Os esquilos estão sujeitos a discriminação e racismo

squirrel.jpg
Evidência de um esquilo burguês em processo de acumulação de capital.

Depois do fantástico — sendo que aqui fantástico denota mesmo o sentido estrito — artigo onde o «investigador» propõe que olhemos para os icebergs numa perspectiva feminista; depois de eu próprio ter tido um resumo que se propunha a demonstrar que a calçada portuguesa é machista aceite numa conferência de feminismo pós-colonialista, eis que dei finalmente conta de um qualquer imperativo categórico que me impele a partilhar convosco trabalhos de igual monta.

Assim, estreio n’O Insurgente uma coluna onde disseminarei artigos auto-proclamados «científicos», passe a ignomínia, das gentes que investigam no lastro deixado pela escola de Frankfurt. Estreio-me com When ‘Angelino’ squirrels don’t eat nuts: a feminist posthumanist politics of consumption across southern California, uma análise necessária à forma como os esquilos estão sujeitos ao racismo e discriminação generalizada dos media pela forma como se alimentam.

Abstract
Eastern fox squirrels (Sciurus niger), reddish-brown tree squirrels native to the eastern and southeastern United States, were introduced to and now thrive in suburban/urban California. As a result, many residents in the greater Los Angeles region are grappling with living amongst tree squirrels, particularly because the state’s native western gray squirrel (Sciurus griseus) is less tolerant of human beings and, as a result, has historically been absent from most sections of the greater Los Angeles area. ‘Easties,’ as they are colloquially referred to in the popular press, are willing to feed on trash and have an ‘appetite for everything.’ Given that the shift in tree squirrel demographics is a relatively recent phenomenon, this case presents a unique opportunity to question and re-theorize the ontological given of ‘otherness’ that manifests, in part, through a politics whereby animal food choices ‘[come] to stand in for both compliance and resistance to the dominant forces in [human] culture’. I, therefore, juxtapose feminist posthumanist theories and feminist food studies scholarship to demonstrate how eastern fox squirrels are subjected to gendered, racialized, and speciesist thinking in the popular news media as a result of their feeding/eating practices, their unique and unfixed spatial arrangements in the greater Los Angeles region, and the western, modernist human frame through which humans interpret these actions. I conclude by drawing out the implications of this research for the fields of animal geography and feminist geography.

Publicado na revista Gender, Place & Culture — A Journal of Feminist Geography (Taylor & Francis), e certamente merecedor de todo e qualquer financiamento público que lhe tenha sido atribuído.

Anúncios

8 thoughts on “Os esquilos estão sujeitos a discriminação e racismo

  1. Miguel Silva

    Juro pensei que era a gozar.
    Mesmo quando vi o link estava à espera que o autor fosse o Bel’Miró

  2. manuel lourençop

    Isto está mesmo a precisar duma guerra para o pessoal se passar a preocupar com coisas sérias…

  3. Extraordinário, nunca me tinha dado conta da minha extrema ignorância.
    Quando abri o link pensei que fosse um artigo de opinião, mas não, é um artigo científico. Será que o que aprendi sobre as bases do método científico estão desatualizadas ou isto é o que se pode chamar de produção lero-lero?

  4. Pingback: Malditos geógrafos, que ignoram o seu corpo – O Insurgente

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s