Sobre as viagens de “finalistas”

Finalistas de quê? Por P. Gonçalo Portocarrero de Almada.

O Miguel, nome fictício de outro estudante, corrobora a mesma versão dos acontecimentos, pois afirma que “os estragos foram mínimos”, embora depois esclareça que os desacatos começaram após um incêndio no quarto de uma estudante de Lisboa. De facto, um incêndio num quarto é, precisamente, o que tecnicamente se classifica como estrago mínimo, porque um grande estrago seria um terramoto, um vulcão ou um tsunami e, felizmente, nada disso aconteceu. Honi soit qui mal y pense!

Como consequência dos ditos “estragos mínimos”, o empresário hoteleiro exigiu a caução a que os turbulentos hóspedes lusitanos tinham sido obrigados, em previsão dos possíveis danos. Como explica Miguel, foi essa a gota que fez transbordar o copo: “Aí sim, fizemos estragos no hotel. É verdade. No desenrolar da acção, após nos dizerem que não havia caução. Se nos vão tirar o dinheiro pelos estragos que não fizemos, vamos realmente fazer estragos. E aí os estragos foram feitos …”. Muito educativo, não é? Esta rapaziada, decididamente, promete.

(…) Seria injusto julgar todo o ensino estatal por esta infeliz experiência, que se repete anualmente, ante a indiferença dos pais, dos professores, das escolas públicas e do Ministério da Educação. Anos há, houve já alguma vítima mortal a lamentar mas, provavelmente, vão ser necessárias umas quantas para que o país acorde, finalmente, e ponha termo a este escândalo programado e consentido.

Todos os anos também, na mesma época das férias da Páscoa, milhares de jovens europeus aproveitam para ir a outros países, visitar museus e participar em actividades culturais. Muitas centenas de estudantes liceais espanhóis fazem, há já vários anos, o percurso inverso ao dos finalistas portugueses e rumam em direcção a Fátima, onde passam a semana santa. São alunos de colégios católicos, que dedicam o seu tempo livre a actividades de formação cristã e de solidariedade social, com alguns colegas portugueses, nomeadamente no centro de deficientes profundos da União das Misericórdias Portuguesa. Para além das actividades de natureza religiosa, a cargo dos capelães dos seus colégios, também realizam trabalhos de índole cultural e desportiva: por uma estranha mutação genética, as suas hormonas não os levam a atirar com televisões para banheiras, mas a ajudar os outros, sobretudo os mais necessitados. Se não fossem alunos de colégios privados, que contam com a assistência espiritual de padres da prelatura do Opus Dei, decerto que seriam notícia. Se houvesse mais hormonas, álcool e drogas, a cobertura mediática estaria decerto garantida.

Só há uma coisa que a imprensa, tão prolixa no que se refere às gestas dos estudantes portugueses por terras castelhanas, ainda não logrou explicar: afinal, de que é que são finalistas? Será de criminalidade?

Anúncios

12 thoughts on “Sobre as viagens de “finalistas”

  1. Off topic (mas pouco) : não há dúvida de que o consulado do Bambi feminizou a Espanha, ou parte dela.
    É comparar o tratametno dado a este gado com aquele que, aqui há uns anos, foi propinado ao anacleto do conselho de estado,e respectivos acompanhantes,logo à saída do Rosal.
    E o bípede bem berrava que era deputado…

  2. O que parece é que a caução de 40000 euros dá para muito estrago, daqueles que não permitiria o hotel abrir no dia seguinte. Ainda bem que temos estudantes que sabem fazer contas.

  3. André Miguel, era facílimo ao hotel, na sua página do facebook, por uma série de fotos dos estragos, penso que não o terá feito porque a lista era demasiado curta.
    Quer a história do livro de reclamações, quer a posição do agente de viagens, são indícios que impedem qualquer pessoa imparcial e normal de alinhar pela posição do hotel. Neste blogue há uma má vontade contra os jovens, que já nascem com 800 euros de dívida ás costas, vá-se lá saber porquê.
    Oscar Máximo.

  4. A rapaziada pensa bem e do seu alto escadote de superioridade, não deve ligar peva aos “servos” que estão ao seu dispor. Sair dos quartos a horas decentes para que os “criados” os possam limpar, pois têm horários a cumprir e tarefas programadas? Não! Era o que faltava! Os “escravos”, que não têm currículo para serem finalistas, devem ser amachucados, porque nós, vamos ser os senhores do mundo! Não estamos de acordo com certas regras e a nossa resposta, é partir, incendiar, escrever frases nas paredes, para eles, se souberem ler, saber da nossa revolta. Pelos comentários que ouvimos nas TVs, as empresas organizadoras, as comissões de pais, os zelosos encarregados de educação, estão contra o hotel e a favor das criancinhas. Espero que muitos deles, em breve, estejam a mandar neste país. Quero finalizar com mais uma bacorada que é um lugar comum, “A esperança deve ser a última a morrer”.

  5. mariofig

    1. No entanto o André Miguel e o Manuel Vaz levantam um ponto importante que não pode ser descartado, precisamente neste clima em que vivemos de construção e mentiras mediáticas.

    2. Bem dito, Joaquim Tapadinhas. O problema começa logo pelo culto à manif que temos observado a crescer de uma forma alarmante pelo mundo ocidental. Este culto que vai fazendo crescer cada vez mais o “legitimo direito” ao vandalismo e pilhagem enquanto vai elevando a narrativa de que os pobres vândalos são as vitimas, enquanto que os donos das lojas destruídas e assaltadas ou dos carros queimados não existem como parte de todo o evento, como se aquela propriedade e aqueles bens existissem no absoluto vazio. Razão pela qual fica depois fácil nos nossos tempos desculpar, retirar valor e normalizar actos como os destes estudantes, se eles realmente existiram.

  6. Dervich

    Eis um raro caso em que, nos últimos anos, estou em total concordância com o Miguel Sousa Tavares:

    – Nesta história, entre pais, alunos, hotel e agência de viagens, não tenho pena de ninguém.

  7. André Miguel

    “Neste blogue há uma má vontade contra os jovens”

    Nao é por isso, é que liberal rima com falar mal. E não há nada que o tuga mais goste do que malhar nos seus pares. Questionar e duvidar para ter certezas?! Que é isso?!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s