foi essa. Os estudantes queriam mais liberdade, outra forma de ensino, um diferente acesso às carreiras docentes; queriam fugir a uma contenção comportamental que a guerra que não tinham presenciado impunha, mas não queriam a revolução, virar o mundo do avesso, reduzir o passado a pó para que outros amanhãs cantassem. Esse mito foi uma tentativa da extrema-esquerda, partido comunista incluído, de tentar a sua sorte.

Foi precisamente essa ideia que Raymond Aron combateu. Para Aron era necessário diferenciar a luta dos estudantes da dos extremistas. Disse-o na altura e repetiu mais tarde. Aron não aceitou, nunca poderia aceitar, que se confundisse a política com a Universidade, se reduzisse esta àquela. Também para ele nem tudo era política, nem tudo devia ser mudado apenas porque sim, sem regras, porque as regras, desde que justas, nos protegem da anarquia e do totalitarismo.

Hoje em dia parece fácil dizê-lo mas na época foi um atrevimento. Mesmo no início do anos 80, pouco antes da sua morte, Aron continuou, para estupefacção dos que não entendiam porque não reconhecia o que era na generalidade aceite por todos, a separar os estudantes dos extremistas, a Universidade da Revolução, o país dos revolucionários. A liberdade da anarquia, a cultura da propaganda. E se coragem alguém teve na época foi Aron, que disse sozinho o que pensava, não se escondendo atrás dos estudantes que enchiam as ruas.

O que ontem era turvo hoje vê-se de forma límpida. As palavras vãs esfumaram-se, a inflação e o terrorismo dos anos 70 desiludiram e a recuperação económica dos anos 80 trouxe o fim das utopias. Se Mitterrand foi o melhor que a esquerda saída do Maio de 68 conseguiu produzir, Emmanuel Macron – que chegou a colaborar com o outro crítico do Maio de 68 que foi Paul Ricoeur – é a imagem de uma França que já digeriu os acontecimentos de há 50 anos.

Macron que, à semelhança de Michel Rocard – o socialista moderado derrotado por Mitterrand – foi profundamente marcado pela obra de Ricoeur. Este assumia-se como cristão protestante e, tal como Aron, criticou os excessos do Maio de 68 ao mesmo tempo que apoiava as reivindicações universitárias dos estudantes. 50 anos passados, os filósofos que a França lê e ouve já não são Sartre ou Marcuse, mas Bruckner, Finkielkraut e novamente Aron e Ricoeur. Como Phillipe Douroux, antigo chefe de redacção do Libération, escreveu nesse mesmo jornal em Julho de 2017, a razão estava do lado de Raymond Aron. De certa forma, a França deixou de gritar e passou a ouvir a voz da razoabilidade e da objectividade. O Carnaval, como o filósofo definiu aquele tempo, acabou.

Continue a ler “50 anos do Maio de 68: a vitória de Raymond Aron”

O PSD e a armadilha do consenso

A minha crónica de hoje no i.

O PSD e a armadilha do consenso

A grande novidade que Rui Rio trouxe para a política nacional foi o regresso do país aos consensos. Ao que parece, Rio pretende que o partido que ganhou as eleições ajude o que as perdeu a governar. Naturalmente, o PS está disponível. Subjacente a este contra-senso há uma forma de estar na política, uma armadilha e uma vítima. A forma de estar na política é a habitual na maioria; a armadilha é do PS; e a vítima, o PSD.

Desde que me conheço que ouço falar da importância dos consensos. Com a honrosa excepção, e não é a excepção que confirma a regra?, de Sá Carneiro, que exigia unanimidade na luta contra o comunismo, o consenso de que se vai falando é inócuo. Discute-se desde que isso não faça mossa e não prejudique ninguém, não produza o efeito pretendido, seja inofensivo.

Um bom exemplo disso mesmo é a descentralização. Atenção que não digo que a descentralização não seja importante. É. Sucede que, como qualquer reforma digna desse nome, vale a pena se for verdadeira, se implicar uma descentralização da receita dos municípios, a capacidade de as autarquias cobrarem os seus impostos diretamente e não por via do Estado central; se passar por uma descentralização fiscal.

