O risco de Rui Rio

A minha crónica no i.

O risco de Rui Rio

Ao que parece Rui Rio está disponível para entendimentos com o PS. Se tal suceder o PSD passará a concorrer com o BE, o PCP e, possivelmente, também o CDS, na aprovação das políticas no parlamento. A confirmar-se, a decisão de Rui Rio apresenta uma razão de ser e representa um risco.

A razão de ser prende-se com a revolução partidária que tem lugar em alguns países, nomeadamente, Espanha e França. Ainda esta semana uma sondagem colocou pela primeira vez os Ciudadanos à frente do PP e do PSOE. Há menos de um ano Emmanuel Macron foi eleito presidente da França sem o apoio dos partidos tradicionais e, um mês depois, o seu partido, La République en marche!, venceu as legislativas.

Há quem, como eu, considere que o PSD deve ser mais liberal, tornar-se numa verdadeira alternativa ao socialismo, em vez de uma peça na mera rotação do poder em prol dos favores estatais. Ao contrário, Rui Rio prefere um partido de menor carga ideológica porque vê que essa é também a marca que distingue os Ciudadanos e o fenómeno Macron que pertencem ao centro político.

O raciocínio de Rio parece também ter em conta o Portugal ser um país avesso à mudança. Na verdade, as possibilidades de o PSD perder o lugar para o CDS são mínimas. O CDS não tem condições para substituir o PSD, não só porque tem tantos anos e vícios como o PSD, como a sua veia ideológica nunca existiu, ou quando existiu foi confusa.

Mas representa também um risco. E o maior é que, caso Rio confirme a sua estratégia de viabilizar uma governação socialista não dependente da extrema-esquerda, o PSD perde contacto com o país a longo prazo. Preso às negociações das medidas de efeito imediato, o PSD perde discurso, legitimidade, para se afirmar mais tarde quando a falta de reformas, os efeitos perversos de uma governação que se cinge a aproveitar a conjuntura internacional, se fizerem sentir porque essa mesma conjuntura se alterou.

Nessa altura, algo como Macron ou os Cuidadanos terá todas as condições para surgir e se impôr na política portuguesa, mas dificilmente o PSD. Porque nessa altura o país precisará de gente sem mácula, liberta dos arranjos partidários para que um partido que não venceu governe. Uma força política deste género, atenta aos reais problemas das pessoas, aos verdadeiros desafios do país, sem passado, mesmo que sem grande carga ideológica pode pôr em causa a predominância do PSD. Por muito que se perceba a razão de ser da sua estratégia esta comporta um grande risco para Rui Rio.

Anúncios

6 thoughts on “O risco de Rui Rio

  1. Mario Figueiredo

    “Mas representa também um risco. E o maior é que, caso Rio confirme a sua estratégia de viabilizar uma governação socialista não dependente da extrema-esquerda, o PSD perde contacto com o país a longo prazo.”

    Convenhamos, o PSD já terá perdido esse contacto com o país desde 1999, quando forma governo e o primeiro-ministro acha que é precisamente essa a melhor altura para se demitir e ir liderar a UE. (Já agora, o ano em que Ferro Rodrigues ganha as eleições mas não governa. Para não nos esquecermos que o PSD também já fez a sua geringonça). A partir daí foi sempre a cair. E com o discurso de “somos um partido de esquerda”, Rui Rio continua a baixar a fasquia do partido.

    Mas em todo o caso, Cavaco Silva conseguiu duas maiorias absolutas após um ciclo de alianças centrais. Portanto não daria de barato que o PSD poderá sofrer a prazo as consequências de uma aliança ao centro. O que é certo é que o partido perdeu o meu voto.

  2. Rui Rio diz que está disponível para entendimentos com Costa. Rui Rio parece estar sedento de “salvar” o PS de Costa dos braços da esquerda nos quais, pelos vistos, está por ser vítima de circunstâncias.

    Que conversa hipócrita.

    Costa e o seu PS estão abraçados à esquerda porque querem. Costa ligou-se à esquerda porque assim o entendeu – ainda antes das eleições que sabia ir perder. Como Lúcider, Costa preferiu reinar no inferno.

  3. lucklucky

    É isto a estratégia do PSD desde que a sua política foi só e apenas: ser o bom aluno.

    Quando é que o PSD chegou ao Governo? foi sempre pelas asneiras do PS – o pântano de Guterres e a bancarrota de Sócrates. Tirando isso nada.

    O PSD nos últimos 22 anos Governou 7.

  4. Caro João Sousa.

    Ná, o Costa preferia aliar-se à direita, como o PS sempre se aliou.

    Não o pôde fazer porque o Passos é demasiado bronco e passou o seu mandato a hostilizar desnecessariamente o PS.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.