Tudo é relativo, uns costumes são tão bons como outros, era o que faltava julgarmos outras culturas pela nossa bitola

«Uma jovem mulher de 20 anos foi vítima de violação colectiva sob as ordens do conselho de anciões de uma aldeia na Índia como forma de punição por se ter envolvido com um homem de outra comunidade, reportam esta quinta-feira as autoridades locais.

 

Sem qualquer autoridade ao abrigo do sistema jurídico indiano, os anciões que formam os conselhos de aldeias condenam muitas vezes as pessoas por violarem os códigos locais. A mais recente condenação que está a chocar o mundo é a de uma jovem indiana de 20 anos que foi sancionada por manter uma relação com um homem de outra comunidade. Segundo o código local da aldeia de Subalpur, este tipo de relacionamento é proibido.

“A relação entre o casal já durava há cinco anos. O casal foi denunciado pelo conselho da aldeia quando o homem visitou a jovem na segunda-feira para lhe propor casamento. Os dois foram detidos para serem julgados”, informou o chefe da polícia de Birbhum, C. Sudhakar, à BBC.

Ambos foram condenados a uma multa de 300 euros por “se terem apaixonado”. O homem pagou a multa mas a jovem e a sua família não pagaram por não terem dinheiro e, consequentemente, o chefe do conselho de aldeia ordenou uma violação colectiva, acrescentou Sudhakar.

A mulher foi violada por 13 homens e encontra-se no hospital.»

Mais aqui.

É do conhecimento de todos – e do escândalo dos que têm capacidade para se escandalizar – o desrespeito pelos direitos humanos das mulheres nos países islâmicos (moderados ou diehard). Volta na volta lá há um caso de imigrantes na Grã-Bretanha, à volta de meninas crianças ou adolescentes casadas à força pelas famílias, ou de heranças que envolvam herdeiros masculinos e femininos, que chamam a atenção para bons hábitos hindús. Mas seria conveniente, talvez, também começarmos a dar mais atenção à situação atroz dos direitos humanos das mulheres na Índia.

12 pensamentos sobre “Tudo é relativo, uns costumes são tão bons como outros, era o que faltava julgarmos outras culturas pela nossa bitola

  1. Rinka

    É a tradição. Sempre foi assim.Uma família natural não pode ser entre pessoas de aldeias vizinhas. Exijo já um Referendo e que proíbam este ataque à família tradicional

  2. Joaquim Amado Lopes

    Faço votos de que os elementos do “conselho de anciões” e os “executores da sentença” sejam castrados a sangue frio e empalados com um ferro em brasa antes de serem decapitados, os seus corpos queimados e as cinzas despejadas no esgoto.

  3. X

    JOAQUIM AMADO É O TIPICO FILHOTE DA JUDEIA..VC´S SÃO FANATICOS MESMO OS QUE SE DIZEM MODERADOS E DEPOIS DIZEM QUE SÃO OS MUSLOS..KK

  4. A. R

    Temos que olhar antes de mais à situação da mulher islâmica no ocidente, ás quadrilhas de violadores islâmicos na Noruega, Dinamarca e Suécia. Mais de 90% das violações são feitas por estes maomés parasitas.

  5. A. R

    Mas há mais. No Brasil certas tribos têm autorização para o infanticidio. Enterram as crianças num buraco coberto e aí ficam a morrer aos poucos. A Dilma esquerdista e terrorista gosta e os direitos humanos, que até à co-adopção chega, não chega a estes casos. Querem manter um jardim zoológico humano e para isso tudo vale.

  6. Pedro Oliveira

    No fundo, uma mulher desbragada, come essa indiana libidinosa, que até foi ao ponto de seduzir um inocente de outra povoação, até ao ponto de a ir pedir em casamento, até gostou da violação. Pelo menos essa foi laboriosamente executada por conhecidos, não por um qualquer estrangeiro. /sarc

  7. k.

    O episódio é chocante – mas reduzir a cultura hindu, com mais de 1.000 milhões de seguidores a isso é disparatado.
    Afinal, se eu reduzir a cultura católica ao facto de em certos paises cristãos se praticar a circuncisão feminina, você também não ia gostar.

    Já agora:
    “Volta na volta lá há um caso de imigrantes na Grã-Bretanha, à volta de meninas crianças ou adolescentes casadas à força pelas famílias,”

    Isto é suposto significar o que? Também houve por aqui um caso de um casal de Polacos que espancaram o filho até à morte; Sendo os Polacos catolicos, devo temer essa religião?

  8. Luís Lavoura

    seria conveniente também começarmos a dar mais atenção à situação atroz dos direitos humanos das mulheres na Índia

    Exatamente. Até porque a falta de direitos das mulheres em muitos países muçulmanos de que se fala (Paquistão, nomeadamente) têm mais a ver com a tradição indiana do que com a tradição muçulmana. Ou seja, muitas das coisas que ocorrem no Paquistão muçulmano ocorrem, de forma totalmente análoga, na Índia hindu.
    Já agora, poderia também falar dos direitos das mulheres em certas partes da Turquia, nomeadamente o Curdistão.

  9. Renato Souza

    k
    “Isto é suposto significar o que? Também houve por aqui um caso de um casal de Polacos que espancaram o filho até à morte; Sendo os Polacos catolicos, devo temer essa religião?”

    É difícil você considerar que a atitude de alguém espancar um filho até a morte é típica da religião católica ou do cristianismo em geral. Já o fato de que os MINORITÁRIOS muçulmanos são os responsáveis pela IMENSA MAIORIA das violações em diversos países europeus certamente indica algo sobre a sua cultura. Se você não entendeu o argumento, então suponho que ninguém possa fazer mais nada em favor do funcionamento de sua mente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.