Entrevista Fictícia A António Costa

  • [Entrevistador] – Olá António Costa. O que acha o senhor sobre a austeridade?
  • [António Costa]- A austeridade não é o caminho. A austeridade está a matar a confiança dos cidadãos pelo projeto político que é a Europa.
  • [E] – É contra a austeridade, portanto. E que defende então?
  • [AC] – É preciso travar a austeridade, combater a crise social e promover o crescimento económico.
  • [E] – E como se propõe a fazer isso?
  • [AC] – Apostando na educação, em investimento público estruturante e numa leitura inteligente do tratado orçamental.
  • [E] – Como se traduz isso em termos de despesa, receita e défice?
  • [AC] – O investimento estruturante, com uma leitura inteligente do tratado orçamental, não conta para o défice.
  • [E] – Mas conta para a dívida, certo?
  • [AC] – É preciso fazer uma leitura ainda mais inteligente. Eu defendo que se criem alternativas para o problema europeu. Só haverá mudança a sério na Europa quando também houver mudança nos governos de direita.
  • [E] – E em relação à dívida?
  • [AC] – A dívida não é causa, é consequência de um problema de fundo, que tem a ver com a insuficiente arquitectura da zona euro e com a dificuldade que as economias menos competitivas têm tido desde o início do século de se adaptarem a este novo ambiente resultante da globalização, do alargamento a Leste, do choque do euro.
  • [E] – Pode explicar melhor?
  • [AC] – O euro não pode ser só uma moeda comum. Tem que ser uma moeda que dê resultados positivos para todos e não seja uma moeda que contribuiu só para o desenvolvimento de cinco países e dificulta a competitividade e o crescimento em todos os outros países. A moeda única deve ser “acompanhada por mais coesão, por mais convergência económica”.
  • [E] – Pode elaborar?
  • [AC] – O projecto europeu, a sua cultura e os seus valores requerem a solidariedade e o reforço da coesão entre os 28 estados membros.
  • [E] – Mas por exemplo, a Alemanha já é um grande contribuidor líquido.
  • [AC] – Quem é o grande beneficiário da existência do euro é a Alemanha. No dia em que a Alemanha saísse do euro o marco alemão sofria certamente uma apreciação como a do franco há pouco tempo.
  • [E] – Segundo esse raciocíno, então para Portugal ser mais competitivo defende o equivalente a uma desvalorização da moeda, por exemplo através de uma redução generalizada dos salários. Como é que explica então que defenda o aumento do salário mínimo?
  • [AC] – Pode a Europa ambicionar um crescimento assente na competição de baixos salários com outras zonas de miséria absoluta que existem no mundo? A Europa que tem futuro é uma Europa que aposta numa economia assente no conhecimento, que aposta na inovação, na eficiência energética, nas infra-estruturas de alta qualidade, que aposta nessa nova economia.
  • [E] – Bem, mudando de assunto. Como se financia este modelo de estado-social tendo em conta as realidades do crescimento económico e as alterações demográficas?
  • [AC] – O modelo social nunca foi um modelo de caridade, mas sim um modelo de eficiência económica. E é precisamente esta crise social que tem vindo a comprometer a economia europeia. Sabemos hoje que nunca teríamos crescido tanto sem esse modelo social. O modelo social europeu não é um entrave ao crescimento, é uma condição do crescimento. E garantir aos pensionistas de hoje a confiança nas suas pensões é garantir a todos os activos confiança nos descontos que fazem no futuro das suas pensões.
  • [Entrevistador] – Muito obrigado pelas clarificações. Estou certo de que os nossos leitores terão ficado inteiramente esclarecidos.

Costa

5 pensamentos sobre “Entrevista Fictícia A António Costa

  1. António

    O mais interessante hoje vai ser ver como os postadores e comentadores residentes do Insurgente explicam a Entrevista Real do Vitor Bento no qual ele afirma (com contas) o mesmo que o “António Costa” em pelo menos 1/3 desta entrevista.

  2. JP Ribeiro

    A entrevista nada tem de fictícia. É mesmo isto que AC “acha” (para não dizer “pensa”, porque isso seria sair do soundbite a que nos habituou). E é com esta conversa para boi dormir que se ganham eleições.

  3. Marquês Barão

    O mais curioso é que corre (corremos) o risco de ganhar as eleições. Só que nesse caso não temos autoridade para lhe pedir contas quando o caldo entornar á Costa.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.