Incompreensão

Jorge Sampaio recebeu um doutoramento honoris causa na Universidade do Porto. Aproveitou a ocasião para demonstrar, mais uma vez, a sua invulgar capacidade para incompreender o mundo à sua volta. Disse Sampaio: «A questão está em saber como é que nós saímos deste colete-de-forças e como é que conseguimos crescer economicamente, socialmente mantermos a Europa com o sentido que ela sempre teve desde a sua fundação. (…) [A] União Europeia assiste hoje a inadmissíveis anátemas morais decretados por alguns Estados-membros e a uma triunfante cultura de ortodoxia financeira que tem conduzido a situações sociais insustentáveis, a uma preocupante deflação e à mácula desencorajadora projetada pelos seus milhões de desempregados. (…) [Estamos] longe do tempo em que se conciliava eficácia económica com coesão social e se declinava no plano das decisões, de vários modos, a palavra solidariedade. (…) [A Europa] precisa de encontrar uma linguagem que dê satisfação aos cidadãos em geral porque é disso que se trata.»

Fica sempre bem dizer estas coisas. Uma pessoa parece sempre mais séria e profunda quando apela à solidariedade. Mesmo quando o que diz está pejado de equívocos:

  • Em primeiro lugar, as medidas com que a Europa se depara, particularmente países como Portugal, não são uma questão de “eficácia económica” mas antes de evitar o descalabro. Para alguém que usou a famosa expressão “há vida para além do défice” e precipitou a entrada em funções do coveiro do país, recomenda-se mais recato.
  • Se estamos num “colete-de-forças”, não será por termos entrado nele desavisados. Dificilmente sairemos seguindo o caminho que nos levou a entrar nele, por mais apelos à solidariedade que se façam e mais boa vontade que demonstremos.
  • Afirmar que estados soberanos defenderem os seus interesses é o decretar de “inadmissíveis anátemas morais” é, em si mesmo, um “inadmissível anátema moral”. Isto da moral dá para os dois lados.
  • Não é encontrando “uma linguagem” que se resolvem os problemas. Quanto mais não seja por ser notório que o actual secretário-geral do PS usa várias, diferentes consoante a plateia.

4 pensamentos sobre “Incompreensão

  1. maria

    Palavras leva-as o vento. Paleio patético, nisso não lhe batem o pé. De conversas está o mundo cheio. Espertalhão tb é. Basta andar a descontar para a caixa dos advogados sabendo que após 11 anos como presidente, não voltaria a exercer advogacia. Ok. assim, soma mais esta pensão de 2000€ com as outras.

  2. Kubo

    Refere a sumidade honoris causa que “se declinava no plano das decisões, de vários modos, a palavra solidariedade”.

    Artur Agostinho conheceu, quando mais precisava, a declinação deste Advogado em defender um cliente antigo – mas no PREC incómodo a quem se queria enfronhar no reviralhismo então muito recompensante…

    E são estes que depois adoram falar de Solidariedade…

  3. JP

    A gente ouve a simplicidade das palavras de uma funcionária de uma fábrica que ardeu, e como o fogo para ali entrou por uma ténue rede que a ligava aos vizinhos onde tudo começou, e como a Autoeuropa vai ser afetada, e pasma-se com o mundo paralelo e virtual em que algumas pessoas da política nacional vivem, a arrotar constantemente umas postas de pescada sobre as visões da ortodoxia industrial e financeira alemã, entre umas visitas a Leiria e cegueiras muito convenientes, bem regadas com silêncios estranhos de anos, que só por mero acaso coincidem com certos intervalos no calendário eleitoral.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.