Taiwan, Trump e o início da terceira grande guerra

A capacidade que Trump tem, involuntariamente, em proporcionar a exposição de profundas contradições de discurso à esquerda e à direita deverá, a seu tempo, servir de case study nos mais prestigiados cursos da área por este globo fora. Argumentar que o presidente-eleito da maior potência mundial não deveria conversar ao telefone com uma governante democraticamente … Continue reading Taiwan, Trump e o início da terceira grande guerra

“o seu povo o elegerá como o maior de entre os seus”

As palavras que nunca te direi. Por Michael Seufert. Já afastado do dia-a-dia da liderança do país que tanto lhe deve, não deixou de estar no coração do seu povo, que tanto chora a sua morte, e que continuava a acreditar na sua liderança e na sua entrega abnegada. A sua morte,após invulgar resistência contra … Continue reading “o seu povo o elegerá como o maior de entre os seus”

Vergonha em tons multiculturais IV

Foi condenada a  rede que abusou de crianças em Rotherham. Ringleader of Rotherham child sexual abuse gang jailed for 35 years Judge praises ‘immeasurable courage’ of victims as three brothers are jailed for between 19 and 35 years for leading exploitation of girls Leitura complementar: Leituras recomendadas, Vergonha em tons multiculturais, Vergonha em tons multiculturais II, Vergonha em tons multiculturais III e Rotherham, … Continue reading Vergonha em tons multiculturais IV

Insurgente Memória: a vitória de Hollande

Hollande anunciou ontem que não se irá recandidatar à presidência francesa, acabando o seu mandato como o presidente francês mais impopular de sempre. Com excepção de Le Pen (socialista de extrema-direita) e Melenchon (socialista da extrema esquerda), todos os prováveis candidatosde esquerda e direita  (Fillon, Macron e Valls) querem liberalizar a economia, flexibilizar o mercado … Continue reading Insurgente Memória: a vitória de Hollande

O menor défice de sempre em democracia

Justiça seja feita, ninguém bate o Partido Socialista na propaganda política. Não obstante — ou obstante — o minguamento do PIB, o aumento dos atrasos nos pagamentos aos fornecedores, o total colapso do investimento, o falhanço da estratégia do estímulo ao consumo interno, o PS, demais títeres e uns quantos jornalistas embevecidos vendem o défice … Continue reading O menor défice de sempre em democracia

Fidel Castro e as ditaduras fofinhas

O meu texto de hoje no Observador. ‘As reações dos políticos foram igualmente repugnantes. Do PCP veio o gozo descarado costumeiro. Jorge Sampaio, essa insignificância política de que não rezaria a história se um dia Cavaco não tivesse perdido umas eleições, deu um testemunho (e porquê, Deus meu, alguém se lembra de pedir um testemunho … Continue reading Fidel Castro e as ditaduras fofinhas

“A história não absolverá Fidel Castro”

Vargas Llosa: “A história não absolverá Fidel Castro” “Espero que essa morte abra um período de abertura, tolerância, democratização em Cuba. A história fará um balanço destes 55 anos que acabam agora com a morte do ditador cubano. Ele disse que a história o absolverá. E eu tenho certeza que a história não absolverá Fidel”. … Continue reading “A história não absolverá Fidel Castro”

Recordar Fidel

Não apaguem a memória. Por Zita Seabra. Fidel e Raúl criaram os tristemente famosos campos de reabilitação UMAP, de trabalhos forçados e tortura onde eram internados os chamados «aberrantes». Aqui, foram internados milhares de «marginais», entre os quais padres, como o arcebispo de Havana D. Jaime Ortega. Nestes tristemente famosos UMAP, foram internados todos os … Continue reading Recordar Fidel

O PSD na pocilga ideológica que homenageia ditadores

Já era suficiente mau ter partidos na Assembleia da República capazes de propor votos de pesar por um dos últimos déspotas assassinos do século XX. Mas pior do que isso é ter um partido que deveria ser alternativa a optar por não se opor à homenagem a um tirano que matou dezenas de milhares de … Continue reading O PSD na pocilga ideológica que homenageia ditadores

Análise ao poema de Boaventura Sousa Santos, “a ti, Fidel, quero-te mais que o mel” (2016)

Originalmente intitulado “Fidel, melhor que Pantagruel”, finalmente renomeado para “Na morte de Fidel”, este poema épico em língua Portuguesa representa o rumo da pós-modernidade na sua encarnação encarnada de cor encarnada da literatura séria lusitana posterior a 22 de Setembro de 2002 ou até, afirmo com arrojo, superior a tudo publicado e não publicado após … Continue reading Análise ao poema de Boaventura Sousa Santos, “a ti, Fidel, quero-te mais que o mel” (2016)

Rápido, rumo a Cuba!

