Como está a cotação dos CDS?

Um bom indicador sobre as notações atribuídas pelas agências de rating à dívida pública portuguesa são os credit default swaps (CDS). Assim foi em 2010/2011, antes do pedido de resgate.Costa

Face à recente evolução das yields e a proximidade da reavaliação de risco pela única agência que mantém a notação acima de “lixo” (DBRS comunica decisão no final de Abril), julgo ser importante conhecermos como estão a ser transaccionadas os CDS das obrigações portuguesas (fonte Deutsche Bank Research):

CDS_PT_SP_IT_DBResearch

Convém relembrar que, se DBRS baixar a notação da dívida portuguesa, além dos bancos nacionais não poderem mais apresentar esses títulos no BCE como colateral também esta instituição deixa de os poder comprar no mercado secundário. Receita para novo pedido de resgate.

6 pensamentos sobre “Como está a cotação dos CDS?

  1. JP-A

    Para quem não reparou, as trapalhadas sucedem-se como na campanha eleitoral. Primeiro uma por semana, depois uma por dia, e agora é quase à hora. É ver o que um ministro vai dizer ao estrangeiro sobre a TAP e comparar com o que diz o senhor dos olhos azuis no parlamento sobre tudo o que não sejam rotas. A campanha de despejo da culpa para cima da Europa está em marcha.

  2. JS

    A. Costa e Associados apenas está pragmaticamente a tirar partido, enquanto poderem, de uma situação, das circunstâncias. Chamem-lhe negociar ou qualquer outra coisa.
    É sempre a sede do poder.

    A “Moeda Única” foi um bluff que “alguém” fez a “alguém”.
    Alguém persuadiu, alguém aceitou. Um erro cuja correção vai ser mandatória e nada fácil.

    Nada impedia “alguém” de criar uma ou muitas moedas a seu gosto. Boa sorte.
    Já outra questão foi o obrigar as Nações soberanas da Europa a entrar EM EXCLUSIVIDADE nessa moeda única.

    Nada deveria ter impedido, tal como no Reino Unido, as Nações Europeias de manter as suas moedas, administrar !!! à sua escala e exclusiva responsabilidade !!! a sua economia e finanças. O resto seriam as usuais operações cambias.
    Porquê a exclusividade, a moeda “única” ?. Agora percebe-se porquê.

    O espartilho da exclusividade, imposto às ex-soberanias, às ex-democracias europeias, permitiu individamentos astronómicos por governos venais e corrutos.

    Seriam possíveis semelhantes desporpocionados, discutíveis empréstimos e respectivos CDS com Moedas, Bancos, Orçamentos de Estado na moeda nacional e no caso português, com uma genuína Assembleia da República?.

    No centro da “Europa” já se fala em reorganizar a casa.
    Brevemente será “every man for himself”. A. Costa certamente que sobreviverá.

  3. Pingback: Bancarrota do Estado é inevitável | O Insurgente

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.