CP sem comboios

O admirável tempo novo dos serviços públicos na era da geringonça: CP está a ficar sem comboios e à beira do colapso

Com uma frota envelhecida, comboios avariados e oficinas sem pessoal, a CP está à beira da ruptura. Concurso público para comprar material circulante ainda nem tem caderno de encargos e a empresa está a ficar sem comboios.

Anúncios

7 thoughts on “CP sem comboios

  1. JP-A


    CP, TAP, Hospitais, Maternidades, Escolas, Justiça, Universidades (o fecho de vagas para povoar artificialmente o interior é de chanfrados a la Mao), trabalho precário, retorno dos emigrados, etc. E ele ainda não acabou uma legislatura e apanhou os “cofres cheios” e a “folga” que andaram a apregoar durante anos em modo manhoso. E isto é apenas a parte mais visível, porque a outra vem a seguir, quando os resultados se produzirem em pleno a la grega. Estão a acontecer coisas na educação e saúde que nunca aconteceram na história da democracia e não são as que já apareceram nos jornais.

  2. JP-A

    Ontem à tarde não havia dinheiro para arranjar as cercas de Tancos. Hoje ao almoço já havia 2% do PIB para prometer em nome de quem vier a seguir. O homem é uma comédia grega com uma boca à frente.

  3. Isto de exigir mais austeridade e ao mesmo tempo culpar os outros pelos efeitos da austeridade é uma característica dos neoliberais que sempre me enojará.

  4. Luís Lavoura

    Isto é uma denúncia dos sindicatos da CP. Este blogue agora dá cobertura à propaganda sindical?!

  5. E continua a palhaçada.

    Exige-se mais austeridade e depois critica-se os seus efeitos como se não se tivesse nada a ver com isso.

    Estas pessoas passam por economistas ?

    A economia é isto ?

    Acho que a cigana que “lê” a sina na esquinas é mais honesta que estes tipos.

  6. A ós-te-ri-da-de (sotaque lisbonense) não tinha terminado c’a Geringonça? Que efeitos é que se discutem se a austeridade acabou?

    No tempo de Passos Coelho, quando a ós-te-ri-da-de existia, não havia grandoladas que chegassem para metade do centésimo dos efeitos da não-austeridade socialista.

  7. E continuam com o mesmo nojo de exigir mais austeridade e ao mesmo tempo maldizer os efeitos da austeridade.

    Eu tinha vergonha de ser propagandista neoliberal….

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.