Não faz diferença, o que interessa é o Draghi

É bom recordar àqueles cujo conhecimento de economia é inversamente proporcional à forma aguerrida e proselitísta com que juravam que o yield das obrigações da dívida pública nada tinha a ver com a percepção do risco ou com os défices orçamentais, este simples gráfico. Um deles foi agora recentemente promovido ao secretariado nacional do PS, imagino que como recompensa pela sua acutilância económica.

Screen Shot 2014-12-10 at 16.39.22
Yield até à maturidade das obrigações a 10 anos da Grécia e de Portugal, cabalmente demonstrando o efeito Draghi-dual, em que uma mesma acção pode gerar dois efeitos completamente distintos.

12 pensamentos sobre “Não faz diferença, o que interessa é o Draghi

  1. Pedro Ramalho

    A realidade até é mais anti-galambista… pois ao contrário do gráfico acima, em fim de 2013 a taxa grega já era o dobro da Portuguesa… Mas com o mal dos gregos podemos nós bem…
    Parece que não falta muito para o Galambinha ajudar o Costa a recuperar o atraso visível no gráfico… Alegremente até assinarem o próximo MoU com uns estrangeiros “agressores”.

  2. Rui

    Pode elaborar um pouco mais sobre o gráfico e sobre o tal efeito “draghi-dual”?
    A principal razão da subida dos yelds gregos não serão as eleições que se avizinham e a instabilidade politica (Syriza…)? Não será tb previsível que os de PT subam quando se avizinharem as eleições de 2015?

    Não percebo muito bem onde quer chegar com o gráfico e o raciocinio mas gostava de compreender.

  3. Miguel Noronha

    Seguindo a sua teoria, parece que a instabilidade eleitoral começou em Setembro/Outubro o que é estranho dado que a decisão de as antecipar é relativamente recente.
    Mas seria interessante se a sua teoria tivesse alguma aderência à realidade. Nesse caso mercado estaria a equivaler o PS ao Syriza.

  4. lucklucky

    “Não será tb previsível que os de PT subam quando se avizinharem as eleições de 2015?”

    E nessa altura haverá mais risco não?

  5. Nuno

    É interessante a resposta do Rui porque, talvez sem intenção, reconhece que a estratégia de estabilidade seguida pelo governo (excepção feita à atitude do ministro irrevogável) no fim de contas até foi benéfica.

    Foi a estabilidade que não se sente na Grécia que permitiu que entretanto fossem realizadas em mercado várias operações de troca e venda de obrigações entre 5 e 10 anos, a taxas bastante competitivas – coisa que a Grécia ainda não conseguiu fazer.

  6. Rui

    @lucky luke;
    “E nessa altura haverá mais risco não?”
    Exatamente, já se sabe que as eleições podem resultar numa maioria/governo que dê início ao um processo de restruturação da dívida e por isso faz todo o sentido que os yelds comecem a subir assim que se preveja um evento eleitoral num futuro próximo. A relação do gráfico com o tal efeito “Draghi-dual” é que não estou a ver e gostava que o autor do post explicasse com maior detalhe.

    @Nuno
    “É interessante a resposta do Rui porque, talvez sem intenção, reconhece que a estratégia de estabilidade seguida pelo governo (excepção feita à atitude do ministro irrevogável) no fim de contas até foi benéfica. Foi a estabilidade que não se sente na Grécia que permitiu que entretanto fossem realizadas em mercado várias operações de troca e venda de obrigações entre 5 e 10 anos, a taxas bastante competitivas – coisa que a Grécia ainda não conseguiu fazer.”

    Pelo contrário foi com toda a intenção e parece-me que esse reconhecimento é devido ao governo atual, em especial ao PPC que contra várias adversidades soube manter a estabilidade governativa mesmo tendo de “engolir muitos sapos” e para constatar isso basta ver o que o exministro da economia escreveu no seu livro. Do meu ponto de vista não faz sentido é a prioridade ser o pagamento da dívida com as taxas de emigração e desemprego que temos mas isso é uma discussão completamente diferente do ponto em questão neste post.

  7. Isto porque não estamos a pagar dívida nenhuma, antes pelo contrário, continuamos a endividar-nos.

    Ás vezes esqueço-me de explicar coisas que para mim são evidentes, mas que posteriormente descubro que para muita gente são novidade.

  8. Euro2cent

    > conhecimento de economia

    O Prof. Francisco Louçã, portanto?

    Não sei, não. Há uns que conhecem economia, mas a economia não os conhece a eles.

  9. Pingback: Dívida pública e taxas de juro | O Insurgente

  10. Joaquim Amado Lopes

    Rui,
    “as eleições podem resultar numa maioria/governo que dê início ao um processo de restruturação da dívida”
    A dívida tem estado a ser reestruturada com sucesso desde que o Governo actual tomou posse, com prolongamento de prazos e redução das taxas. O Rui deve estar a referir-se a uma “maioria/governo que dê início ao um processo de DEFAULT da dívida”, o que teria realmente um efeito dramático nos yields. Mas isso nunca virá a acontecer.

    Se António Costa continuar a insistir no default da dívida (chame-lhe o que chamar) até à campanha eleitoral, alguém será enviado para lhe explicar os factos da (dí)vida e o fazer entender que os meninos mal comportados arriscam-se a ficar sem os “brinquedos”, sendo que os “brinquedos” são o financiamento externo de que Portugal não pode abdicar.
    É que, como o Surprese realçou, Portugal não está a pagar a dívida, está a aumentá-la. Aquilo a que o Rui chama “pagar a dívida” mais não é do que cumprir os compromissos assumidos de forma a que Portugal possa continuar a endividar-se, na esperança de que mais cedo ou mais tarde o Estado seja realmente reformado e deixe de ser deficitário.

    Quanto à emigração e desemprego, é do interesse de Portugal que pelo menos parte dos desempregados emigre porque deixarão de representar um custo para o Estado e para as respectivas famílias e poderão passar a ser uma fonte de receita para o país, caso decidam enviar parte das suas poupanças para Portugal.
    O pior que o Governo pode fazer é comprometer ainda mais a situação financeira do Estado para baixar artificialmente a taxa de desemprego.

    Muitos clamarão que, com a emigração, Portugal perde mão-de-obra qualificada de que necessita. Só que isso não faz nenhum sentido. Emigra quem não arranja trabalho em Portugal.
    O que Portugal precisa é de investidores e empreendedores e, para os atraír, o Estado tem que passar a pesar muito menos sobre quem produz. Isso significa menos burocracia (Estado mais pequeno), impostos mais baixos (menos receita do Estado) e estabilidade fiscal e regulamentar (Estado mais sustentável e menos vulnerável às conjunturas). Tudo isto implica gastar menos dinheiro e não mais.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.