Francisco Seixas da Costa, o Trump português

Eu, sem saber como, sempre tive um certo iman para os maluquinhos da net. Por estes dias aparentemente tenho um novo observador bilioso. No meu texto da semana passada no Observador, contei o miserável tratamento que Guterres deu ao seu ministro das finanças, Pina Moura, publicamente despedido enquanto estava na AR a defender o orçamento retificativo de 2001. Logo veio Seixas da Costa comentar, dizendo mais ou menos que eu era uma ignoramus e contava a aldrabice que eu confundira Pina Moura com Manuela Arcanjo. Não sei se a aldrabice se deve a alzheimer precoce ou a gosto pela mentira (ou outro motivo igualmente pouco edificante), mas o certo é que Seixas da Costa não resistiu a contar a dita aldrabice com aquele ar sobranceiro de quem dá lições paternalistas a uma mulherzinha, coitada, e que os machistas tantas vezes adotam.

Entretanto voltou à carga. Ficou zangado com Vasco Pulido Valente porque este não ficou de coração pleno de harmonia universal, nem marcou a correr viagem para o Nepal para quatro meses de meditação celebratória, com o novo emprego de Guterres. Zangou-se também com um cronista que escreve na Sábado e no DN, Alberto Gonçalves of course, a quem acusa de azia – sem perceber que fala de uma qualidade que é afinal sua. E, ainda, com uma ‘uma caixadóculos direitolas de taxa arreganhada’.

Não faço ideia se a direitolas caixa de óculos é a yours truly, e se for até fico feliz de causar irritação na personagenzinha, que há estirpes de pessoas que eu gosto de irritar. Melhor ainda se irrito por ser sorridente. Percebo que Seixas da Costa prefira o ar macambúzio e sério de quem acha que está a salvar o mundo durante todos os minutos que passa acordado, ou a circunspeção sisuda de quem não pode falhar na missão que Marx lhe comunicou durante os seus sonhos mais deliciosos – tudo coisas que se encontram em abundância na esquerda. Prefere também certamente o riso risível a que se entrega ao ler factos indisputáveis das tropelias de Guterres.

Em todo o caso, sobre Seixas da Costa não me interessa muito falar. Se quiserem, podem ir ler o José Meireles Graça reduzir a picadinho a gelatina Seixas da Costa. Mas há um ponto importante. É que só para a cronista feminina a gelatina refere uma característica física: a necessidade de usar óculos. (E, no meu caso – ou no de outra mulher -, o gosto, como percebe qualquer pessoa pensante, porque se não me achasse piada de óculos não os usaria. Donde, concluiria uma pessoa pensante, dizer que eu uso óculos não é algo que me perturbe.) Claro que a seguir, como é sonso de mais (e gelatina) para assumir que queria reduzir a dita cronista à sua característica física de caixa de óculos – sendo que aos cronistas masculinos (oh surpresa) não calhou fazer elaborações fisiológicas – veio acusar outros de falta de sentido de humor. E declarar-se utilizador de óculos.

Ora bem, tendo nos últimos dias (e meses) a criatura Trump sistematicamente feito comentários sobre o físico das mulheres que lhe fazem chegar a pimenta ao nariz, parece-me que é hora de expormos as criaturas malcriadas, trogloditas e machistas a quem salta logo o comentário às características físicas das mulheres que ousam estar no espaço público. Comigo, além do recente bilioso, aconteceu há pouco tempo com o Quadros. Recentemente uma amiga de facebook – que conheço pessoalmente e é bem gira – lá levou com avaliação física by Alfredo Barroso, no meio de uma disputa facebuquiana. (Ah, e que mulher portuguesa não anseia por saber a avaliação que dela fazem portentos de beleza como os todos aqui referidos, de Trump a Barroso?)

O que tem mais piada nisto tudo é que este género de comentários é sempre feito por homens que estão mais para o lado de Quasimodo que para o de Adónis. Até me parece que é uma vingança contra o mundo que porventura já lhes trouxe umas tantas tampas de mulheres. No fundo, estão a acertar contas. Pelo que, além de lhes darmos os epítetos (de australopitecos) merecidos, devemos também informá-los que se tornam ainda mais ridículos, sobretudo junto do mulherio.

Quanto a Seixas da Costa, só me resta repetir o que disse no twitter, depois de ser insultada pela elegante gelatina (tão gelatina quanto o ídolo Guterres): o chá que se bebe em adulto nas embaixadas é demasiado tardio para ainda ter benefícios naquilo que importa. E cumprimentos dos meus óculos. Não são os que eu uso normalmente. Comprei-os para os dias de mood anos 50. Mesmo sendo os óculos dos dias fancy, têm mais gravitas que a pomposidade possidónia do reverendíssimo senhor embaixador. Ah, e olhe que o Gambrinus (onde eu por acaso ia muito com certas pessoas próximas que felizmente já não são) é, como diz o meu filho mais velho, muito século passado. Do tempo em que os homenzinhos podiam (tentar) reduzir a discussão das opiniões proferidas pelas mulheres a graçolas sobre as suas características físicas – e escapar.

image

Aaaaah, esqueci-me. Obrigada, reverendíssimo embaixador, por me agrupar com dois cronistas como VPV e Alberto Gonçalves. Raras vezes recebi tamanho elogio ao que escrevo.

