Centralismo, mentiras e spin – A Telenovela da Agência Europeia do Medicamento

Comecemos pelo meio da história. A 29 de Abril, Álvaro Almeida, especialista em economia da saúde e candidato à Câmara Municipal do Porto, fez notar na sua página do Facebook que o governo tinha decidido candidatar Lisboa à Agência Europeia do Medicamento sem nunca ter ponderado a possibilidade de candidatar o Porto.

Ninguém presta muita atenção ao assunto e o próprio não voltaria a pegar no tema durante algum tempo (cinco dias depois foi referido aqui no Insurgente). A 15 de Maio, a propósito da realização do festival da Eurovisão, Rui Moreira toca no tema pela primeira vez. No princípio de Junho mais alguns comentadores juntam-se ao coro de protestos e é aqui que começa a parte engraçada.

1 de Junho: a presidente do Infarmed, situado em Lisboa, afirma que apenas Lisboa pode receber a Agência Europeia do Medicamento porque é necessária “infra-estrutura hoteleira enorme, um aeroporto com capacidade, escolas, jardins-de-infância de língua estrangeira”

7 de Junho: Augusto Santos Silva diz que “Dos estudos que realizámos e da ponderação que fizemos das nossas vantagens face aos concorrentes entendemos que Lisboa era a localização que oferecia mais condições” e que “a eventual relocalização da Agência Europeia do Medicamento em Lisboa terá benefícios para todo o país”

8 de Junho: Rui Moreira exige ver os tais estudos

13 de Junho: De acordo com todos os jornais, António Costa escolhe Lisboa para captar agência do medicamento apontando como razões “a existência de Escola Europeia, que só Lisboa poderá vir a ter” e pela “conveniência da proximidade do Infarmed”.

15 de Junho: As fracas justificações redobram os protestos expõem cada vez mais a mentira de que teria havido estudos. Desesperado, o PS decide utilizar a Lusa e o Diário de Notícias para lançar o spin: Costa sempre tinha preferido o Porto, mas depois da visita à actual sede a Londres tinha mudado de opinião. De acordo com a “fonte do governo” do Público “Foi explicado ao primeiro-ministro que Lisboa oferecia melhores garantias de segurança do que o Porto e que a opção pela capital portuguesa era a única que reunia condições mínimas de êxito da candidatura”
E é aqui que vale a pena voltar atrás ao dia 10 de Fevereiro, quando a decisão ainda estava a ser tomada. Nessa altura, a Renascença noticiava a tal visita a Londres que Costa falava. Noticia a Renascença antes da visita que “O Governo anunciou que está disponível para acolher a Agência Europeia do Medicamento, actualmente localizada no Reino Unido, e vai enviar segunda-feira a Londres o ministro da Saúde para a realização de uma visita àquele organismo.(…)Convictos de que Lisboa é a cidade mais adequada para esta relocalização, o Governo português irá transmitir os méritos da capital portuguesa e assegurar o empenho nacional”

17 de Junho (sim, dois dias depois!): Depois de garantir que havia estudos que declaravam Lisboa como a melhor opção, governo reabre o processo de candidatura à Agência do Medicamento

22 de Junho: Cinco dias depois começa-se a perceber a generosidade. Sai num jornal alemão o rumor de que a nova sede da Agência do Medicamento já tinha sido escolhida: Lille. Qualquer que fosse a cidade portuguesa candidata, a candidatura estaria perdida.

13 de Julho: Depois de ter garantido que só Lisboa poderia receber a Agência do Medicamento pela proximidade ao Infarmed, que só Lisboa tinha a capacidade aeroportuária, que só Lisboa tinha escolas internacionais e capacidade hoteleira, depois de garantir que havia estudos que apontavam Lisboa como melhor opção, depois de garantir que uma visita à actual sede tinha determinado que só Lisboa poderia receber a Agência Europeia do Medicamento, depois de se tornar claro que Portugal dificilmente teria hipóteses de ganhar o concurso, o governo decidiu que, afinal, a melhor candidatura seria a do Porto. Está completo o golpe de teatro.

Entretanto, faltam menos de 10 meses para o Festival da Eurovisão e a RTP ainda nem sequer lançou o concurso para decidir a cidade que o irá receber.

Anúncios

2 thoughts on “Centralismo, mentiras e spin – A Telenovela da Agência Europeia do Medicamento

  1. JP-A

    O Seguro fartou-se de avisar sobre o caráter e as coisas estão a piorar a olhos vistos, para níveis abaixo do patamar sócrates, gravíssimas, com o país entretido por infatiloides que só agora começam a acordar (já se nota que a comunicação social não consegue mais estancar considerações sobre a aberração) mas que ainda assim andam divertidos com meia dúzia de palavras de Poiares Maduro reproduzidas por Passos Coelho. E a aberração acossada vai tornar-se pior.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s