Vem aí uma crise e o que andamos a fazer? A engordar o Estado para os níveis de Sócrates.

Temos a economia a desacelerar (não só a nossa, mas a mundial), uma queda em bolsa acentuada, guerra no petróleo entre Rússia e Arábia Saudita, vários setores afetados pelo corona vírus (sobretudo turismo, que por acaso vale “só” 15% do PIB nacional), etc. Está o caldinho preparado para uma crise.

E o que andámos e andamos nós a fazer para nos preparamos? Continuamos com uma dívida altíssima, não fizemos reformas estruturantes no período de expansão da economia mundial e estamos a regressar a números de funcionalismo público ao nível do tempo de Sócrates (para suportar as consequências do eleitoralismo das 35 horas com custos significativos para os contribuintes).

Vai correr bem. É como esta preparação para o corona vírus. “Há um plano e tal, é preciso confiar”. Pois… eu confio muito pouco no Estado e zero em socialistas.

22 pensamentos sobre “Vem aí uma crise e o que andamos a fazer? A engordar o Estado para os níveis de Sócrates.

  1. ATAV

    Reformas estruturantes.

    Mal se fala em crise vêm com esta conversa. Despedir funcionários públicos, privatizar, liberalizar a lei laboral, reduzir as proteções ambientais, do consumidor e de segurança no trabalho, cortar pensões, etc, etc, etc…

    A única coisa que vai mudando nisto é o nome. Já teve vários ao longo dos anos: reforma do estado, austeridade, reformas estruturais, enfrentar os interesses instalados e liberalização da economia.

    Geralmente acompanha propostas de redução IRC, IRS e Imposto sobre mais valias que, segundo eles, vão produzir tanto crescimento económico que vai tapar o buraco no défice.

    Em português esta é a teoria do pingo, mas em inglês já teve muitos nomes diferentes ao longo dos anos. A ver: supply-side economics, trickle-down economics, Reaganomics, Voodoo economics, Mellonomics, Trumponomics, e o meu favorito, horse and sparrow theory.

    Claro que quando os tempos estão bons, as receitas são exactamente as mesmas. E quem as propõe autointitulam-se de “tecnocratas” enquanto que os outros são “ideólogos”. Como não podia deixar de ser…

  2. Carlos Guerreiro

    ATAV
    Não era necessário nenhuma dessas modernices que refere, bastava o Costa não ter empregado todos os bóis na função pública e começar a gastar como não tivesse amanhã (gastar com os bóis, não com o “estado social” que esse é para cativar).
    Se voltar a crise, devem ser despedidos os bóis ou aumentar os trabalhadores do privado para cobrir os buracos?
    Na próxima crise o peiésse deve resolver os problemas que criou e não serem os outros partidos a ter de corrigir os desvarios xuxalistas.

  3. Filipe Bastos

    Às vezes interrogo-me se o Carlos terá razão e o ATAV sou eu.

    Não sou, e discordo dele em coisas importantes, mas é bom tê-lo para repor alguns factos básicos e alguma sanidade no blog. Poupa tempo.

    Dito isto, é verdade que somos desgovernados por uma máfia xuxa que não hesita em enterrar o país para comprar botinhos, como na vergonha das 35 horas, ou para encher os bolsos com obras ruinosas. É preciso correr com esta máfia. Não podemos é trocá-la por mais mamões.

  4. Malta da Iniciativa Liberal gosta muito de brincar com estatísticas.
    Em 2017 um montão de trabalhadores precários do estado foram integrados nos quadros da função publica.
    Não tinham até essa altura o estatuto de funcionários públicos, nem eram contabilizados como FP, mas o salário vinha do mesmo sitio.

  5. ATAV

    Carlos Guerreiro

    “Não era necessário nenhuma dessas modernices que refere, bastava o Costa não ter empregado todos os bóis na função pública e começar a gastar como não tivesse amanhã (gastar com os bóis, não com o “estado social” que esse é para cativar).”

    Ah! As famosas “gorduras do estado”. Mas depois de chegarem lá com a faca de trinchar nunca as encontram e só apanham o músculo. Má pontaria certamente.

