O final feliz de Pedrógão Grande

Tudo está bem quando acaba bem, a crónica de Alberto Gonçalves no Observador.

(…) O facto é que, apesar de toda a perfeição acima descrita, em Pedrógão Grande morreram, que se saiba, 64 pessoas, além das centenas de feridos, desalojados e desgraçados em geral. Culpados? A tese oficiosa foi evoluindo. Começou por se desconfiar de uma árvore (radicalizada e já devidamente referenciada pelas autoridades). Partiu-se para a crítica à natureza, que nunca, nunca, nunca na História da Terra se manifestara com tamanha violência. Prosseguiu-se com a acusação dos jornais espanhóis que não veneram a competência do dr. Costa e, movidos pela inveja, acham o nosso Estado um atraso e uma vergonha. Finalmente, chegou-se a um consenso, aliás previsível: a culpa é de Pedro Passos Coelho, que confiou num boato, permitiu-se uns comentários sobre eventuais suicidas na região dos incêndios e, para cúmulo, desculpou-se pelo erro.

De súbito, o tipo de gente que passou anos a misturar jovialmente suicídios e “austeridade” esfregou as mãos e aproveitou a deixa. Não é que essa gente precisasse, mas enfim dispunha de um “pretexto”, grotesco que fosse, para ignorar a incúria, a corrupção, a demagogia, a incompetência, o descaramento, a prepotência e o desrespeito dos, digamos, “responsáveis”. Para alívio colectivo, o horror talvez criminoso de Pedrógão Grande expiou-se numa frase infeliz. E, sem surpresas, os seus autores preparam-se para sair impunes: o “focus group” determinou que a popularidade do dr. Costa não sofreu abalos. No fundo, é que importa.

Anúncios

10 thoughts on “O final feliz de Pedrógão Grande

  1. A propósito do almoço Presidente/1º Ministro saiu-me esta reflexão:
    Que durante o repasto estes dois comparsas tenham um momento de lucidez, e de vergonha.
    Acertem de uma maneira excecionalmente decente como acabar com o martírio a que a Senhora MAI está a ser sujeita que até dá pena, e ainda mais revolta.
    A inocente ministra colocada deliberadamente no tabuleiro para saco de pancada não deixa de ser grande vitima quando é posta a funcionar como escudo humana na trágica comédia para proteção de um nauseabundo cadáver politico.
    Se Costa não se disponibilizar a sair pelo próprio pé, o Senhor Presidente tem que assumir mesmo com falta de coragem mas por obrigação ainda que rebuscada, a decisão de o mandar embora.
    A sua função não é animador de pista em cena só na hora de estar com os palhaços para criancinhas.
    Se não conseguem calibrar a coluna ao menos tenham dó gritado, em primeiro lugar deles próprios.

  2. Absolutamente desprezível a atitude de António Costa encomendar uma sondagem de popularidade após Pedrógão Grande. É claro que o homem é um incompetente, começo a crer que ainda mais perigoso que o seu mentor Sócrates.
    Absolutamente desprezíveis as reacções à gaffe de Pedro Passos Coelho, que, ao contrário das gaffes da Geringonça, não matou ninguém e foi o único a fazer o que lhe pareceu certo. Todos os lambe-cús do regime, com Quadros à cabeça, aproveitaram para enfiar a língua um pouco mais fundo na merda.
    Absolutamente inútil a actuação de Marcelo. Primeiro pela sede insaciável de protagonismo, depois a ausência, quando se aquilatou da dimensão da tragédia e das várias desorganizações.
    Absolutamente bafientas as reacções do BE e PCP, culpando os bodes expiatórios mais rançosos para não causar uma crise institucional que neste momento não lhes convém, arda o que arder.
    E agora o roubo de material bélico dos paióis do exército. A incompetência deste governo nem dá tempo para respirar. Somos a chacota da UE, uma e outra vez.
    Por último, a incompetência deste povo – o que é feito deste povo, roubado, esquecido, queimado? Fui ver se havia manifestações marcadas – nada. Acordem, a CGTP não tem o monopólio das manifs, por enquanto.

  3. Manuel Ribeiro

    Gonçalves, como o Trump, vive numa realidade alternativa. Com uma diferença. Trumpo odeia os estrangeiros, Gonçalves odeia toda a gente. 😀 😀

  4. André Miguel

    AB, começa a crer? Sempre avisei que seria muito pior que Sócrates, o qual pelo menos não escondia ao que vinha. Costa Segundo é o vazio, a nulidade, a chico-espertice tuga elevada ao seu esplendor. Quando todos julgamos que pior é impossível temos o PS para provar o contrário. Isto já deixou de ser um país, agora não passa de um lugar mal frequentado…

  5. Manuel Ribeiro

    O André Miguel é o Alberto Gonçalves. Conselho amigo: não trinque a língua.

  6. Manuel Ribeiro

    O André está a precisar de apoio psicológico. André, nada é pior que o Gonçalves. Imagine o que é uma pessoa viver em permanência naquele estado de refluxo. Nos picos de crises, o homem chega a deitar escaravelhos e baratas pela boca. Não deve ser fácil. Anime-se 😀

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s