o pântano

“Já foi conhecida a execução orçamental do primeiro semestre deste ano, e os dados não deixaram grande margem para dúvida: com elevada probabilidade, a meta do défice para 2014 não será atingida – pelo menos, não sem novas medidas extraordinárias. A história repete-se, e o problema é o mesmo de sempre: a despesa pública cresce quando deveria estar a diminuir.”, no meu artigo de hoje no Diário Económico.

Um pensamento sobre “o pântano

  1. k.

    Pontos soltos:
    – O peso da divida pública e privada é de tal forma esmagador, deprimindo tanto a economia, que o governo não tem margem politica, nesta altura do campeonato, para fazer reformas.
    – Fala-se de reformas, mas isso quer dizer concretamente o que? É uma palavra oca, sem haver passos claros, com custos e beneficios claros.
    – Portugal já é um recordista de eleições – termos mais ,e antecipadas ainda por cima, não resolve nenhum problema.
    – Coligações politicas são altamente improváveis, dado o extremar de posições na sociedade Portuguesa, e a incapacidade de aceitar divergências. Logo ou o proximo governo ganha com maioria absoluta… ou podemos ter sérios problemas de instabilidade politica.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.