12 pensamentos sobre “Francisco Seixas da Costa, o Trump português

  1. Nunca gostei de comportamentos semelhantes a Pôncio Pilatos. Mas não há dúvida que Cavaco, ao transformar o Estado em insustentável, num país onde a despesa se revela, em condições habituais, impossível de descer, desculpou em parte todos os que se seguiram, incluindo Guterres e á exceção do alucinado Sócrates. A ação de Cavaco foi tanto mais perniciosa que o desiquilibrio introduzido não transpareceu imediatamente (leia-se, não obrigou a medidas imediatas), á custa de muitos fundos estruturais, as maiores remessas dos emigrantes e gasolina muito baixa.

  2. FilipeBS

    Espremi, espremi e espremi o mais que pude este texto mas não saiu nada… Tenho notado que os textos da Maria, na sua maioria, apenas depreciam o valor deste excelente blogue.

  3. Ó Maria João, não crie moinhos de vento por causa de um comentário menos feliz do Seixas da Costa.
    Se o conhecer pessoalmente ou ler o seu blogue pode confirmar que a comparação com o Trump é totalmente despropositada.
    Todos, incluindo você, temos por vezes momentos em que disparatamos… nessas alturas é melhor esperar que o passar do tempo nos acalme.
    O Seixas da Costa é uma das pessoas de esquerda menos dogmática que conheço e é pena ver dois comentadores com a vossa qualidade entrarem neste nível de controvérsia.
    Just cool off…

  4. Excelente texto.
    Retrato fiel daquele caixa de óculos que não merece uma, pelo seu oportunismo e nediocridade, uma única palavra.
    É pura perda de tempo.
    A criatura não merece um minuto do nosso tempo.

  5. Manuel Assis Teixeira

    O Dr Marques Mendes sempre politicamente correcto tentando conquistar o eleitorado de centro esquerda, bajula o Seixas da Costa um personagem que por ter sido embaixador está sempre com ar que nos pode dar liçoes do alto do seu palaciozinho das necessidades onde ainda julga estar a perorar ! Basta ver o ar com que fala na televisão ! É isso Maria João! O reverendissimo embaixador! É isso mesmo!

  6. Se bem entendi, o caixa d’óculos do Chico Seixas da Costa acha que mais ninguém pode ser caixa d’óculos?
    Não há pachorra para a inveja e egoísmo destes fanáticos de esquerda.

  7. Manuel Vaz, a sua lógica de desculpabilização do Guterres e Sócrates é infantil.

    Seguindo a sua lógica: se eu o matar a si (Manuel Vaz) com um tiro na cabeça sou desculpado, porque antes de mim já o João Pedro Dias (o assassino de Aguiar da Beira) matou 2 pessoas a tiro.

    Como é óbvio, para qualquer adulto minimamente inteligente, a responsabilidade do Cavaco não retira, nem anula, as responsabilidade de Guterres e Sócrates.

  8. A Maria João Marques que se cuide: o ex-MES Seixas da Costa – agora proeminente usufrutuário das ‘Mordomias’ e ‘Sinecuras’ da Esquerda Caviar (a defesa da Classe Operária foi-se…) – poderá acusá-la de propalar insídias aos membros da ‘Nomenklatura’!…

    Não é por acaso que Seixas é um defensor acérrimo da ‘transparência total nas redes sociais, acabando com o anonimato”… Um Embaixador é um Embaixador – tal como um Dux é um Dux…

    Informação a relembrar…:
    https://oinsurgente.org/2015/11/25/true-colors/#comment-299200
    https://blasfemias.net/2015/11/22/estar-no-lado-inconveniente-da-historia/#comment-1944137

    É só ‘Duques’ e ‘Dux’s’ neste Sítio/Protectorado da Europa que um dia foi um País…

    No Século XIX o Povo motejava…:
    – Foge cão, que te fazem Barão
    – Mas para onde, se me fazem Visconde!…

    Nada de novo no Reino da Dinamarca…

  9. Com o devido respeito para os restantes bons cronistas um grande aplauso para o Alberto Gonçalvesdo qual era leitor incondicional e que agora rreforço por fazer zangar o chiquinho.

  10. O blog desse senhor é pouco democrático. Recordo-me de uma vez ter tentado publicar um comentário sem sucesso. Julgo que o tema era esse senhor elogiar o criminoso do mortágua

  11. O homem está bem descrito na wikipédia e no seu blog.
    Dizem, reforço que só dizem, que aquilo se chamava M dos N traseiros.

  12. Euro2cent

    > a comparação com o Trump é totalmente despropositada.

    Também me parecia.

    Aquilo ali nas Necessidades não entra homem, pois não?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.