O Orçamento de Estado de 2015 em Imagens

Neste post, ilustra-se o orçamento de estado para 2015 em imagens complementado com algumas notas. A primeira imagem e a primeira tabela representam o orçamento na Óptica da Contabilidade Nacional.

Orcamento2015

Orcamento2015_Tabela

Algumas notas:

  • Os juros da dívida representam mais de 10% do orçamento de estado. Sem a despesa associada com os juros, existiria um superávit de 4.026 M€.
  • As prestações sociais representam um valor cerca de 1,65 vezes maior do que o valor das contribuições sociais.
  • Em conjunto, as prestações sociais e as despesas com pessoal representam 64% da despesa do estado.
  • Prevê-se que o défice seja reduzido em quase 42% para 4.860 M€.
  • A consolidação orçamental é feita essencialmente através de um aumento da receita em cerca de 2,9% que por sua vez ainda tem de compensar um aumento da despesa de 1,0%.

No gráfico e tabela abaixo, pode-se observar as despesas por sector.

Orcamento2015_Sectorial_Grafico

Orcamento2015_Sectorial

Algumas notas:

  • Os quatro sectores: Solidariedade, Emprego e Segurança Social; Saúde; Gestão da Dívida Pública; e Ensino Básico e Secundário e Administração Escolar representam 71,5% da despesa por sectores.
  • Em termos relativos, os maiores aumentos percentuais verificam-se no sector do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia (+231,1%); Gestão da Dívida Pública (+5,0%); e Orgãos de Soberania (+3,5%). As maiores reduções verificam-se no sector da Economia (-37,9%); Agricultura e Mar (-15,5%); e Finanças e Administração Pública (-11,4%).

23 pensamentos sobre “O Orçamento de Estado de 2015 em Imagens

  1. Euro2cent

    Resumindo, sem os “investimentos” que nos deixaram endividados, tinhamos orçamento não deficitário.

    As tais dividas que “não são para pagar” comerem 10% é que é chato …

  2. Fónix! 10% para pagar os delírios de meia dúzia de incompetentes, muitos deles que ainda gozam com o pagode como comentadeiros!
    Já tou como o comentador Miguel Alves: puta que os pariu! (um gajo já não consegue ser bem educado)

  3. antonio

    Tudo isto vai deixar de fazer sentido, quando os senhores da economia mundial perceberem que esta austeridade filosofica obtusa está a destruir a economia mundial. Ai tudo muda. Mas só no iniciodo próximo ano. Até lá muita volatilidade nos mercados. No fim a Alemanha perde esta guerra.

  4. JMS

    Exactamente. E vão voltar ao poder com a maior das facilidades…

    Obrigado comunicação social, vulgo “merdia”.

  5. lucklucky

    “que barbaridadade.. usar 10% do orçamento para juros.. puta que pariu… ninguém vai preso?”

    Teria de prender a maioira dos Portugueses. Todos os partidos concordaram com o défice, aliás só acham que é pouco.

  6. Alexandre Carvalho da Silveira

    Excelente post. Esta é uma bela fotografia a cores da realidade portuguesa. Mas há duas rúbricas que eu gostaria de ver mais em pormenor: “consumos intermédios”, e “outras despesas correntes” que no seu conjunto representam mais de 16 000 milhões. Será possivel?

  7. A Republica Cadáver

    As maiores reduções verificam-se no sector da Economia (-37,9%) e AGRICULTURA E MAR 15,5 %

  8. A Republica Cadáver

    Esquecendo a pornografia dos juros, lamento ainda a parte concedida ao investimento e também à defesa e órgãos de soberania, principalmente comparando com a justiça que, para mim, é o setor chave para a recuperação do país. Se houvesse verdadeira e célere justiça muita coisa mudaria…

  9. Je

    Tal como o Alexandre são os “consumos intermédios”, e “outras despesas correntes” – que somam bem mais que os juros – que gostaria de ver esmiuçadas. A enormidade das prestações sociais percebo com a demografia, as despesas com pessoal, pela rigidez do sistema… E faz-me espécie a diminuta fatia do mar e da agricultura, inversamente proporcional aos grandiosas intenções anunciadas a propósito da paixão pelo mar e da nossa ZEE… e sendo que são estas áreas que tem mostrado bastante dinâmica recente.

  10. A Republica Cadáver

    A pornografia de que falo é relativa a a quem, durante esses 40 anos e, especialmente, após 2009, nos obrigou a suportar tal fardo, supostamente no interesse da nação.
    Infelizmente parte significativa (espero que não seja a maioria) da população continua a querer o melhor de dois mundos opostos: valorizar as pessoas em detrimento dos números, ou seja, flexibilizar o o cumprimento do défice e, concomitantemente, reduzir a dívida pública. E o mais estranho de tudo isso é que há comentadores “profissionais” que o afirmam e os media não desmascaram essa falácia.

  11. Nuno

    Muito dos “consumos intermédios” serão coisas essenciais como: medicamentos, electricidade, telecomunicações, combustíveis, papel (higiénico também), tinteiros, rendas (imobiliário), aluguer e renovação de equipamentos.

    É retirar a parcela dos medicamentos (só nos hospitais são 1000M€), e depois comparar com uma grande empresa a proporção entre esses custos e os custos de pessoal. Provavelmente não será muito diferente.

  12. Continua a falácia de que atirar dinheiro para os problemas é caminho para a sua resolução. Dinheiro, funcionários e regulamentação.

    Com este nível de despesa do Estado deveríamos viver no éden terreal. E não vivemos. Faltará despesa? Funcionários? Mais leis?

  13. Rui Pinto

    1. Ora, quem olha para estes gráficos, percebe à partida uma coisa, estamos reféns dos bancos. E isso não é culpa de nenhum governo em especial, este só não faz dívida porque não tem quem lhe empreste, enquanto não reduzir a que tem. Esta é uma estratégia usada em todo o Mundo, endividar para governar, corrompendo que está no poder, independentemente da cor política, até o partido. comunista e o bloco entravam na onda.
    2. Cá em casa há três formas de resolver o défice, gastar menos, ganhar mais ou as duas em conjunto. Claro que a 1ª escolha deve ser GANHAR MAIS, ou seja, investir e produzir mais, ora como o défice é uma percentagem do PIB, a coisa fica equilibrada, podemos até pagar 80% de juros, se produzirmos o suficiente para os pagar. Este é o problema da austeridade, apagamos as luzes e pedimos aos nosso filhos que estudem à luz da vela, consequência? a meio prazo ficam cegos, ou quase, e na melhor da hipóteses, adormecem a vela cai e temos um incêndio.
    3. Conclusão 10% de juros não tem significado se o dinheiro que pedimos render 15%, não façam disso um fantasma. o problema é que quem nos empresta o dinheiro também nos diz onde o devemos gastar, e como não nos quer ver livres da dívida, “obriga-nos” a gasta-lo onde mais lhe convém… lembram-se dos submarinos???? Pois é…
    Quando a tirania financeira deixar de dar palpites e se limitar a vender e comprar dinheiro talvez a coisa mude, até lá… esqueçam os PS’s ou os PSD’s ou os CDS’s, etc. vão todos para ao mesmo sitio, A CORRUPÇÃO NÃO MATA OPRIME!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.