    Também gosto muito da coerência. Pedidos constantes para reduzir a despesa do estado enquanto se chora os efeitos nefastos da austeridade.

    “Se voltar a crise, devem ser despedidos os bóis ou aumentar os trabalhadores do privado para cobrir os buracos?”

    A máxima que o estado não produz riqueza regressa triunfantemente. Ao dizer que os privados têm de ser aumentado para pagar a máquina do estado está a dar a entender que os privados não recebem nada em troca e que os funcionários públicos não contribuem para o bem da sociedade. Saúde, educação, segurança social, tribunais, estradas, meios de comunicação, etc.. Nada disto é fornecido pelo estado e/ou o que é fornecido não tem valor. O Ricardo Arroja ficaria orgulhoso.

    “Na próxima crise o peiésse deve resolver os problemas que criou e não serem os outros partidos a ter de corrigir os desvarios xuxalistas.”

    É sempre culpa do PS. Especialmente a segunda bancarrota ou a recessão de 2003. E o Passos Coelho milita nesse partido não é? Só pode, a crueldade de cortar os subsídios aos desempregados, idosos e doentes no pico da crise só podia originar de um militante de tão vil instituição.

  6. Carlos Guerreiro

    EMS

    “Em 2017 um montão de trabalhadores precários do estado foram integrados nos quadros da função publica.”
    A noticias da integração de “um montão” de precários no estado são manifestamente exageradas.
    “Foi-nos prometido pelo seu antecessor que a regularização dos nossos vínculos precários estaria concluída em 2018. Não aconteceu. Foi-nos depois prometido que aconteceria até final de 2019. Não aconteceu. Garante agora a sra. ministra e o restante Governo que acontecerá até final de 2020. Porque havemos de acreditar que desta é que é a sério? Há de facto vontade deste Governo para concluir o PREVPAP [Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários da Administração Pública]?” https://www.publico.pt/2020/01/22/economia/noticia/precarios-estado-pedem-reuniao-urgente-ministra-trabalho-1901272

  7. Carlos Guerreiro

    ATAV

    “Ah! As famosas “gorduras do estado”. Mas depois de chegarem lá com a faca de trinchar nunca as encontram e só apanham o músculo. Má pontaria certamente.”
    Quando é que um xuxa considera um bói como “gordura”? Aquilo é chichinha da boa, gorduras são os outros (pontaria xuxa).

    “A máxima que o estado não produz riqueza regressa triunfantemente. Ao dizer que os privados têm de ser aumentado para pagar a máquina do estado está a dar a entender que os privados não recebem nada em troca e que os funcionários públicos não contribuem para o bem da sociedade. Saúde, educação, segurança social, tribunais, estradas, meios de comunicação, etc.. Nada disto é fornecido pelo estado e/ou o que é fornecido não tem valor. O Ricardo Arroja ficaria orgulhoso.”
    Tem toda a razão, pagamos impostos em contrapartidas de serviços prestados pelo estado. Temos mais funcionários públicos mas o SNS está de rastos, as filas para o cartão de cidadão são monstruosas (o cartão passou a ter 10 anos de validade…), os processo acumulam-se nos tribunais, a segurança social demora meses, senão anos, a dar a resposta ao pedido de reforma…
    “Meios de comunicação social”? A trollaria? A publicidade “institucional” na imprensa amiga? É que a RTP e RDP são subsidiadas com a contribuição para o audiovisual.

  8. Carlos Guerreiro,
    Claro que houve a integração de um montão de precários.
    20 mil precários integrados parece-me um numero suficientemente grande para lhe chamar um montão.

    A própria curva do gráfico não é uma ascendente a pique. Isso significa que se trata de um processo continuo ao longo destes dois anos.
    OK, os trabalhadores não estão contentes com a velocidade do processo. Gostariam que todos os precários estivessem integrados de uma vez por todas.

