O comunismo como doença

O comunismo e o sarampo. Por P. Gonçalo Portocarrero de Almada.

Sem querer meter a foice (e nunca melhor dito!) em seara alheia, temo que o comunismo possa ser em breve reconhecido pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como doença. Em plena silly season, a proposta pode parecer disparatada, mas a verdade é que o comunismo reúne todas as condições das maleitas: tem sintomas específicos, provoca reacções alérgicas, costuma ser incurável, é geneticamente transmissível e terrivelmente mortal.

Anúncios

5 thoughts on “O comunismo como doença

  1. Grande artigo. Temos que nos deixar de mariquices e chamar os bois pelos nomes. O comunismo é uma merda apesar da simpatia que os jornalistas e restante malta progressista nutre por essa ideologia assassina. Só produz fome, miséria, perseguições e morte e só se consegue implantar pela força das armas. É atirar-lhes constantemente à cara essas verdade que eles começam a perde o pio. Já chega de paninhos quentes. Estamos no sec XXI.

  2. Expatriado

    Não é uma doença. É UMA PRAGA que durante as últimas quatro décadas contaminou os currículos escolares/académicos e a media, com especial apetência para as TVs (o visual somado ao tom de voz…).

    As pragas eliminam-se!!!

  3. Stalenin

    Como sempre, aí está a extrema direita radical d’O Insurgente/Observador a destilar o seu veneno. É incrível como, após tantos anos, ainda não reconhecem a superioridade moral dos Comunistas! Mais incrível ainda é ver V. Exas afirmar que o Comunismo é “o cancro da democracia” sem perceberem que só no Comunismo há Democracia. O que me consola é que o horizonte é vermelho, como Marx, Engels, Lenine e Estaline demonstraram à saciedade.

    Entretanto, considerem a minha proposta: formem uma comunidade isolada do resto deste Portugal que dizem estar doente (talvez ali para as bandas de Fátima) e chamem-lhe… sei lá… Anarcocapitalistão. Tenho a certeza que muito rapidamente será um caso de sucesso, “democracia”, “liberdade” e “paz”. Todos ficávamos a ganhar. Pensem nisso!
    Boas férias.

    Stalenin

  4. Gaius Octavius

    Artigo do mais reaccionário que pode haver numa democracia de Esquerda progressista e humanista como a nossa.

    E o pior é que ainda há gente que partilha deste anti-comunismo primário e destas ideias retrógradas do século passado! Já estava na altura de esta gente abandonar esses ideais tacanhos de há 50 anos e adoptar uma ideologia mais moderna, como o comunismo, que só tem 170 anos.

    O padreca diz que o comunismo é “geneticamente transmissível”. Afirmação mais primariamente reaccionária e pseudo-científica que esta não é possível. Será que o padreca não sabe que os tais “genes”, tal como Lysenko demonstrou, não existem? A genética é uma pseudo-ciência burguesa criada com o intuito de conferir uma justificação aparentemente científica ao domínio das classes exploradores sobre as classes exploradas, pois ao atribuir, falsamente, ao comportamento humano, a traços de personalidade e à inteligência um carácter biologicamente determinado, a burguesia legitimou assim, aos olhos do proletariado, o estatuto deste como seu subalterno “natural”, biologicamente determinado, face ao seu estatuto de elite opressora, destinada, pelas “leis da natureza” a oprimir e explorar o proletariado.

    Se a hegemonia das classes exploradores estivesse biologicamente determinada, assim como a subalternidade das classes exploradas, então não haveria nada que se pudesse fazer para alterar esta situação. Alguém consegue imaginar algo mais reaccionário do que isto?

    Se pesquisarem um pouco verão que esta (pseudo) ciência nasceu poucos anos depois da publicação do Manifesto Comunista, onde Marx (PBUH) revelava ao mundo a Verdade acerca da dinâmica do progresso histórico. Então a burguesia, ao aperceber-se que a sua queda era inevitável, procurou reagir e incumbiu o tal Mendel (um padreca tal este este Portocarrero, não é coincidência…) de inventar de uma “ciência” capaz, pela sua autoridade pretensamente científica, de legitimar o estatuto da burguesia enquanto classe exploradora: “nós burgueses somos os vossos superiores e a nossa superioridade é biologicamente determinada, tal como a vossa inferioridade, e por isso só vos resta resignarem-se ao vosso estatuto subalterno e aceitarem-nos enquanto vossos naturais dirigentes”.

    Mas estas mentiras (bem como os seus propaladores) a que a burguesia se agarra para adiar a sua inevitável destruição serão impiedosamente remetidos ao caixote do lixo da História no apocalipse revolucionário que se avizinha.

  5. Caro Gaius,

    Ri-me muito com o seu sarcástico comentário. O pessoal que lê este blogue é que, na sua maioria, não o entendeu.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s