O regresso às origens nos EUA

Com Trump, vamos dar graças à democracia que passa pela separação dos poderes. Com Trump, ainda bem que há Congresso e tribunais. O meu artigo no ‘i’.

O regresso às origens nos EUA

Com Trump na presidência, são muitos os que esperam que o congresso e os tribunais equilibrem a influência do presidente norte-americano. E esperam bem, porque Trump defende políticas desastrosas, como o proteccionismo, que boa parte da esquerda entre nós também advoga.

Infelizmente, não tem sido sempre assim. Nos últimos anos, os presidentes têm sido vistos como seres iluminados que deviam vencer a cegueira dos congressistas para que os EUA evoluíssem. Com Obama, esta tendência chegou mesmo a assumir contornos graves, com o presidente a ser encarado como um novo Messias libertador contra os poderes instalados em Washington. Um pouco como Trump, mas com mais souplesse.

A centralização do poder na pessoa do presidente foi um processo longo, com Andrew Jackson, Lincoln, Teddy Roosevelt, Wilson e FDR a darem o mote. E se antes eram poucos os que, na senda de George Washington, não repetiam o mandato, no pós-guerra só se ficaram por quatro anos os que ou morreram ou foram desastrosos.

Com Trump podemos assistir ao reconhecimento, por parte da população, de como a separação de poderes é importante; que um Congresso forte que reprime decisões não é uma falha da democracia, mas a sua força; e que os tribunais devem exercer devidamente as suas funções. Quem sabe não assistimos a um regresso às origens do sistema norte-americano. Recordar como é importante desconfiar do homem providencial, e restringir, na medida do possível, os poderes do presidente, pode vir a ser o legado de Trump.

Advertisements

4 thoughts on “O regresso às origens nos EUA

  1. Euro2cent

    É extraordinário como os publicitários têm mau perder.

    Andam há mais de um ano a inquinar os crédulos, que por esta altura do campeonato já não dizem coisa com coisa, de tão intoxicados que andam. Parecem drogados.

    Deve ser uma experiência científica, tipo aquela do kool-aid da Guiana.

  2. A.R

    Como pode haver separação de poderes se uma executive order do Presidente eleito é bloqueada por 18 de 21 juízes, nenhum deles eleito, sendo estes 18 juízes nomeados pelo partido democrata (um partido com raízes no esclavagismo, do KuKluxKlan e de Margareth Sanger que advogava o extermínio dos negros)?

  3. A.R

    Schlafly wrote, “The cancer of judicial supremacy will not go away until the American people rise up and repudiate it. It’s time for the American people to notify their elected representatives, federal and state, that it is their mission to restore the Constitution with its proper balance among the three branches of the federal government. We must save self government from the rule of judges. The whole future of America depends on it.”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s