O Que É O Syriza?

MatiasTsiprasCom tantas cambalhotas políticas é difícil definir o que é e onde se posiciona e o que representa hoje o Syriza – a coligação da esquerda radical Grega. O herói-salvador-de-esquerda primeiro-ministro Alexis Tsipras prepara-se para aplicar cortes de 11% nas pensões acima de mil euros assim como impor tectos aos pagamentos das mesmas (fonte).

“The government’s alternative plan for pensions foresees an average cut of more than 11 percent on monthly payments that exceed 1,000 euros, along with the radical reform of the social security system. This will be Athens’s attempt at preventing the country’s creditors from applying in full the tough measures included in the third bailout agreement.

The plan also includes the imposition of a ceiling close to 2,000 euros on the monthly sum of pensions paid to a recipient, from 2,350 currently per Social Security Foundation (IKA) recipient, 2,774 euros in special funds and 3,360 euros to those receiving two pensions.”

Opção ideológica ou um encontro com a realidade?

Leitura ComplementarCatarina Martins: gregos disseram “não” aos partidos da ‘troika

11 pensamentos sobre “O Que É O Syriza?

  1. O Syriza é um conjunto de “neo-ultra-liberais” disfarçados de esquerda. Um verdadeiro esquerdista faria tremer as pernas dos banqueiros alemães e franceses.

  2. Fernão Magalhães

    O Syriza é o masi uma vez o resultado do acabar do dinheiro dos outros… que só resiste dada a cultura instalada de ataque à propriedade privada e liberdade individual baseada num altruismo hipócrita (tipo o Papa Francisco)… e como dizia Andrew Breitbart é a cultura que define a politica e não o contrário… portanto fenomenos Syriza não é o primeiro e infelizmente não será o ultimo…

  3. Slint

    Sim porque todos nós sabemos como na direita e na extrema direita são todos amantes das liberdades individuais.
    Declaram guerra às drogas(quem é o estado para dizer aquilo que eu posso ou não meter no meu corpo? Quem é o estado para declarar que a cultura de certas plantas é ilegal?), não querem aborto, não querem eutanasia, não querem democracia directa. Impingem euro, impingem UE.

  4. Baptista da Silva

    O Syriza é apenas o PASOK com outro nome, o eleitorado do “PS” lá da terra vota no Syriza, apenas porque a metamorfose deu-se após os primeiros 6 meses de governação, quando chocaram contra a parede.

  5. Gil

    Concordo com o Baptista da Silva: o Syriza é o resultado do descontentamento com o PASOK (na sua esmagadora maioria), com alguns elementos da extrema-esquerda (que, segundo consta, estão de saída). Não é muito diferente do que se passou com outros partidos socialistas pró “3ª via” e que encontramos na estratégia de organizações portuguesas como o Livre.

  6. Fernão Magalhães

    Slint:
    > Quem é o estado para declarar que a cultura de certas plantas é ilegal?
    Quem é o estado para retirar à força o rendimento (i.e. tempo e liberdade) de um cidadão que não se droga para pagar serviços de saude relacionados com a droga de outros?

    > não querem aborto
    Quem é o estado para retirar à força o rendimento de um cidadão para pagar abortos de outros?
    já agora veja: https://www.youtube.com/watch?v=Yhn0DdH8M-0

    > não querem democracia directa.
    a democracia directa da esquerda é igual à ditadura da maioria, os 51% decidem que os 49% tem de ser “escravos” destes para os sustentar…

    meu caro democracia só existe se esta não passar por cima da liberdade individual… senão é uma ditadura

  7. tina

    “O Syriza é o masi uma vez o resultado do acabar do dinheiro dos outros… que só resiste dada a cultura instalada de ataque à propriedade privada e liberdade individual baseada num altruismo hipócrita (tipo o Papa Francisco)… e como dizia Andrew Breitbart é a cultura que define a politica e não o contrário… portanto fenomenos Syriza não é o primeiro e infelizmente não será o ultimo…”

    Tenho de repetir esta análise brilhante por Fernão Magalhães.

  8. «Quem é o estado para dizer aquilo que eu posso ou não meter no meu corpo?»

    Descontando já as drogas dito leves, que não uso, não pretendo usar nem me aborrecem, lembro-lhe da criminalidade e dos custos humanos e financeiros associados directamente às drogas duras.

    O Estado deve proteger a liberdade do cidadão e minorar a prepotência de A (mesmo do próprio Estado) sobre B, dentro da razoabilidade.

  9. ecozeus

    Se António Costa perder as próximas eleições, o que é o mais provável, é muito natural que aconteça ao PS o mesmo que ocorreu e continua a acorrer ao PASOK .

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.