Estado, meios e fins – uma visão (realista) à esquerda

Mesmo não partilhando a visão de Vital Moreira quanto aos objectivos do estado (particularmente quanto ao chamado “estado social”) é bom saber que à esquerda há quem não tenha perdido o contacto com a realidade económica e financeira e tenha uma noção realista dos meios e possibilidades do estado. Sublinho que, no geral, a visão Vital Moreira estará bem mais próxima do actual governo que da minha.

Três “minas” alimentaram durante décadas o excesso de despesa pública em relação às receitas ordinárias do Estado, a saber: os fundos europeus, a receita das privatizações e o endividamento público.(…) Doravante, porém, só a primeira permanecerá, mesmo assim com tendência par a redução, dada a diminuição das receitas da União e o alargamento a novos país. (…)

A partir de agora, o Estado vai portanto ter de viver essencialmente com os seus próprios recursos (ou seja, impostos, contribuições e taxas). Mas o próprio crescimento destes está limitado pelo débil crescimento económico. O principal desafio político para a esquerda vai ser a sustentabilidade financeira do Estado social, incluindo o sistema de pensões.

Quem julga que, passada a crise, tudo vai ser como antes dela quanto ao financiamento do Estado e da despesa pública — engana-se e engana os outros. Nada voltará a ser como antes; o eldorado orçamental de antes da crise acabou, definitivamente. A austeridade — no sentido de gestão austera das finanças públicas — veio para ficar.

8 pensamentos sobre “Estado, meios e fins – uma visão (realista) à esquerda

  1. AA

    e eu que pensava que “austeridade” era a matança indiscriminada de criancinhas no altar do “neoliberalismo” sem coração nem sensibilidade social 🙂

  2. tina

    Já Vitor Constâncio mudou o seu discurso quando foi para a UE. Ele e o Noreira passaram de uma posição “venha a nós os vossos fundos” para a posição “que chatice, lá vêm estes pedir mais dinheiro”. Nada como um posição de chefia para tornar as pessoas realistas. Passaram de filhos irresponsáveis a pais responsáveis.

  3. Manolo Heredia

    “os fundos europeus, a receita das privatizações e o endividamento público.(…) ”
    Isto aconteceu, acontece, e acontecerá no futuro desde que haja quem beneficie com esta estratégia. Os principais beneficiários são os “investidores”, que assim compram ao desbarato empresas rentáveis e assim ganham juros chorudos emprestando dinheiro a países em dificuldades.

    Os fundos europeus são o isco. Em países democráticos ocidentais este isco é o que mais eficiência evidencia, uma vez que as promessas eleitorais são o mote essencial para ganhar eleições. Nenhum partido político ganha eleições recomendando prudência na utilização de fundos “oferecidos”…

  4. JS

    “… A austeridade — no sentido de gestão austera das finanças públicas — veio para ficar….”
    Tem-se visto muita “austeridade” ali prós lados aonde vive e transita o Sr. Vital ?.

    Albert Einstein: “A Foolish Faith In Authority Is The Worst Enemy Of The Truth”
    http://www.zerohedge.com/contributed/2013-12-26/albert-einstein-%E2%80%9C-foolish-faith-authority-worst-enemy-truth%E2%80%9D
    Mais:
    Prime Minister: “A Lack Of Courage To Take On Vested Interests Are Pushing Us Inexorably Toward The Next Crash”
    No caso português não é só falta de coragem. É também, pura e simplesmente, falta de poder político. Apenas uns “paus mandados” ou uns “testa de ferro” da finança …

  5. lucklucky

    Finalmente alguém minimamente inteligente na esquerda percebeu o que foram estes 40 anos de Regime.
    Só faltou o Vital Moreira falar da demografia e esperança média de vida.

    Pena que o jornalismo, o comentário e a universidade esta pejada de ignorantes e ignorantes que querem continuar ignorantes porque assim têm mais recompensas sociais da cultura tuga populista.

    Já agora sobre as receitas das privatizações é bom lembrar que o Estado Português foi um dos que mais receitas recebeu em percentagem do PIB das privatizações na OECD entre 1990 e 2000.

    Click to access 2050913.pdf

  6. lucklucky

    Há ainda outro ponto que o Vital Moreira se esqueceu da época dourada do Regime:
    Os aumentos de impostos sucessivos nestes 40 anos.
    Também chegaram ao fim , pelo menos no seu grau habitual.

  7. Pingback: Choque e espanto | O Insurgente

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.