    Já, por seu lado, a ministra congratula-se com a integração de 20 mil trabalhadores. O que até bate certo com o gráfico:
    “Hoje temos mais de 20 mil postos de serviço regularizados, portanto já com concurso terminado, cerca de 5900 concursos abertos e já terminados, entretanto, na administração local e central, numa percentagem de quase 70% de pareceres favoráveis”

  9. Pelo que se vê, aqui de se defende que os funcionáriospublicos devem ser admitidos, não por concurso isento mas pela integração de funcionários precários, selecionados por cunhas, entre os apaniguados dos “chefes”, normalmente vinculados aos Partidos com assento no governo.
    Estamos lixados. Só come quem serve os mamões…

  10. CArlos Guerreiro

    EMS

    Nesta página pode encontrar os resultados finais do PREPAP, é só pegar na calculadora… E ficam muito abaixo dos 20mil.
    https://prevpap.gov.pt/ppap/index?windowId=de1

    “A própria curva do gráfico não é uma ascendente a pique. Isso significa que se trata de um processo continuo ao longo destes dois anos.
    OK, os trabalhadores não estão contentes com a velocidade do processo. Gostariam que todos os precários estivessem integrados de uma vez por todas.”
    Os que estão a protestar, são os que tiverem parecer positivo e que o governo tinha prometido integrar até 2018… Não devem ter percebido bem, deviam ter dito 2028.

    De qualquer maneira o PREPAP deu para o PS e BE fazerem uns cartazes giros. Aí não houve qualquer atraso… Nem falta de verba.

  11. Queixa-se o Bernardo Blanco – com razão – de que se está actualmente «a engordar o Estado para os níveis de (José) Sócrates». Porém, fá-lo escrevendo em «acordês» («setores afetados»), outro dos desastrosos legados do ex-PM. Agradecia-se um pouco mais de coerência.

  12. “Os que estão a protestar, são os que tiverem parecer positivo e que o governo tinha prometido integrar até 2018… Não devem ter percebido bem, deviam ter dito 2028.”

    Sim? E os que entretanto já entraram são mais que as mães.
    Agora figuram nas estatísticas como funcionários públicos.Vá lá com a calculadora e desminta-me.

  13. ATAV

    Cralos Guerreiro

    “Quando é que um xuxa considera um bói como “gordura”? Aquilo é chichinha da boa, gorduras são os outros (pontaria xuxa).”

    Não foram os “xuxas” que tentaram meter cortes permanentes indiscriminados na administração pública ou que tentaram utilizar a requalificação como forma de despedimento encapotada. Mas havia um “xuxa” que era fã dos liberalismos económicos e fez coisas semelhantes: o Sócrates que liberalizou o mercado de trabalho, reformou a administração pública e cortou pensões futuras. Também dava para ver pelas PPPs todas que fez que gostava muito do sector privado a encher-se à custa da propriedade pública.

    E deixe-se dessas demagogias dos boys. Não são em número significativo. E quando foi para lá o liberal Passos, meteu os boys todos dele na mesma enquanto perseguia a função pública.

    “Tem toda a razão, pagamos impostos em contrapartidas de serviços prestados pelo estado. Temos mais funcionários públicos mas o SNS está de rastos, as filas para o cartão de cidadão são monstruosas (o cartão passou a ter 10 anos de validade…), os processo acumulam-se nos tribunais, a segurança social demora meses, senão anos, a dar a resposta ao pedido de reforma…”

    Portanto se despedirmos pessoal as coisas vão ser feitas mais depressa, é isso? É assim que as coisas funcionam no sector privado? “Precisamos de aumentar a produção urgentemente. Bora lá despedir pessoal”.
    Claro que isso são apenas lágrimas de crocodilo. O objectivo de querer cada vez menos pessoal na função pública é exatamente esse: piorar os serviços para vender a ideia à população que é melhor desmantelar tudo e entregar aos privados. Se fosse pela qualidade dos serviços iriam apelar à contratação de mais pessoal, visto que Portugal tem uma das menores administrações públicas da Europa.

    “Meios de comunicação social”? A trollaria? A publicidade “institucional” na imprensa amiga? É que a RTP e RDP são subsidiadas com a contribuição para o audiovisual.”