Como não é o caso, mesmo que PSD e PS cheguem a acordo, o resultado será irrelevante para a resolução do problema que é a concentração dos poderes em Lisboa. Porque o que interessa, o verdadeiro objectivo quando se discute consensualmente a descentralização, é que o país se entretenha com um tema tão amplo quanto vazio e se esqueça dos seus verdadeiros desafios. A economia vai enganadoramente bem e o momento é o propício para que percamos tempo com questões inofensivas em vez de se prevenir a próxima crise. Esta é a habitual forma de estar na política.

E é precisamente aqui que o PSD corre um sério risco. Como o PS representa o eleitorado que depende inteiramente do Estado, sejam funcionários ou empresários, os socialistas dificilmente perderão votos se tudo fizerem para que os seus eleitores não sejam prejudicados. Ao invés, do PSD espera-se mais porque neste partido votam muitos dos que vivem na economia real. Eleitores que não compreendem por que motivo um partido como o PSD pactua com uma forma de fazer política que não se coaduna com o estado em que o país se encontra. O PS e a extrema-esquerda têm as mãos sujas e tremem só de pensar num PSD com a superioridade moral dos que resgatam o país pela segunda vez. Cair na armadilha do consenso quando o consenso ilude e engana é um erro que o PSD devia evitar a todo o custo.

Um juiz devia ser um eremita

Tenho uns quantos amigos que são juízes, contados assim de cor quatro, colegas de faculdade, que se não sabem deviam saber o quanto os admiro pela profissão que escolheram. A minha crónica hoje no i.

Um juiz devia ser um eremita

A semana foi marcada pela notícia de que Rui Rangel está a ser investigado pela alegada prática de quatro crimes de tráfico de influências. Não vou aqui tirar conclusões até porque, como jurista, conheço bem a delicadeza de qualquer processo judicial. Mas há um ponto que gostaria de referir e que é da máxima importância.

Sempre entendi, e muitos consideram que exagero nesta matéria, que um juiz deve quase ser como que um eremita. Não significa isto que se isole do mundo e perca o contacto com a realidade. Apenas que, por ter escolhido julgar os comportamentos dos outros, deve ter o cuidado de se envolver o menos possível em negócios, na política e, naturalmente, no mundo do futebol.

Ser juiz é das profissões mais importantes que se pode escolher. A responsabilidade é extrema porque sempre que um juiz decide, e por muito trivial que seja a questão, é o próprio Estado de direito que está em causa. Errar, que é humano, é um risco com repercussões extremas quanto mais não seja para a pessoa que é vítima desse erro. É por este motivo que sempre admirei quem decide seguir uma vida como aquela a que a magistratura obriga.

Sendo profissão tão exigente, a começar desde logo pela imparcialidade, um juiz não deve distrair-se com questões externas que moldem, tolham essa mesma imparcialidade. Pode ser uma perspetiva que alguns considerem antiquada, mas que é preferível à incerteza, à desconfiança que surge quando notícias como a da investigação de um juiz podem causar nos cidadãos.

 

#MeToo e os limites para o cinismo

Hoje no i.

#MeToo e os limites para o cinismo

Samantha Geimer tinha 13 anos quando foi violada por Roman Polanski. Foi em 1977. Quarenta anos antes do movimento #MeToo, que nas redes sociais tem revelado casos de abusos sexuais em que as vítimas são mulheres. Ora, Samantha Geimer surpreendeu tudo e todos quando, na quinta-feira passada, explicou ao “Le Monde” porque defendeu a carta aberta de Catherine Deneuve, publicada naquele mesmo jornal, às mulheres (e homens) vítimas de abusos por parte de homens.

Nessa carta, Deneuve criticava a caça às bruxas em que se tornou o movimento #MeToo, com acusações muitas vezes sem provas, e no qual se equiparam casos de violação a meros flirts ou outros comportamentos que não tornam necessariamente uma mulher (ou um homem) uma vítima pois, nas situações referidas pelas pretensas vítimas, houve a possibilidade de dizer não.

Samantha Geimer alerta ainda que o #MeToo está a tornar as mulheres vítimas e não pessoas fortes, capazes de se defenderem, que é a única forma de conseguirem viver em igualdade com os homens. O que Geimer também diz é que, ao equiparar a gravidade de diferentes tipos de abusos sexuais, muitas das acusações do #MeToo são ofensivas para as mulheres que sofreram verdadeiros abusos sexuais. Na verdade, uma mulher que foi violada não se encontra na mesma situação da que ouviu um piropo ou da que, por livre vontade, se sujeitou a algo para conseguir um papel num filme ou subir na carreira.

