“Governo da iniciativa do PS”

Suportar Nunca a expressão “suportar o Governo” foi tão apropriada como o é a propósito do “governo da iniciativa do PS” que parece estar prestes a vir a ser – literalmente – suportado por BE e PCP.

10 pensamentos sobre ““Governo da iniciativa do PS”

  1. maria

    E quem suportou o governo durante estes últimos anos? Tu/vós não suportastes; e os cerca de 60% que não votaram PAFeeeeeeeeeeee?

  2. Gonçalo

    Está tudo visto. Há acordo (em desalojar a coligação do governo) mas pouco ou nada mais. As muletas do PS não se comprometem no governo e só discutiram as matérias em que estão ou conseguiram chegar a acordo. Tudo o resto (e é muito e estrutural) “não existe”.
    Do meu ponto de vista há condições para dar como insuficientes as garantias que serão apresentadas ao Presidente. Ou vão todos (os três) para o governo assumindo a responsabilidade por tudo o que se vier a passar depois ou nada feito.
    Para além de tudo isto, nem há qualquer acordo entre CDU e BE. Como se pode chamar de estável a uma coisa destas?
    Claro que Costa vai entregar o que tem e dizer que há condições. E passa a decisão para Cavaco. Cavaco deverá exigir como ponto fundamental a participação efetiva de todos os 3 partidos no governo. Pois sem responsabilidade e acordo a três não há quaisquer garantias de estabilidade.
    Havendo um Governo de gestão de iniciativa presidencial, a bola passa de novo para a Assembleia. E o país fica em gestão, sob duodécimos, até que venha novo Presidente.
    Se os três partidos de esquerda assumirem a sua presença no Governo frentista (e assim Cavaco livra-se das acusações de menosprezar a esquerda estremistas) então teríamos governo. Que assumiria, maioritáriamente, a três, a responsabilidade pela governação, através do seu suporte parlamentar. Governo minoritário por governo minoritário, ficaria, mesmo que em gestão, o que ganhou as eleições.

  3. JS

    Hipótese por hipótese … após a derrota na AR de PPC, este retira-se com um incontido sorriso nos lábios.
    O PR apresenta uma L. Pintassilgo MKII. Que fará os seus 100 dias…. + 100

    O PR actualmente está sem poder de fiscalizar acordos, pelo que não os poderá aceitar.

    Entretanto o próximo PR que se amanhe.

  4. oscar maximo

    Cavaco podia demitir-se e provocar a antecipação das eleições presidenciais, e aconselhar o voto em quem promete devolver a palavra aos cidadãos, mas era preciso te-los no sítio.

  5. Georgina Santos Monteiro

    Meus caros amigos. 😉

    Quem não vota, também vota. Outra coisa o sistema actual não permite. É lógico e triste.

  6. Pingback: Que um erro não se transforme em três | O Insurgente

  7. Pingback: As manifestamente exageradas notícias da morte do “voto útil” – O Insurgente

  8. Pingback: O Governo da vaca voadora – O Insurgente

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.