    A RTP sempre é mais isenta que a CMTV, a TVI ou a SIC. Sabia o que o Ricardo Salgado fazia com os meios de comunicação que lhe desagradavam? Cortava a publicidade do BES e de seguida mandava cortar a da EDP e da PT. Mas como era um privado a pressionar meios de comunicação já não há problemas para os liberais.

  14. ATAV

    Outra coisa. A desonestidade da IL neste gráfico é gritante. Mas já estamos habituado a este nível de demagogia!

    Quando o Sócrates saiu em 2011 havia mais de 700 000 funcionários públicos. É por isso que só começaram a contar de 2013

  15. Carlos Guerreiro

    ATAV
    ATAV

    “O objectivo de querer cada vez menos pessoal na função pública é exatamente esse: piorar os serviços para vender a ideia à população que é melhor desmantelar tudo e entregar aos privados.”
    O que foi feito agora foi reduzir o horário de trabalho das 40h para as 35h com o argumento que isso não tinha influência nos serviços (contas de xuxa). Temos os resultados na saúde com a degradação dos serviços prestados e a classe baixa e média contratar seguros porque não estão satisfeitas com os serviços prestados. Ou está convencido que as classes médias e baixas com os salários que têm resolvem gastar dinheiro em seguros porque não sabem o que fazer com o dinheiro?
    https://www.jn.pt/nacional/classes-media-e-baixa-sao-as-que-contratam-mais-seguros-de-saude-11556959.html

    “A RTP sempre é mais isenta que a CMTV, a TVI ou a SIC. Sabia o que o Ricardo Salgado fazia com os meios de comunicação que lhe desagradavam? Cortava a publicidade do BES e de seguida mandava cortar a da EDP e da PT. Mas como era um privado a pressionar meios de comunicação já não há problemas para os liberais.”
    Foi o ATAV que falou na comunicação social como contrapartida dos impostos pagos, como sabe o financiamento da RTP e RDP vem da contribuição para o audiovisual, portanto, como diria o tio Jerónimo, fugiu-lhe a boca (ou o teclado) para a verdade.
    O Salgado cortava a publicidade para da EDP e da PT, mas curiosamente nunca cortou o mecenato à Fundação Mário Soares, era até o maior mecenas. Vá lá saber-se porquê…

  16. CArlos Guerreiro

    ATAV

    É mais fácil criar um estilo de escrita do que não cair nos mesmos temas ou obsessões.
    O ATAV e o Filipe, além de outras coisas, partilham uma obsessão pelo Salgado, o Filipe quer por todos os doentes na mesma enfermaria do Salgado, mesmo que não seja a mais indicada tendo em conta a doença que sofrem (típico de planeamento comunista/socialista).
    O ATAV precisava de falar da publicidade (e até falou da EDP e PT), e quem lhe veio ao pensamento, o Salgado.
    Ele há coincidências do catano…

  17. ATAV

    Carlos Guerreiro

    “O que foi feito agora foi reduzir o horário de trabalho das 40h para as 35h com o argumento que isso não tinha influência nos serviços (contas de xuxa).”

    E acreditou nisso? Não tenho culpa de você ser um crente…

    “Temos os resultados na saúde com a degradação dos serviços prestados e a classe baixa e média contratar seguros porque não estão satisfeitas com os serviços prestados. Ou está convencido que as classes médias e baixas com os salários que têm resolvem gastar dinheiro em seguros porque não sabem o que fazer com o dinheiro?”

    Leu a ultima frase desse artigo? Olhe lá…
    “Os mais pobres procuram proteção para situações catastróficas, como cirurgias, que não pagariam no SNS, mas têm elevados tempos de espera”, indicou, recordando que há “estudos feitos no Reino Unido, cujo SNS é semelhante ao nosso, que indicam que o setor privado e os seguros crescem onde há desinvestimento no SNS”.

