The sick men of BRIC

Notícias ao Minuto

Questionado pela Bloomberg sobre se ainda agruparia o Brasil, a Rússia, a Índia e a China como os mais fortes mercados emergentes, como fez em 2001 num célebre ensaio com o título ‘Building Better BRIC, Jim O’Neill respondeu: “Eu poderia estar tentado a chamá-los apenas IC ou, se os próximos três anos forem o mesmo que os últimos para o Brasil e a Rússia, antecipo isso para 2019”

.

8 pensamentos sobre “The sick men of BRIC

  1. lucklucky

    Entretanto a conferência Episcopal da Venezuela pensa muito diferente do Papa materialista.

    http://www.eluniversal.com/nacional-y-politica/150112/obispos-achacan-la-crisis-al-socialismo-marxista-impuesto-por-el-gobie

    “Las largas colas de personas tratando de comprar alimentos y otros artículos de primera necesidad y el alza constantes de los precios son para los obispos la consecuencia de la decisión del Gobierno de “imponer un sistema político-económico de corte socialista, marxista o comunista”, el cual es “totalitario y centralista” y además “atenta contra la libertad y los derechos de las personas y asociaciones”.”

  2. É estranho que o PIB da Rússia em 2013 foi o recorde absoluto da sua história (tanto agregado como per capita).

    O homem não sabe do que fala, ou fala o que quer falar.

    Graças à baixa do Rublo, imagine quem vai cultivar mais em 2014/2015? A Rússia pode ficar perto da auto-suficiência alimentar no fim da campanha de Primavera. Para desespero dos europeus.

    O Obama lutará contra a Rússia até ao último europeu.

  3. Miguel Noronha

    O horizonte é vermelho.
    E pensar que delapidaram eles tanto da reserva de divisas a defender o rublo.

  4. hustler

    Francisco Colaço,

    parece que não é bem assim, confiando no que o FT diz, as cooperativas e explorações agrárias russas não são suficientemente modernas para aumentar a produção e ajustar à procura, logo, o efeito rublo não pesará assim tanto:

    “Today in Russia we have the unique situation that good, ecologically-grown apples can’t fetch nearly the same price as imported ones,” says Dmitry Yuriev, deputy minister of agriculture. “Up to half of the fruit production from small farms and 20 per cent of industrial vegetable production just rots away.”

    The root of the problem lies in the country’s long, tortuous transformation from its communist past. While the Soviet Union prided itself in self-sufficiency, it was achieved with low yields and little choice for consumers. Since the USSR’s collapse in 1991, the total area under cultivation in the country has dropped from over 90m hectares to just 73m ha.”

    http://www.ft.com/intl/cms/s/0/776c7c6a-2782-11e4-ae44-00144feabdc0.html

  5. Quanto foi a campanha de trigo em 2013/2014? Qual é o valor que se espera de 2014/2015? Por acaso fiz um artigo sobre isso no Remoques. Os valores estão lá (pista: são recordes e têm vindo consistentemente a subir).

    A União Soviética NUNCA foi auto-suficiente. Atente que 1) foi sempre importado trigo dos Estados Unidos e 2) nos anos 80 a URSS foi *receptora* de ajuda alimentar. Quem escreveu esse artigo ou mente ou fala do que não sabe.

    Tem gráficos em profusão no artigo que escrevi. E o valor das importações correntes de alimentos. Em boa verdade, a Rússia deve atingir a auto-suficiência alimentar no fim da próxima primavera, aquando das primeiras colheitas. A baixa do Rublo retirou a vantagem compeetitiva dos subsídios europeus à produção e os russos estão a voltar à terra.

    Confiar no Financial Times nestes dias de quase guerra é pedir a Judas informações de Cristo.

  6. hustler

    Caro Francisco,

    Fui ao Remoques e também fui ao Business Insider, e ao que parece, a Rússia só se safa no trigo e no frango, o resto continua dependente do exterior. Não duvido no entanto, que a médio prazo, a Rússia consiga fazer a substituição de bem importado por bem doméstico na área da agricultura, aliás, a queda do rublo e as sanções internacionais são os catalisadores dessa mudança.

    Although there have been some recent improvements (notably in grain production), Russian farming is still hugely inefficient. The result is that many imports–meat, milk, eggs–have few domestic substitutes. Wholesalers that import these goods need dollars to buy them, putting pressure on the rouble.

    Read more: http://www.businessinsider.com/why-russia-may-not-be-able-to-save-the-ruble-2014-11#ixzz3OqMIcQtI

  7. A Rússia em dois anos terá mais que duplicado as suas colheitas de trigo. Mas agora esse é o menor dos seus problemas.

    Os próximos tempos vão ter algumas mexidas geo-estratégicas. Por exemplo, na Europa de Leste vai haver uma corrida aos casacos e às botas. Podemos assegurar que elas serão portuguesas?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.