Reflexão eleitoral

800

Não sei o que lhe terá passado pela cabeça. O destino era incerto, a contestação garantida. Discordemos de tudo, mas algo era inelutável — quem nesse momento pegasse no país para o tentar reerguer, aplicando um duro plano de assistência financeira com severas implicações económicas e sociais, iria ser atacado, vilipendiado, contestado e ameaçado. Era inexorável. Estávamos a 6 de Junho de 2011, um dia após as eleições.

E assim foi. Nestes quatro anos foram aplicadas as tais medidas duras e impopulares, que lhe minariam o caminho, e que tocariam a todos. A todos, quase sem excepção. Aos visados, aos fustigados, mas também aos comentadores e aos avençados. Não faltaram ressabiados e dois arrimados em pendant — ah!, rima. Medidas inevitáveis. Poucas ou nenhumas davam votos. Quase todas tiravam. Todos sabiam isso. E por isso alguns adiaram a sua candidatura à liderança do partido, à espera de tempos melhores. Todos prometiam caminhos fáceis, uma via de facilidades, mesmo com o país a raiar a bancarrota. Quase todos. Mas não todos. Outros caminhavam, por entre contestações, movidos, mas não demovidos.

Não foi tudo perfeito, porque nunca será. Nunca é. E, no entanto, não sendo perfeito, algo está melhor. Bastante melhor. Do que é possível ser melhor. Ainda há pouco mais de quatro anos o país era, uma vez mais, resgatado. Perfeito? Não. Melhor? Sim.

Este artigo foi escrito há vários dias atrás. Quatro anos depois desse dia. Continuo a não saber o que lhe passou pela cabeça. Mas agradeço-lhe. A ele e a todos os que por entre tantas adversidades seguraram nisto e fizeram o que tinha de ser feito. O fácil era assistir de fora à cata do momento oportuno. O fácil era atirar a toalha ao chão perante as primeiras dificuldades. O fácil era não ser contestado e não ser vaiado. O fácil era não fazer nada. Isso era o mais fácil. O difícil era fazer o que tinha de ser feito.

E também seria mais fácil para mim, para todos, não verbalizarmos nada disto. Quando vemos muita gente a correr para um lado, correr para o lado oposto pode ser perigoso. Excepto neste caso. Neste caso é um imperativo de consciência. Imperativo de consciência. Talvez tenha sido isso que lhe passou pela cabeça. Não sei. Mas sei em quem votarei.

6 pensamentos sobre “Reflexão eleitoral

  1. ecozeus

    Apesar de ter pago e de ainda estar a pagar, pelo menos para mim, uma parte significativa da factura, só tenho que agradecer a quem aguentou o barco e o conseguiu colocar no rumo certo!
    Não estamos livres das tormentas, mas estamos mais prevenidos para não cair na tentação de optar por rotas perigosas.
    Sendo assim, eu sei bem em quem vou votar!

  2. Comuna de Direita

    Em 2011 Paços Coelho era um carreirista da escola dos jotas apadrinhado pelo A. Correia. Obra pessoal ou profissional… nula, obra politica Só a da JSD e pouco abonatória… era uma grande incógnita… mas entre o vigarista 44 e Passos Coelho a dúvida desfazia-se. Hoje não tenho dúvidas. Nestes 4 anos Passos Coelho errou como qualquer politico ou humano erra, mas dadas as circunstâncias em que governou estendo-lhe a passadeira vermelha por ter aguentado o barco quando este metia água, água esta muitas vezes bombeada pela sua tripulação… e em 40 anos de democracia terá sido talvez o melhor PM que alguma vez tivemos, e podem berrar à esquerda ou ainda mais à esquerda, mas esta é a verdade e os canhotos no seu intimo reconhecem-na. Venham mais 4 anos para continuarmos a provar na Europa que muitas vezes nos menospreza, de que somos capazes de ser bons, ou melhores que os nossos pares. Que a nossa verdadeira alma está em não sermos rebeldes Gregos inconsequentes mas em enfrentarmos os problemas com coragem e trabalho.

  3. Fernando S

    Mario Amorim Lopes :
    “A ele e a todos os que por entre tantas adversidades seguraram nisto e fizeram o que tinha de ser feito. O fácil era assistir de fora à cata do momento oportuno. O fácil era atirar a toalha ao chão perante as primeiras dificuldades. O fácil era não ser contestado e não ser vaiado. O fácil era não fazer nada. Isso era o mais fácil. O difícil era fazer o que tinha de ser feito.”

    “sei em quem votarei.”

    Também eu ! 🙂

  4. Fernando S

    Comuna de Direita :
    “Nestes 4 anos Passos Coelho errou como qualquer politico ou humano erra, mas dadas as circunstâncias em que governou estendo-lhe a passadeira vermelha por ter aguentado o barco quando este metia água, água esta muitas vezes bombeada pela sua tripulação… e em 40 anos de democracia terá sido talvez o melhor PM que alguma vez tivemos …”

    Bem visto !
    Durantes estes 4 anos de politicas duras e impopulares muitos criticaram, outros duvidaram, alguns encolheram-se e ficaram silenciosos.
    Mas hoje são muitos (uma maioria ?) aqueles que percebem que o que foi feito era o que tinha de ser feito e que, o que é importante, mostram a cara, dizem-no, assumen-no, e vão votar na coligação e no PM que tirou o pais do buraco e que melhor o podem governar nos proximos anos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.