    Talvez seja melhor investir no SNS em vez de andar a sustentar os privados com dinheiro público e com profissionais formados pelo estado como os liberais tanto exigem. Talvez investir mais dinheiro aumentando impostos sobre os mais abastados por exemplo…

    “Foi o ATAV que falou na comunicação social como contrapartida dos impostos pagos, como sabe o financiamento da RTP e RDP vem da contribuição para o audiovisual, portanto, como diria o tio Jerónimo, fugiu-lhe a boca (ou o teclado) para a verdade.”

    Eu não falei em comunicação social. Falei em meios de comunicação que englobam tanto os jornais e televisões privadas como canais de televisão e rádio públicos, como as emissoras, as empresas de telecomunicações e os correios. Tantos serviços prestados e investimentos feitos recorrendo a meios públicos.

    “O Salgado cortava a publicidade para da EDP e da PT, mas curiosamente nunca cortou o mecenato à Fundação Mário Soares, era até o maior mecenas. Vá lá saber-se porquê…”

    Não é difícil lá chegar. Foi o Soares que permitiu que os Espirito Santos conseguissem reaver o BES. Até meteu a cunha junto ao Credite Agricole e tudo…

  18. ATAV

    Carlos Guerreiro

    “O ATAV e o Filipe, além de outras coisas, partilham uma obsessão pelo Salgado, o Filipe quer por todos os doentes na mesma enfermaria do Salgado, mesmo que não seja a mais indicada tendo em conta a doença que sofrem (típico de planeamento comunista/socialista).
    O ATAV precisava de falar da publicidade (e até falou da EDP e PT), e quem lhe veio ao pensamento, o Salgado.”

    Teorias da conspiração? Se acredita mesmo nisto, tenho um negócio para lhe propor: quer comprar um deionizador de água em conta? Desta maneira fica protegido de se tornar um gay muçulmano devido ao fluor que os “socialistas” metem na água…

  19. Carlos Guerreiro

    ATAV

    Leia o que escreve: “Eu não falei em comunicação social. Falei em meios de comunicação que englobam tanto os jornais e televisões privadas como canais de televisão e rádio públicos, como as emissoras, as empresas de telecomunicações e os correios. Tantos serviços prestados e investimentos feitos recorrendo a meios públicos.”

    “Teorias da conspiração? Se acredita mesmo nisto, tenho um negócio para lhe propor: quer comprar um deionizador de água em conta? Desta maneira fica protegido de se tornar um gay muçulmano devido ao fluor que os “socialistas” metem na água…”
    Não chamo teoria da conspiração, é mais teoria das coincidências do catano.
    Um segredo, leia baixinho, as pastas de dentes têm fluor… Desista do aparelho, que já está contaminado.

  20. ATAV

    Carlos Guerreiro

    Eu sei bem o que escrevo. Falei em meios de comunicação em contexto de serviços fornecidos e criação de riqueza através de intervenção estatal. O caso da comunicação social então é paradigmático. Acha que existiriam canais de televisão privados em Portugal sem investimento público em infraestruturas? A própria TVCabo nasceu de um projecto piloto dos ctt antes da PT estar formada. Aposto que não sabia isto.
    Então os jornais e revistas? Sem os programas de educação pública, a população não saberia ler e não existiriam tantos jornais. E a circulação dos que existissem seria muito mais baixa.

    “Não chamo teoria da conspiração, é mais teoria das coincidências do catano.”

    Não? Olhe que “eles” andam por aí. A conspirar para abater nobres patriotas como o Trump, o Orban ou os polacos da Lei e Justiça. E o pobre do André Ventura, que apenas trabalha para o bem da nação, é o próximo…

    “Um segredo, leia baixinho, as pastas de dentes têm fluor… Desista do aparelho, que já está contaminado.”

    O QUÊ?!???! MALDITOS SOCIALISTAS!!!! Já chegaram a esse ponto? Não importa. Por uma módica quantia, eu junto uma barra de sabão azul ao aparelho.

    Lembre-se, o negócio faz-se segundo os mui nobres princípios liberais. Nada de protecção do consumidor: nada de regulamentação de segurança, reembolsos, garantias ou devoluções. “Caveat emptor”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.