Até porque se houve (e há) mulheres que se sujeitaram a tal por falta de alternativa, também houve (e há) quem utilizasse tal estratagema para vingar na profissão. Não cabe aqui fazer juízos de valor – as situações são todas diferentes -, mas é legítimo que se pergunte quantas pessoas (mulheres, mas também homens) para quem uma noite com alguém não foi inoportuna e hoje estão na primeira fila das vítimas? Como não se sentirão as mulheres que sofreram verdadeiros abusos sexuais vendo o seu sofrimento ser equiparado com comportamentos que as ferem na sua dignidade não só de mulheres, mas de pessoas?

Porque o que está em causa no #MeToo é, além da meritória oportunidade de se pôr um ponto final na forma abusiva como alguns homens tratam as mulheres, não só uma caça às bruxas, um apelo ao conservadorismo mais sombrio, mas também uma falta de respeito pelas mulheres que sofreram nas mãos de homens. Umas sofreram; outras, em seu nome, ficam com os louros fazendo-se de vítimas. O que Deneuve e Geimer nos vêm dizer é que há limites para o cinismo.

Grémio Literário: 26 de Janeiro, 19.30

Há séculos que andamos com a dívida às costas; uma dádiva para alguns, que para nós pesa um bocado.

Dia 26 de Janeiro, às 19.30, no Grémio Literário, Maria de Fátima Bonifácio e Rui Ramos falam-nos dos efeitos avassaladores da dívida pública ao longo dos séculos, na economia, na política e, acima de tudo, na vida das pessoas.

A não perder.

[ilustração: Helder Ferreira]

O risco de Rui Rio

A minha crónica no i.

O risco de Rui Rio

Ao que parece Rui Rio está disponível para entendimentos com o PS. Se tal suceder o PSD passará a concorrer com o BE, o PCP e, possivelmente, também o CDS, na aprovação das políticas no parlamento. A confirmar-se, a decisão de Rui Rio apresenta uma razão de ser e representa um risco.

A razão de ser prende-se com a revolução partidária que tem lugar em alguns países, nomeadamente, Espanha e França. Ainda esta semana uma sondagem colocou pela primeira vez os Ciudadanos à frente do PP e do PSOE. Há menos de um ano Emmanuel Macron foi eleito presidente da França sem o apoio dos partidos tradicionais e, um mês depois, o seu partido, La République en marche!, venceu as legislativas.

Há quem, como eu, considere que o PSD deve ser mais liberal, tornar-se numa verdadeira alternativa ao socialismo, em vez de uma peça na mera rotação do poder em prol dos favores estatais. Ao contrário, Rui Rio prefere um partido de menor carga ideológica porque vê que essa é também a marca que distingue os Ciudadanos e o fenómeno Macron que pertencem ao centro político.

O raciocínio de Rio parece também ter em conta o Portugal ser um país avesso à mudança. Na verdade, as possibilidades de o PSD perder o lugar para o CDS são mínimas. O CDS não tem condições para substituir o PSD, não só porque tem tantos anos e vícios como o PSD, como a sua veia ideológica nunca existiu, ou quando existiu foi confusa.

Mas representa também um risco. E o maior é que, caso Rio confirme a sua estratégia de viabilizar uma governação socialista não dependente da extrema-esquerda, o PSD perde contacto com o país a longo prazo. Preso às negociações das medidas de efeito imediato, o PSD perde discurso, legitimidade, para se afirmar mais tarde quando a falta de reformas, os efeitos perversos de uma governação que se cinge a aproveitar a conjuntura internacional, se fizerem sentir porque essa mesma conjuntura se alterou.

Nessa altura, algo como Macron ou os Cuidadanos terá todas as condições para surgir e se impôr na política portuguesa, mas dificilmente o PSD. Porque nessa altura o país precisará de gente sem mácula, liberta dos arranjos partidários para que um partido que não venceu governe. Uma força política deste género, atenta aos reais problemas das pessoas, aos verdadeiros desafios do país, sem passado, mesmo que sem grande carga ideológica pode pôr em causa a predominância do PSD. Por muito que se perceba a razão de ser da sua estratégia esta comporta um grande risco para Rui Rio.