Para quando então os “calendários Pingo Doce”?

Um dos principais problemas de alguma academia portuguesa é o auto-deslumbramento e a sensação que têm que só alguns illuminati dominam a vanguarda de um suposto conhecimento, que partilham entre si em ambiente obscuro e reservado. O italiano Nuccio Ordine despertou a minha atenção há uns anos atrás quando ouvi a sua intervenção em Madrid, numa sessão apresentada pelo escritor Fernando Savater. Quem me conhece, sabe que tenho especial interesse pelas questões relacionadas com o ensino clássico, enraizado nas humanidades e na valorização das artes, e que sou crítico daquilo que considero ser uma excessiva focalização num ensino mais técnico, altamente especializado, que limita e muito a mundividência individual e a capacidade crítica.

Tenho de dizer que a sua apresentação e a leitura posterior da obra que a suportava se revelaram uma desilusão. Não porque o livro não seja apelativo, recorrendo a inúmeros exemplos e citações, mas porque os fundamentos me pareceram muito confusos, encaminhando-se para uma série de fórmulas simplistas que, reconheço, são perfeitas para agradar aos que se satisfazem com argumentos maniqueístas assentes na lógica dos contrários, ou raciocínios do tipo dialético ou binário. Por exemplo, apresentam-se os fenómenos de troca como se eles próprios não acrescentassem valor, para depois dar nota que o conhecimento e o ensino são o único investimento onde a transmissão de saber não se faz à custa do esvaziamento do outro – argumento em si próprio completamente utilitarista, que é a base da sua crítica ao famigerado “lucro”. Critica-se o utilitarismo, para depois se defender a utilidade de outras fórmulas de saber, espartilhando de forma selectiva o pensamento de vários autores, como forma de legitimar, name dropping, uma suposta tese.

Como tive oportunidade de escrever, algures num mural perdido no Facebook, a minha desilusão resulta da discordância em relação ao modo como Ordine apresenta a ideia de “lucro”, associado-a apenas a uma visão utilitarista, e negando a sua dimensão moral. Do mesmo modo que vejo com simpatia a apologia de certas fórmulas do conhecimento – que eu cultivo e considero valiosas para a formação da pessoa – discordo da forma antitética como se divide conhecimento “útil” ou “inútil”, sendo o “lucro” a medida da utilidade. Na minha forma de ver as coisas, o simplismo como alguns autores continuam a posicionar o debate em fórmulas do tipo dialético, para alimentarem uma ideia de “bem” e “mal” sanável apenas por via do conflito, há muito deveria ter desaparecido do debate intelectual, pois não têm aderência à realidade: nem o lucro tem uma dimensão meramente utilitária, nem há a priori nenhuma fórmula de conhecimento que não tenha em si um potencial lucrativo e, em simultâneo, usando a escatologia do autor, um intuito lúdico. Tão pouco se compreende porque raio é necessário fazer a apologia da inutilidade para apontar para a utilidade dos saberes clássicos, denegrindo fórmulas válidas e legítimas de conhecimento técnico que são o suporte do estado de bem-estar em que vivemos.

Sou crítico da escolha feita pela FFMS, que considero infeliz. Mas fundamento a minha crítica. Preferiria ver na Fundação debates que apontassem para a dimensão ética do lucro, e para as fórmulas que o desvirtuam; que alertassem para o potencial de criação que existe na cooperação humana e no conhecimento não tecnocrático. Preferia que a visão de sociedades sempre em conflito, em que a Academia é apresentada como uma vanguarda intelectual líder na resistência contra a “barbárie do mercado”, defendida por Ordine, ficasse claramente associada às correntes de extrema-esquerda, não sendo promovida por Fundações que têm um posicionamento de valorização do mercado e da vontade de criar. Gostava, finalmente, de não viver num país onde algumas pessoas se sentem deslumbradas por apresentar, quase em 2018, aquilo que esteve em voga em 2013, despeitando quem já teve oportunidade para se desapontar no tempo certo com fórmulas recicladas de dialéticas intelectuais enterradas no século XX. 

Há um aspeto lateral que constantemente me desilude: o preconceito intelectual. Quando hoje apresentei as minhas reservas ao convite feito pela FFMS a Nuccio Ordine, as respostas que tive do director científico da Fundação, Pedro Magalhães, demonstram um fechamento e um nível de preconceito que são incompatíveis com a função.

Para Pedro Magalhães, o CV de Ordine funciona como argumento de autoridade para refutar as discordâncias de fundo apresentadas, tendo tido a deselegância muito própria de menorizar sem argumentar aquilo que eu possa ou não conhecer do autor – agindo em completo preconceito e sobranceria, de quem se julga num pedestal. A riqueza argumentiva é reforçada com a convicção que tem de que o simples facto de Ordine ter sido convidado pela Fundação Pirelli o defende na sua opção, ao ponto de isso ser usado como argumento. O que me leva a pensar que, lá para o final do ano, talvez venhamos a ser brindados – aí sim, com o meu aplauso – com um “Calendário Pingo Doce”.

Anúncios

3 thoughts on “Para quando então os “calendários Pingo Doce”?

  1. “para depois dar nota que o conhecimento e o ensino são o único investimento onde a transmissão de saber não se faz à custa do esvaziamento do outro”

    Pode-me esclarecer o que quer dizer com esta expressão, por favor? Não conseguir entender. Se não se importasse.. agradecia.

  2. lucklucky

    Bom.

    E o ensino seja ele publico ou o falso privado que temos é que rouba aos alunos com mais capacidades o seu desenvolvimento obrigando-os a irem mais devagar.

    Além de roubar aos contribuintes.

  3. Euro2cent

    > de quem se julga num pedestal

    Diz o dono da caixa de sabão (aka blog) aos prolexas* do komentariat

    (* proletarii com verbo em vez de filhos)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s