Vale a pena eleger um partido de extrema esquerda?

Façamos uma cronologia rápida. Eles certamente levam isto ao charco em poucos meses. Depois, como eles só vivem com o dinheiro dos outros, acabam a pedir dinheiro a alguma entidade internacional. Como qualquer credor, essa entidade vai pedir uma mudança de vida. Em contexto de crise, consegue-se aprovar no parlamento um pacote de reformas do mercado laboral, um enorme pacote de privatizações e diversas medidas que estavam há muito em gavetas. Como bónus, a malta que é cega como uma porta e anda por clubismos, ainda acaba a defender essas mesmas medidas. Dá que pensar…

11 pensamentos sobre “Vale a pena eleger um partido de extrema esquerda?

  1. Aqui, talvez não.
    Ainda.
    Porque, para o bem e para o mal, chegamos sempre tarde e mal.
    Mas, por aí, o mais provável é que sim.
    Valerá a pena.
    E é isso que aterroriza muita gente.
    Gente disposta a suspender a democracia para evitar tal coisa.
    Mas será em vão.
    Oxalá!

  2. Como seria bom se só fossem os governos de “esquerda” a viver com o dinheiro dos outros. Infelizmente são todos!… Vivem com ele e distribuem-nos entre os amigos.

  3. Só uma pequena precisão:
    “O dinheiro dos outros” é generosamente distribuído à direita (atenção que o nosso PS, na prática é tão de direita ou mais do que aqueles que se assumem como tal), para que os beneficiários mantenham disciplinado o povo explorado.

  4. Gil

    O Syriza, partido de extrema-esquerda? Tão de extrema-esquerda como Sá Carneiro em 1974, ou o PS até 1976. O Marx deve estar a rebolar-se de riso.

  5. JS

    “… como eles só vivem com o dinheiro dos outros …”.
    Esquerdas?. Direitas?. Ó homem, ainda aí vai?.

    ” … Monetary union, in the end, will result in a gigantic blackmailing operation …”.
    Arnulf Baring 1997.
    Empréstimos ajuda humanitária ou Empréstimos chantagem política?.

    Diferença entre PS e PSD (ou em toda a zona euro, a diferenças entre partidos socialistas e partidos social-democráticos …) é um mito, um triste mito.
    Quem vive (e bem) com “dinheiro dos outros” é a nomenclatura, nacional e internacional, da zona euro .. e os respectivos mandantes, claro.

  6. JS

    RCM Sem dúvida.
    No Parlamento Grego um governo de “esquerda” (unido com a estrema direita), a passar moções com os votos da “direita” … com o seus deputados a votar contra …
    Liberalismo no Parlamento.
    O eleitor, esse, ainda tem as suas (inúteis) fezadas clubísticas.

  7. Quando não pago as minhas dívidas, os tribunais penhoram os meus bens. Mas quando é o Estado que não paga, nem se põe em causa penhorar os bens do Estado.

    Os Estados até podem entrar em bancarrota, como agora na Grécia, mas penhorar os seus bens é que não. A Grécia bem que podia pagar a dívida se os seus bens fosse penhorados!

    Mas entrando em bancarrota, quem paga, são os burros de carga do costume, sejam gregos ou europeus. O problema, e consenso geral entre todos os socialistas – do PSD ao Syriza – é que a essência do Estado, o papel do Estado, nunca será posto em causa.

    O Estado, como player num mercado “livre”, que também vende e compra bens móveis e imóveis, não pode nunca ser questionado.

    Se o fosse, como é que o Sócrates ou o Dias Loureiro enriqueciam? Como é que se faziam os “grandes negócios estratégicos de interesse nacional”?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.