A Esquerda e o Ódio, no WSJ

ed-ax934_steele_gr_20180920153926

 Why the Left Is Consumed With Hate – WSJ
Why the Left Is Consumed With Hate – Outline (ultrapassa PayWall)

The genius of the left in the ’60s was simply to perceive the new moral imperative, and then to identify itself with it. Thus the labor of redeeming the nation from its immoral past would fall on the left. This is how the left put itself in charge of America’s moral legitimacy. The left, not the right—not conservatism—would set the terms of this legitimacy and deliver America from shame to decency.

This bestowed enormous political and cultural power on the American left, and led to the greatest array of government-sponsored social programs in history—at an expense, by some estimates, of more than $22 trillion. But for the left to wield this power, there had to be a great menace to fight against—a tenacious menace that kept America uncertain of its legitimacy, afraid for its good name.

This amounted to a formula for power: The greater the menace to the nation’s moral legitimacy, the more power redounded to the left. And the ’60s handed the left a laundry list of menaces to be defeated. If racism was necessarily at the top of the list, it was quickly followed by a litany of bigotries ending in “ism” and “phobia.”

The left had important achievements. It did rescue America from an unsustainable moral illegitimacy. It also established the great menace of racism as America’s most intolerable disgrace. But the left’s success has plunged it into its greatest crisis since the ’60s. The Achilles’ heel of the left has been its dependence on menace for power. Think of all the things it can ask for in the name of fighting menaces like “systemic racism” and “structural inequality.” But what happens when the evils that menace us begin to fade, and then keep fading?

O artigo é longo e continua. Mesmo aqui em Portugal, os partidos de esquerda mesmo cheios de casos de corrupção, favorecimento, e enriquecimento ilícito súbito clamam ser os representantes da moral e da justiça – não só mais do que os partidos de direita mas mesmo face à sociedade em geral (a lata!). Não se olharão ao espelho?

Anúncios

11 thoughts on “A Esquerda e o Ódio, no WSJ

  1. A. R

    Perdidas as causas que o capitalismo resolveu e tendo o marxismo sido um arquitecto de fome, repressão, doença, corrida ao armamento, dezenas de milhões de mortos e prisões a céu aberto restam-lhe nichos de causas do foropsiquiátrico e o assassínio de carácter

  2. “Não se olharão ao espelho?”

    Sempre, mas a resposta já está definida à priori; os Marxistas combatem o Mal logo podem fazer tudo o que querem porque é para o Bem.

  3. Estava a pensar na alhada tipo #metoo em que o camarada CR7 está metido – uma pessoa que recebeu dinheiro/benefícios há uns anos agora decide que afinal quer fazer queixa-crime.

    A segunda profissão mais velha do mundo acaba de liquidar a profissão mais velha do mundo.

    A partir de agora é a castidade “or else”.

    Volta, Torquemada, temos saudade dos tempos de liberdade.

  4. E qualquer interacção entre pessoas terá de ser intermediada por um prestador de serviços reconhecido com seguro de responsabilidade civil em dia …

    (Tipo aquelas histórias de FC em que ninguém sai de casa, vide Forster ou Asimov, mas as conversas são via Google Translator para ninguém se magoar …)

    > 180º

    Pois, é um bocado o que o Chesterton dizia acerca de, rejeitando a crença em Deus, não se passar a acreditar em nada, mas antes a acreditar em qualquer coisa ao calhas. Rejeita-se a moral tradicional, e fica-se com um legalismo primitivo raivoso, eriçado de arame farpado à volta de cada indíviduo.

    Bela utopia, como de costume.

  5. “Não é curioso que um movimento que começou com queima de soutiens e libertinagem sexual dê uma voto de 180º e acabe nisto?”

    Nessa altura o que interessava era destruir essa sociedade para obter Poder.
    Como agora como detêm o Poder tornam-se Conservadores.

  6. Cristóvão

    “Think of all the things it can ask for in the name of fighting menaces like “systemic racism” and “structural inequality.””

    Correcção: fighting PERCEIVED menaces.

  7. Contagem decrescente para legislativas.

    Começou a contra-informação, o hacking da concorrência, os peixotos…

    O Corporações já está de pé outra vez?

  8. Uma manifestação ofuscante do óbvio.

    TODOS os movimentos políticos pretendem ter superioridade moral, tanto os de esquerda como os de direita.

    Veja-se o presente post em que se pretende apresentar a superioridade moral da direita em não alegar superioridade moral.

    A única exceção que me lembro era o brasileiro que dizia “roubo mas faço”. Mesmo esse ao dizer que fazer era moralmente superior a roubar estava a apresentar um tipo de superioridade moral.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.