A Covid-19 e a “gripezinha”

Desde o início da pandemia de Covid-19, várias pessoas afirmaram que esta não era pior que a gripe sazonal. No seguimento de uma declaração do presidente do Brasil em que este afirmou que se contraísse a doença ela não seria mais grave que uma “gripezinha”, dado o seu estado de saúde de “atleta”, parte do mundo que fala português passou a incorporar a expressão “gripezinha” no seu discurso. Especialmente na defesa do argumento de que a Covid-19 é mais grave que a dita “gripezinha”.

Prima facie, a gripe não é brincadeira. A expressão “gripezinha” é por isso muito pouco aconselhável. A pandemia da chamada gripe espanhola provocada pelo vírus H1N1 infectou uns estimados 500 milhões de pessoas, cerca de um terço da população mundial na altura, tendo provocado a morte entre 17 e 50 milhões de pessoas. Uma taxa de fatalidade de 3,4% a 10%, objectivamente superior a qualquer das estimativas actuais de fatalidade para a Covid-19. Além disso, ainda hoje em dia, um século depois, estima-se que a gripe sazonal (incluindo outras estirpes além do H1N1) mate entre 300 mil e 600 mil pessoas por ano.

A pandemia de Covid-19 terá causado a morte a cerca de 1,1 milhão de pessoas (à data de hoje). A taxa de fatalidade implícita acumulada, tendo em conta o número de casos confirmados, é ligeiramente superior a 2,5%. Contudo, tendo em conta as estimativas da OMS de que 10% da população mundial já foi infectada, essa taxa de fatalidade poderá ser tão baixa como 0,15%. Temos por isso dois factos em confronto: Por um lado, a Covid-19 está a matar mais pessoas que a gripe sazonal. Se a mesma proporção de pessoas, relativamente à pandemia da gripe espanhola, for infectada, um terço, podemos ter cerca de 3,75 milhões de vítimas. Por outro lado, historicamente, a gripe foi muito mais mortal.

O confronto de factos acima referido tem várias explicações. Primeiro, os cuidados de saúde actuais são muito superiores aos de há um século. Muito provavelmente, se a humanidade estivesse a enfrentar o virus H1N1 agora pela primeira vez, a taxa de fatalidade seria muito inferior. Possivelmente ao mesmo nível da taxa que temos na Covid-19. Segundo, enquanto no caso da gripe a humanidade já teve tempo de criar respostas imunológicas, naturais ou por vacinação, que tornam a doença menos grave em quem a contrai, para o virus SARS-CoV-2 (que causa a Covid-19) ainda não. Finalmente, há estimativas que indicam que a susceptibilidade da população actual a consequências graves de Covid-19, necessitando de internamento, está limitada a cerca de 4% do total, enquanto as condições gerais há 100 anos tornavam vulenrável uma maior proporção da população.

Infelizmente, sabemos ainda pouco sobre a evolução real da pandemia de Covid-19. A diferença entre a estimativa da OMS e os números oficiais é gritante. O gráfico abaixo indica a mortalidade com Covid-19 para casos identificados 14 ou 21 dias antes em todo o mundo. Dada a variação que pode ocorrer de dia para dia por questões de tratamento de dados, bem como o facto do periodo entre infecção e morte variar, é usada uma média móvel de 7 dias tanto para mortes como para casos. Os dados foram obtidos junto do site Our World In Data (OWID).

A taxa de fatalidade “oficial” parece estar relativamente estável ligeiramente abaixo de 2%. A nível regional há zonas do mundo onde a taxa ronda 1% e outras onde ronda 3%. Tipicamente, os países onde a taxa de fatalidade é mais alta tendem a ser países onde a informação sobre o número de casos é menos fiável. No entanto, aceitando como válidas as estimativas da OMS, a taxa verdadeira (0,15%) é 13 vezes menor.

Sabemos que a tarefa de saber o denominador necessário para o cálculo da taxa de fatalidade é difícil. A maioria esmagadora das mortes resultantes de Covid-19 pertecem a grupos de risco, de idade avançada ou com uma ou mais condições susceptíveis de causar a morte que são agravadas pela conjugação de doenças. Mas o denominador alcança a quase totalidade da população, a maior parte da qual não chega nunca a mostrar sintomas.

