Words give the means to meaning

A propósito desta notícia.

Numa das minhas encarnações, a de militar, houve uma altura que durante o fim de semana fazia um cartoon, a que chamava “Nota de Culpa”, a gozar com alguém, segunda feira afixava-o na Messe de Oficiais do Regimento e por lá ficava durante uma semana. Não deve haver nenhuma instituição com uma hierarquia mais rígida e respeitada que as Forças Armadas. Invariavelmente os cartoons gozavam com algo que um superior hierárquico meu tivesse feito na semana anterior. Nunca nenhum achou mal ou mandou retirar o cartoon, pelo contrário, cheguei a ouvir de mais que um, superiores meus, porque raio nunca eram visados. Acabavam por ser, deixavam ficar a “Nota de Culpa” afixada durante uma semana e na seguinte pediam-me se podiam ficar com ela. Até o Comandante do Regimento lá esteve e divertiu-se. Quase todos os alvos dos cartoons os levaram para casa. Ninguém se importava de ser gozado, achavam piada (só houve um Oficial que nunca me atrevi a gozar, sabia que ele ia levar a mal, mas enfim há de tudo) e nunca nenhum ficou incomodado.

Há uns 10 a 12 anos fiz uns cartoons que fui publicando neste blogue. Na altura criei o personagem “Doh!” a gozar com o Daniel Oliveira e confesso que alguns (poucos) tinham piada e quanto mais violentos fossem para o visado mais piada tinham. Um dia tive meia surpresa: o próprio republicou um ou dois desses cartoons no blogue dele (na altura o Arrastão) e escreveu sobre o assunto em termos elogiosos e divertido.

O que conto acima sobre estas pessoas demonstra sentido de humor, inteligência da parte deles e poder de encaixe. Isto são três características necessárias, embora não suficientes, de um líder. Um líder é alguém que não tem medo nem vacila perante o ridículo. O pobre infeliz do Puigdemont pode ser qualquer coisa, líder não é de certeza e inteligente também não. Perante isto, alguém inteligente e que tenha autoridade, ri-se. E se tiver uma inteligência acima do comum até felicita o gajo que teve a ideia. Mas pronto, esta gente pós-moderna que nos calha em sorte nem inteligência nem sentido de humor, nasceram no maniqueísmo servos/senhores e não imaginam que haja outra condição. Os infelizes exigem ser senhores quando não passam, nem passarão nunca, eles próprios de servos. E por muito que gritem liberdade, nutrem um profundo desprezo por ela e especialmente pela liberdade primeira, a de pensamento, cujo corolário óbvio e inalienável é a liberdade de expressão, que exigem para eles mesmo e recusam aos outros. Não passam de putedo na certeira expressão do Grande Educador da Classe Operário, o camarada Arnaldo de Matos.
Já agora, o artigo de hoje do Paulo Tunhas no Observador é imperdível, sobre as palavras e o retorno do mito no pensamento político, a regressão a uma espécie de animismo na comunicação. Words give the means to meaning e na literatura não faltam distopias como esta a que nos querem sujeitar. Puta que os pariu a começar pelo Puigdemont mais a vara que o acompanha.

Anúncios

Um pensamento sobre “Words give the means to meaning

  1. > Grande Educador da Classe Operário

    Grande Dirigente e Educador do Proletariado Português (GDEPP), se faz favor.

    (Estas coisas são para saborear na plenitude do seu delírio, não em doses enfraquecidas, quase homeopáticas …)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.