  Bolivia, Equador, El Salvador, Guiné Equatorial, Namibia, Nicarágua, Venezuela e Zimbabwe são alguns dos países cujos Chefes de Estado estarão presentes no funeral de Fidel Castro. Farolins da democracia, da liberdade, do desenvolvimento e da prosperidade, a que se juntam outros portentos como a Grécia, representada por outro febeu da política, Tsipras. Dada a … Continue reading Rápido, rumo a Cuba!

Era um humano

A criatura que não dominou o carro e que experimentou uma faca de talhante noutras criaturas, frequentou um ATL virado para o sucesso. Vale a pena ler uma pequena mas emotiva entrevista ao humano Abdul Razak Ali Artan. (…) “I just transferred from Columbus State. We had prayer rooms, like actual rooms where we could go pray because we Muslims … Continue reading Era um humano

O PS e Salazar – uma admiração revelada

O voto que o Partido Socialista apresentou a chorar Fidel Castro serviria sem muitas alterações para branquear Salazar. Na verdade pode ler-se assim sem grande imaginação. Nem falta a violação dum povo inteiro ao assinalar-se o luto que os cubanos assinalam do falecido ditador. Como cá no Estado Novo, também o povo cubano é prostituído para … Continue reading O PS e Salazar – uma admiração revelada

Voto de pesar do Partido Socialista pela morte de um ditador que assassinou mais de 20 mil pessoas

Voto de pesar n.º 159/XIII, apresentado pelo Partido Socialista PELO FALECIMENTO DE FIDEL CASTRO Faleceu no passado dia 25 de Novembro, com 90 anos de idade, Fidel Castro, estadista e dirigente histórico de Cuba, cujo percurso político alterou de forma decisiva o curso da vida do seu país. Ao longo dos anos exerceu inúmeras funções … Continue reading Voto de pesar do Partido Socialista pela morte de um ditador que assassinou mais de 20 mil pessoas

PS apresenta voto de pesar pela morte de ditador

O PS apresentou hoje um voto de pesar pela morte de um ditador, Fidel Castro, que mandou executar dezenas de milhares de pessoas pelos pelotões de fuzilamento, e que submeteu o povo cubano a pobreza e racionamento. Escrevi bem, o voto de pesar foi do PS e não do PCP. Isto revela muito do que … Continue reading PS apresenta voto de pesar pela morte de ditador

Coisas que o jornalismo português podia investigar

O Ministro dos Negócios Estrangeiros Augusto Santos Silva deu recentemente uma entrevista à agência noticiosa russa TASS, em que afirmou que o Estado português considera a Rússia “um parceiro chave da União Europeia”, e teceu grandes loas às boas relações que os dois países vão mantendo, esperando até que um novo acordo em torno de … Continue reading Coisas que o jornalismo português podia investigar

o PIB, o deflator, o défice e a dívida

Há cerca de mês e meio publiquei no ECO – Economia Online um artigo de opinião relativo à proposta do OE2017 ao qual chamei “Um orçamento habilidoso”. Nele identificava um conjunto de riscos, em particular a estimativa avançada pelo Governo para o PIB nominal. Desde então, confirmou-se o que previa: a única entidade dita oficial … Continue reading o PIB, o deflator, o défice e a dívida

O legado económico de Fidel Castro

Tinha 14 anos, embora jurasse ser dois anos mais novo. Empunhou a caneta e escreveu uma carta ao então Presidente dos Estados Unidos da América, Franklin Delano Roosevelt, com um pedido insólito: queria uma nota de 10 dólares. Nunca tinha visto uma, e gostaria de a ter. «O seu amigo, Fidel Castro» — rematou. Indelevelmente, … Continue reading O legado económico de Fidel Castro

o rato (2)

“Após a demissão de António Domingues da CGD, João Galamba deixou um pedido aos partidos de direita: que não sejam “dois partidos que não olham a meios para atingir os fins.” (via Negócios) (da série “o rato”) É engraçado que são precisamente aqueles que não olharam a meios que agora se queixam! Francamente, é preciso ter … Continue reading o rato (2)

dá vontade de morrer (4)

“António Domingues demite-se” (via ECO – Economia Online) Em suma, o indigitado presidente executivo da CGD acalentou até ao final a expectativa do regime de excepção que lhe haviam prometido. Mas in extremis, atraiçoado num acordo que não se concretizou, demitiu-se. Embora muito tardiamente (o que para sempre acalentará a questão sobre o que havia … Continue reading dá vontade de morrer (4)