Ben Shapiro sobre Star Wars

No, ‘Star Wars’ Isn’t Failing Because Of Hateful Trolls. It’s Failing Because Kathleen Kennedy Has Done A Garbage Job.

Why all this effort to blame the fans for the series’ troubles? Because we must never – ever, under any circumstances – blame Kathleen Kennedy. Kennedy, you see, is woke. The Lucasfilm story group is entirely female. Their goal, according to The New York Times: “They wanted to tell beautiful stories, fulfill the expectations of loyal fans and create meaningful female characters.” The Times gushes, “Today, the Lucasfilm story group is a diverse outlier in Hollywood: five of its members are people of color, and the team includes four women and seven men. … A new, unpublished analysis of Star Wars films shows striking progress in their representation of gender and race.”

Now, Kennedy could have had these priorities and created good movies. Instead, she didn’t. She created a bunch of goop. The Force Awakens is garbage; The Last Jedi is double-garbage. That’s because Kennedy had two choices upon being granted the helm of the Star Wars universe: (1) fast-forward fifty years, beyond the original characters, and reboot, losing the nostalgia of the original characters but gaining freshness; (2) recast the original characters and pick up where Return of the Jedi left off. Instead, in fully risk averse fashion, she chose door (3): leech off the nostalgia while introducing new characters a few years in the future. This led her to the idiotic decision to murder off all the original beloved characters in increasingly stupid fashion — and then to the doubly idiotic decision to go back and create new movies around those now-dead characters. She pissed off all of us who grew up on Star Wars, and in doing so, destroyed whatever good will existed among us for the newer batch of characters. Solo and Rogue One are good movies — but Han Solo was killed by JJ Abrams in The Force Awakens after being turned into a loser drifting around the galaxy in his iconic Millenium Falcon, the equivalent of a deadbeat dad who abandoned his family in the 1970s to trek the country in his bug van; Rogue One revolved around a set of characters who all die.

And then even the new movies were chained to the most risk averse strategy: instead of teaming Rey up with Kylo Ren (the only moment of The Last Jedi anyone liked) or killing off Finn for effect, Kennedy’s team saved Finn and essentially rebooted the series to Episode IV by splitting Kylo and Rey. All the SJW antics of the new stuff (from Solo’s odd droid-rights narrative to The Last Jedi’s class warfare-animal rights jaunt) are ancillary to the fact that Kennedy has wildly botched the landing on Star Wars.

sjwPessoalmente, o Episódio 7 era fraco mas pelo menos a fandom tinha hipóteses e teorias interessantes para fazer dezenas (centenas, milhares…) de vídeos sobre os pais de Rey, quem é Snoke, porque Luke se refugiou, como se revoltou Finn, onde estava a mulher de Luke, … (Outra visão). Agora, depois do 8? Todas as histórias foram fechadas e todos os personagens ridicularizados. Fechou até nova gerência tomar o espaço. Solo, que perdeu 50 a 80 milhões (algo novo em SW), foi vítima dos SJW. Veremos o que decide a Disney.

Anúncios

5 thoughts on “Ben Shapiro sobre Star Wars

  1. Já me perdi.

    Isto está muiiiito complicadooooo.

    São dezenas de histórias misturadas umas com as outras.

    Mais vale apreciar e não entrar em grandes complicações acerca de como poderia ser diferente assim ou assado, porque as histórias já exploram milhares de caminhos.

    Livros, filmes e BD, aquilo é um mundo.

  2. Atendendo que todos ou quase todos os protagonistas da segunda (real) / primeira (cronológica) série são mortos na primeira (r) / segunda (c) série, parece-me coerente que também os protagonistas da primeira (r) / segunda (c) sejam mortos na terceira, correspondendo cada série a uma geração a substituir outra;

    Efetivamente a 3ª série está a parecer-se uma remake da 1º (r) /2ª (c) [o primeiro episódio ainda parecia ligeiramente diferente, como e tratasse apenas de uma luta de bairro – isto é, num subúrbio planetário da república – entre os skins e os antifas locais, e com a princesa Leia em modo Otelo Saraiva de Carvalho / Fabricio Ojeda – a líder da anterior revolução a comandar agora um bando armado à margem da lei; mas em breve se tornou igual à anterior], mas será que era possível fazer diferente? A alternativa seria o (2), “recast the original characters”, e descrever os acontecimentos subsequentes à queda do império, mas isso teria também os seus problemas:

    – para começar, iria haver logo a dúvida de por novos atores ou os anteriores; pôr novos iria provavelmente originar alguma backlash dos fãs, já que quebra a ilusão pôr atores diferentes em cenas que supostamente se passam logo a seguir (ao contrário das sub-prequelas, em que ninguém estranha que o jovem Han “Solo” não tenha a cara do Harrison Ford), mas recuperar os anteriores implicaria rejuvenescer os atores (e, de qualquer maneira – embora isso não tenha sido originalmente previsto – a partir de certa altura a Carrie Fischer iria ter algumas dificuldades na interpretação)

    – quebrava a tal sequência de cada série ser uma geração

    – centrar a série no PREC da Estrelas (ou no Stars Winter após a Stars Spring) só seria interessante se, como um neoconservador previu para o universo (embora não para o Iraque), a queda do imperador levasse a um caos total e a uma guerra de todos contra todos – mas isso acabaria por alterar toda a tónica das séries anteriores e começarmos a pensar quem afinal eram verdadeiramente os bons e os maus. Se, pelo contrário, tudo corresse bem após a queda do imperador, não haveria grande matéria para um filme (a menos que passasse a ser uma série estilo West Wing ou House of Cards, a descrever o jogo político numa república parlamentar – mais aí teria o problema oposto: demasiado diferente da série original)

    Quanto ao Solo, eu confesso que sou suspeito – desconfio que fui a única pessoa a gostar do Solo e até fiquei a pensar se o Star Wars não seria melhor sem “a Força” – mas o que é que há de especialmente SJW no filme (ok, o droids-rights, mas encaixa-se perfeitamente no facto de droids sencientes sempre terem sido personagens destacados da série)? O filme até nem é sequer particularmente influenciado pelos outros (nota – se fosse eu, iria arranjar maneira de no episódio 9 fazer alguma referância à Qi’Ra; talvez familiar da Rey?).

    Ainda a respeito das queixas constantes dos “SJW” para aqui e para ali, convém não esquecer que estamos a falar de um género (o “swashbuckler” – o SW é tão isso como ficção científica) que já de si é tendencialmente sjw (com letra pequena) por natureza: o que é o Sandokan, p.ex., se não propaganda anti-colonialista (os nativos malaios bons, os imperialistas britânicos maus)? Ou as histórias do Corsário Negro (nacionalismo italiano anti-habsurgo, com umas pitadas de anti-colonialismo e até de feminismo)? O género vive de clichês – o rebelde defensor dos fracos e oprimidos, deliquentes heróicos e no mínimo mais simpáticos que as forças da ordem, “nativos” fora da sociedade instituida e aliados ao herói (junto dos quais ele se refugia e que se calhar o treinaram em pequeno), etc. que são muito social justice warrior no sentido literal da expressão; e dai ao que vocês chama Social Justice Warrior vai um saltinho.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.