Os Manolo Blahnik de Hillary Clinton não deixam dúvidas

“Sim, sou católica. Praticante? Sim: bem ditas as missas do sábado e domingo ao fim do dia, depois de noitadas pecaminosas… Não fossem estas seria uma católica preguiçosa (para não dizer outra coisa). Procurava resposta no fim-de-semana passado para um fenómeno sobrenatural que tem vindo a acontecer comigo: a minha ligação com Hillary Clinton. Ela não sabe, como é óbvio. Encaixa-se naquele trecho “das coisas visíveis e invisíveis“, que oramos a dada altura na cerimónia litúrgica. Thank God, não estou insana. Ainda há quem diga que Deus não dá respostas, ora essa.

     Esta ligação que, para já é unilateral, deixará de o ser em Janeiro de 2016 quando Hill tomar posse como Presidente dos EUA e eu estiver no meio da multidão, em Washington, a gritar até à rouquidão pelo nome dela. Sonha, Graça, sonha. Gostava de privar com a senhora Clinton para tentar (sublinhe-se o tentar) explicar o impacto que daquele discurso, depois de perder as directas para Obama, teve em mim. “No way, no how, no McCain”, safa. Que intensidade.

     Bem, eu sou católica mas não sou totalmente tola, apenas moderadamente tresloucada. O facto constitutivo deste fascínio metafísico pela senhora começou quando comprei a biografia escrita por Carl Bernstein, “Hillary Clinton. Uma mulher no poder”. Foi então que começou o nosso bonding invisível político-intelectual, com uma frasezinha: «uma das cartas de Jones para Hillary em Wellesley aludia à enfâse dada por Edmund Burke à responsabilidade pessoal e levantava a questão de saber «se pode alguém ser um realista burkeano acerca da história da natureza humana e ao mesmo tempo ter sentimentos e pontos de vista liberais”. Na resposta, Hillary meditou: «É uma questão interessante a que colocou – pode alguém ter mente conservadora e coração liberal?».

      Mas não foi só a frase e o clique que teve em mim, há outros aspectos que admiro em Hillary mas que são contas de outro rosário. Depois de ler o livro (confesso que ainda não acabei) comecei a perceber que, apesar de Hill não ter anunciado oficialmente a candidatura às eleições de 2016, há um movimento nacional nos EUA nesse sentido. Foi lançada também uma série (Political Animals) com uma colossal Sigourney Weaver a representar uma adaptação de Hill que recomendo para quem gosta do estilo House of Cards. Coincidências? Ou o meu poder político metafísico foi accionado quando comprei aquele livro? A senhora Hilton até já foi capa da Time recentemente, aparecia apenas o pezinho dela, com uns Manolo Blahnik, a esmagar alguém. Depois desta capa não tenho dúvidas: ninguém para uma mulher capaz de calçar uns Manolo Blahnik por isso o mundo vai ter uma Madam President em 2016. Mark my word.

P.S.: Hillary Rocks!”

 

[Texto publicado na Rua Direita e que tem um erro de naba: onde se lê eleições directas, deve-se ler eleições primárias]

18 pensamentos sobre “Os Manolo Blahnik de Hillary Clinton não deixam dúvidas

  1. Há um toque neo-con no Insurgente, que nos permite estar em vários lados da barricada. E depois de ler Mário Soares, até eu estou a pensar, por questões estéticas, virar democrata:

    “(…) Depois vieram as inúmeras críticas, praticamente todas, do lado republicano, esses, sim, são racistas, usurários e só veem os negócios e o dinheiro – e não as pessoas – (…)”

    http://www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=3666964&seccao=M%E1rio+Soares&tag=Opini%E3o+-+Em+Foco&page=-1

  2. gracacantomoniz

    Temos uma jovem que admira Hillary e o seu percurso. Gosta de sapatos Manolo Blahnik e é Católica. Isso faz de mim uma socialista?

  3. spereira@braga.ucp.pt

    Eu votaria mais facilmente na, ainda, mulher de Obama. Uma mulher que tem a coragem de mandar passear o Obama, tem que serm fatalmente, uma grande mulher!

  4. Pedro Oliveira

    LOL! A Clinton… Tinha dado um presidente milhões de vezes melhor que o Obambi, mas mesmo assim…
    Pela positiva tenho a apontar que será uma corrupta honesta: quando é comparada, está comprada (ou isso era o Bill?).

  5. António

    Cara Graça,
    alguém pergunta: “Temos uma socialista no blogue?”, como se tu fosses uma loba mascarada de cordeiro. Não creio, e aconselho-te a ficares pelo exercício da liberdade e não agrilhões o teu pensamento a ideias pré-concebidas, como são quase a totalidade d’Os insurgentes, que de Insurgência têm pouco, ficando somente por um exercício oco, próprio de pessoas inócuas.

    P.S.: Gostei do teu artigo, pricipalmente da parte em dizes “…depois de noitadas pecaminosas… Não fossem estas seria uma católica preguiçosa”. Ainda bem que podes expiar os teus pecados!

  6. Renato

    Uma piada da Clinton essa de conservadora na mente e liberal no coração. Ela é socialista de mente coração, corpo e alma, provavelmente daquelas que tem uma imensa admiração por Lênin. Apenas se observe os objetivos do partido democrata e tente encontrar algo que um marxista não concordaria.

  7. Graça,

    #”Temos uma jovem que admira Hillary e o seu percurso. Gosta de sapatos Manolo Blahnik e é Católica. Isso faz de mim uma socialista?”

    Admirar Hillary e os democratas, pontualmente, não faz de ninguém socialista, a menos que estejamos a falar do Obama. Na corrida Bush Vs Clinton, claramente estava por Bush; com Kerry, fui na base, “venha o diabo e escolha”; o mesmo na versão Obama Vs McCain, pois o próprio McCain pode ser considerado um big spender & socialista. Hillary em Portugal estaria à direita de Portas e Passos 🙂 Gostar de sapatos Manolo Blahnik faz de ti uma mulher de bom gosto 🙂 Já ser católica, faz de ti socialista, presunção ilidível, que todos os católicos que estão no Insurgente se encarregam de afastar na solidez dos seus escritos (eu próprio fiz um exercício, considerado “criativo” pelo Bispo do Porto em pleno Congresso Diocesano sobre a “doutrina social da Igreja”, onde fui literalmente insultado por vários dos presentes :)).

  8. Fernão Magalhães

    Hillary Clinton 3 Feb 2014 no twitter:
    “It’s so much more fun to watch FOX when it’s someone else being blitzed & sacked! #SuperBowl”
    está visto a tolerância dela a imprensa que não a põe num pedastal e lhe põe questões desagradáveis, como o caso de Benghazi que ainda hoje não se sabe muito bem o que aconteceu…. Mas uma mulher, liberal, com muita influência e dinheiro, com quase toda a imprensa a apoiar, vai ser dificl não ganhar… só talvez se Chris Christie vier dizer que vai concorrer a presidente e que é transsexual…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.