O “fetiche” do “consenso”

Com grande parte do país a optar por ignorar a campanha eleitoral, os vários partidos esforçam-se desalmadamente para encontrarem uma ou outra forma de chamarem a atenção dos eleitores para as excelsas pessoas dos seus candidatos. Uns, como Joana Amaral Dias, tiram a roupa em revistas populares. Outros, como o milionário advogado Garcia Pereira, pedem “morte aos traidores”. Passos Coelho e Portas lá vão tentando dizer que tudo está bem, mas não tão bem que se possa entregar o país ao dr. António Costa. Este último, por sua vez, promete coisas. Hoje, segundo o Expresso, “promete governar em consenso”.

Nem de propósito, há uns dias, o editor de opinião do Diário Económico pedia-me que, num artigo a sair precisamente hoje, respondesse à pergunta de se o “consenso” é algo “tabu” na política portuguesa. Como, apesar de tudo, sou um rapaz simpático, lá respondi procurei responder à pergunta nuns curtos 1000 caracteres, dizendo que na política portuguesa, o “consenso” não é “tabu”, é fetiche: quase não há político que, por entre insultos a quem de si discorda, não deixe de exaltar a necessidade de um “consenso alargado” para salvar o país das desgraças que o afligem. Continuando, dei o exemplo do que se tem passado com a Segurança Social: o dr. Passos pede um consenso para garantir a sua sustentabilidade; as “classes conversadoras” em peso, incluindo a parte delas que o odeia, aplaude o “sentido de responsabilidade”; e até o dr. Costa, no mesmo debate em que disse recusar-se a negociar com o Primeiro-Ministro, achou “claro” que é necessário um “consenso” para que uma reforma tenha sucesso. Esquecem-se de que mais do que a consensualidade, importa o conteúdo daquilo que se consensualiza, e que nada de bom virá de “consensos” em torno da asneira. Apesar das muitas diferenças entre eles, PSD/CDS e PS propõem fundamentalmente o mesmo: manter o sistema estatista que nos arruína, mas com cada vez menos dinheiro – o sistema e nós.

2 pensamentos sobre “O “fetiche” do “consenso”

  1. Baptista da Silva

    Caro Bruno, eu até li o seu artigo no económico hoje à tarde. Concordo consigo se concordar comigo, precisamos de mudar tudo para que tudo fique na mesma, temos consenso?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.