Xi Jinping, a China e o Ocidente

Imperador Xi. Por João Carlos Espada.

Todos estes artigos convergem num alerta comum: na China está em curso um amplo processo de concentração de poderes no plano interno e de premeditado expansionismo no plano externo. A ideia ocidental de que a China se integraria ordeiramente na ordem económica internacional está a ser refutada pelos factos. E será melhor prestar atenção.

Infelizmente, entretanto, no campo ocidental sucedem-se os erros e a falta de visão estratégica.

A decisão de Donald Trump de impor tarifas às importações norte-americanas de aço e alumínio — alegadamente visando a China — ameaça gerar uma escalada proteccionista no interior do próprio Ocidente.

As negociações sobre o ‘Brexit’ seguem um padrão semelhante. Em vez de procurarem uma solução cordial para acomodar a saída do Reino Unido da UE, os negociadores comportam-se com uma intransigência que só pode exacerbar as tensões já existentes.

Anúncios

11 thoughts on “Xi Jinping, a China e o Ocidente

  1. JP-A

    A atenção que eu vi prestada num noticiário do dia de ontem foi a desta notícia a servir de abertura para um comentário de Trump, que teria defendido o mesmo para os EUA em tom mais ou menos humorístico. Isto dá-nos uma ideia de onde estamos, quem somos e para onde vamos.

  2. Ork,

    «Foram os neoliberais ocidentais que criaram a China actual.»

    Deve ser isso, porque os chineses são tão estúpidos que não podem criar eles mesmo a China.

    Que paternalismo! Francamente!

  3. Caro Colaço.

    Se não fosse a deslocalzação em massa de empresas, fundos e tecnologia que vocês fizeram desde os anos 70, o único campo em que a China seria hoje imbatível seria no fabrico de chinelas de palha por presos dos campos de concentração.

    Vocês deram cabo do ocidente para os especuladores dos mercados sacarem mais uns dólares.

  4. Mario Figueiredo

    Até parece que não foram os chineses que chamaram o investimento externo. Afinal fomos nós que invadimos a China. Vocês ultrapassam o ridículo.

  5. Mario Figueiredo

    Coitadinhos dos Chineses! Vejam só o que nós fizemos. Estes machos brancos ocidentais são a desgraça do mundo. Vamos ajudar os Chineses a se libertarem do grande mal do Ocidente.

  6. Caro Figueiredo.

    Eu escrevo que vocês estão a destruir o ocidente e você diz que eu estou preocupado com a China.

    Ainda não percebi se você é mesmo burro ou se se faz de burro.

    Seja como for a pele de burro assenta-lhe como uma luva.

    O que gajos como tu querem fazer aos “machos brancos ocidentais” é porem-nos cada vez mais a trabalhar na miséria.

    Tu trabalhas é para os especuladores internacionais e esses estão-se nas tintas para os “machos brancos ocidentais” que só veem como mais uma fonte de escravos.

    Foi para isso que vocês desenvolveram a China, para dar cabo dos estados ocidentais e piorar o mais que puderem as condições de vida dos “machos brancos ocidentais”.

    Vocês são os maiores TRAIDORES DO OCIDENTE e armam-se em defensores do ocidente.

    Um nojo.

  7. lucklucky

    O típico racismo Esquerdista – os Chineses( e Africanos, Árabes, no fundo “escurinhos” como diz o secgen da CGTP ) são incapazes de decidirem.
    É sempre o homem branco(também temos agora de incluir a mulher branca?) que corrompe.

    Mas atenção no Marxismo tudo muda:
    Claro quando escolheram o Comunismo, o maior mal criado pelos brancos e que lhes matou milhões já foi demonstração de autonomia…

    A China comprava há uns anos atrás mais veículos da General Motors que os EUA.

  8. Caro Lukcy.

    Sim, os esquerdistas dizem isso tudo.

    Eu, como não sou esquerdista, limito-me a observar os factos.

    Como não conseguem ver nada que saia da vossa propaganda bronca vou aumentar o tamanho da letra.

    VOCÊS BENEFICIARAM A CHINA TRAINDO O OCIDENTE PARA ENCHEREM OS BOLSOS DOS VOSSOS QUERIDOS ESPECULADORES DAS BOLSAS.

    Continuem a fingir que não sabem ler.

    Fazerem-se de parvos parece ser uma vocação bem vincada como naquela de não saberem que o Friedman fez a apologia do neoliberalismo ou que o Mises apoiou o fascismo.

    Já que tem nick de cowboy, o vosso papel como liberais é o de traficante de armas que vendia winchesters e álcool ao Cochise para ele depois ir atacar as caravanas e massacrar os outros “homens brancos” que vocês dizem que gostam tanto.

  9. Lucklucky,

    Os chineses nunca escolheram o comunismo. Nem os russos. Em ambos os casos, os comunistas não tiveram mais de 25% nas eleições parlamentares. Em ambos os casos o poder foi tomado por uma guerra civil após a força das armas imperar e, nisso dou razão ao MG, os ocidentais terem recusado ajuda ao Kerenski e ao Chang-Kai-Chec, E TEREM FORNECIDO ESSA AJUDA MONETÁRIA E LOGÍSTICA SUBREPTICIAMENTE ao Lenine e ao Mao.

    Cf. The Naked Communist, de W. Cleon Skousen.

  10. Caro Colaço.

    Tudo isso é verdade, mas a partir dos anos 70 foi muito mais do que simples ajuda.

    Os neoliberais praticamente deslocalizaram a maior parte da indústria, finança e know how para a China e outros países do terceiro mundo, praticamente destruindo o tecido económico do ocidente.

    É essa a origem das nossas crises, da falência do estados, da desarticulação da sociedade e do empobrecimento das populações ocidentais.

    Vocês estão a ASSASSINAR o ocidente enquanto fazem pose de grandes defensores do ocidente.

    E depois ainda têm a lata de culpar os já quase inexistentes comunistas.

    Por muito que os comunas odeiem o ocidente, são VOCÊS que o estão a destruir.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.