É difícil tomar medidas políticas informadas neste contexto. Mas salta à vista que se os factos acima fossem conhecidos em março, dificilmente os governos teriam tomado as medidas que tomaram. Infelizmente, uma vez que entraram no caminho de confinamentos e restrições draconianas, a caminho de volta à normalidade fica muito mais difícil. A população está amedrontada pela impressão inicial da doença, que foi acompanhada de um quase pânico das autoridades face à falta de informação. Este medo condiciona os decisores políticos, que não querem ficar responsáveis por quaisquer más notícias que surjam no imediato. O inevitável aumento de “casos”, independentemente de na sua maioria não terem relavância para a saúde pública, mantém a tensão social num nível permanentemente alto. Como avisaram algumas pessoas no início do confinamento: O problema de seguir este caminho é que não é claro como sair dele.

8 pensamentos sobre “A Covid-19 e a “gripezinha”

  1. Luciana

    O serviço nacional de saúde e os hospitais privados não têm capacidade para garantir cuidados de saude adequados a todos os doentes em caso de aumento significativo de doentes. O problema não é a covid-19 isolada, mas o stress que um aumento exponencial de doentes causa no sistema. É inacreditavel ter que afirmar o óbvio, mas parece ser necessário. A taxa de mortalidade em Portugal em Abril e Maio só nao foi maior como em Italia, porque TODOS os demais tratamentos (com excepcao dos verdadeiramente urgentes e que causariam ameça imediata à vida do paciente) foram suspensos. Os doentes crónicos nao podem ser esquecidos, nem tratados como cidadãos de segunda. Parar a economia nao é resposta adequada, concordo. Fazer de conta que a situaçao nao é grave consegue ser pior emenda.

  2. voza0db

    ” face à falta de informação”

    Isto é falso… Logo no final de janeiro de 2020 TODOS os estudos e relatórios que li disponíveis nos jornais científicos mostravam CLARAMENTE que NADA DE NOVO existia.

    Aliás, ATÉ À DATA ACTUAL, não existe UM ÚNICO ESTUDO CIENTÍFICO demonstrando que existe uma nova partícula viral infecciosa capaz de causar um doença e eventualmente matar o animal infectado.

    Mas o PREÇO DA IGNORÂNCIA é sempre divertidamente elevado.

  3. Eduardo

    Nao sei se foi censura liberal mas o meu comentário anterior não está publicado então sinto me na obrigação de repetir. Este texto, vestido de uma capa de argumentação racional, não passa de um absurdo. É muito comum em blogues liberais encontrar génios que descobriram a pólvora, soluções simplórias para os problemas do mundo.
    Meu caro, o Covid, pela combinação de grau de contágio e mortalidade, representa um perigo que nao é em nada comparável à gripezinha. Livre, sem medidas de contenção, o resultado foi o visto em Madrid, Milão, Nova York (na China não sabemos realmente o que se passou mas para o PC chines paralizar o país, não deve ter sido bonito). Agora sabemos que algumas das medidas tomadas em Março foram exageradas mas é inevitável que em Novembro e Dezembro voltem a apertar as medidas. Não porque haja um pânico mas sim porque há um perigo real. Para o pensador insurgente recomendo uma viagem no tempo a Março 2020 Lombardia.

  4. eduardo

     

    Nao sei se foi censura liberal mas o meu comentário anterior não está publicado então sinto me na obrigação de repetir. Este texto, vestido de uma capa de argumentação racional, não passa de um absurdo. É muito comum em blogues liberais encontrar génios que descobriram a pólvora, soluções simplórias para os problemas do mundo.

    Meu caro, o Covid, pela combinação de grau de contágio e mortalidade, representa um perigo que nao é em nada comparável à gripezinha. Livre, sem medidas de contenção, o resultado foi o visto em Madrid, Milão, Nova York (na China não sabemos realmente o que se passou mas para o PC chines paralizar o país, não deve ter sido bonito). Agora sabemos que algumas das medidas tomadas em Março foram exageradas mas é inevitável que em Novembro e Dezembro voltem a apertar as medidas. Não porque haja um pânico mas sim porque há um perigo real. Para o pensador insurgente recomendo uma viagem no tempo a Março 2020 Lombardia. 

  5. voza0db

    São escravos boçais e ignorantes como o EDUARDO que me alegram o dia! Num tão curto comentário consegue debitar 100% de estupidez.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.