No Fio da Navalha

O meu artigo de hoje no i.

Nelson Mandela

Nelson Mandela foi um homem brilhante. Dos seus actos, realço três. O primeiro foi o valor que dava às pequenas coisas. A forma como olhava as pessoas e falava com elas. A firmeza das convicções, intimamente ligada ao perdão. Foi com pequenos grandes gestos que Mandela venceu o apartheid e evitou o conflito na África do Sul, pequenos gestos como a sua presença na final do campeonato do mundo de râguebi, que uma equipa de sul-africanos brancos venceu. Mas Mandela fez mais.

Transformou-se. Mandela não foi sempre um homem pacífico. E esta verdade que tantos procuram esquecer é a que mais o engrandece. A humildade de perceber que o caminho era outro; o ter tido a coragem de o percorrer, contra todas as previsões da altura. Mandela foi um homem com falhas, como todos nós, e que se realizou quando as superou.

Por fim, não guardou ressentimento. Depois do que sofreu, do sacrifício familiar a que a prisão o obrigou, nada o fez vingar-se. E o seu rosto dizia-nos isso: que era genuíno. A decepção natural dos amigos, que nos destrói lentamente, fortaleceu-o, fazendo-o nada esperar de ninguém, ao mesmo tempo que celebrava qualquer surpresa.

Este homem, ao superar os seus erros, mostrou-nos que podemos fazer o mesmo. Ao ser bem-sucedido, disse-nos que é com gestos simples, desde que sentidos e verdadeiros, e ao alcance de qualquer um, que se faz justiça. Mandela foi o que qualquer pessoa pode ser. Ao realizar-se plenamente, esteve à altura do dom da vida.

21 pensamentos sobre “No Fio da Navalha

  1. tina

    Mandela estava muito apaixonado por Winnie e deixou-se influenciar pelo seu radicalismo. Enquanto estava preso, escrevia-lhe cartas de amor enquanto ela andava com outros homens. Ela é uma raivosa, bêbada e os sul-africanos não gostam dela. Era ela quem devia ter estado na cadeia o tempo todo.

  2. Francisco Colaço

    Saber perdoar, saber mudar, saber modificar o futuro, já que nos é impossível modificar o passado.

    Nelson Mandela é um exemplo para todos nós, individualmente. E quanto ao seu comunismo anterior: mais vale um ex-comunista arrependido que um idiota que não sabe ver o valor das ideologias totalitárias.

  3. Hugo

    Mandela tinha também muita simpatia e apoiava os líderes comunistas do globo.

    Fidel Castro, Che Guevara, Kadafi… Um homem brilhante. Equitativo, contra capitalista.

    Eu gosto! Vocês respeitam.

  4. Hugo

    Mandela nunca foi ex-comunista. No seu interior nunca foi comunista também. Tentam se apropriar do seu legado. Vazem daqui capitalistas de cartel.

    Mandela lutava pela liberdade do povo e do trabalhador, contra a opressão racista e capitalista. Vazem daqui abutres.

  5. JPT

    Porque é que é uma “falha” ou um “erro”, um indivíduo defender a luta armada contra um regime que nega à maioria da população, com recurso à violência, não só os mais básicos direitos políticos, mas mesmo a dignidade da pertença ao género humano? O caminho certo, nessas circunstâncias, ou seja, contra um governo absolutamente imoral e tirânico, é ser-se um “homem pacífico”? Graças a Deus, Mandela não foi esta carticatura que dele fazem, que percebeu o seu “erro” ou a sua “falha” moral ao optar pela resistência armada, foi sim um político e um ser humano superior, que, no momento da vitória (que se decidiu, não no Cabo ou no Transvaal, mas em Berlin, quando os boers perceberam que, sem “papão” comunista, ninguém mais ia aturar o apartheid), controlou o impulso para a justiça de Talião. Mandela esteve do lado certo (mesmo perdendo) quando optou pela luta armada contra um regime racista e assassino, e esteve do lado certo quando, tendo ganho, optou pelo futuro em detrimento do passado.

  6. Francisco Colaço

    Hugo,

    Ponha-se no avião para Cuba, Venezuela ou Coreia do Norte. Ao fim de dois meses a lá viver, virá em lágrimas pedir-nos desculpa.

    O capitalismo, mesmo este regime imperfeito que temos, não é totalitário. A prova disso é que pode escrever isso e não ir preso. Tente agora escrever «el comunismo nos ha muerto y es totalitario» em Cuba ou na Coreia do Norte ou, ultimamente, na Venezuela.

    Está a perceber a diferença?

  7. JPT

    Ataca-se o que se consegue atacar. Se os estados democráticos têm a legitimidade, numa guerra, de bombardear cidades inteiras (incluindo, por tal, supermercados e lojas de conveniência), um cidadão, na luta contra um estado que, com violência, lhe nega todos os direitos, não tem o direito moral a pôr uma bomba onde lhe é possível? O estado pode atacar escolas mas o cidadão só pode atacar quartéis? Noto que não estamos a falar de um estado onde há outro modo de exprimir a divergência ou de provocar a mudança – ninguém está a querer legitimar os euro-terroristas vermelhos dos anos 60-80 ou a Al-Qaeda – mas de uma tirania que desprovia de cidadania a maioria da polução, recorrendo, sem hesitar à violência. Sendo esta tirania uma escolha democrática da comunidade branca, obviamente, toda a comunidade branca era um alvo legítimo – do mesmo modo que toda a comunidade negra, incluindo mulheres e crinças foi alvo legítimo do regime, em Sharpeville ou no Soweto.

  8. Francisco Colaço

    «ninguém está a querer legitimar os euro-terroristas vermelhos dos anos 60-80 ou a Al-Qaeda»

    O JPT é ninguém? Acaba de os legitimar!

    «Sendo esta tirania uma escolha democrática da comunidade branca, obviamente, toda a comunidade branca era um alvo legítimo»

    Sendo então que o regime democrático foi escolha de quase toda a sociedade portuguesa, os comunistas estão livres para atacar os supermercados, as bombas de gasolina e os centros comerciais, e matar civis para impor a sua ditadura. Não se podem ficar pelos quartéis, pelas esquadras de polícia e pelos símbolos efectivos do estado democrático, que até estão bem guardados. É isso que me está a dizer?

    JPT, não acha aqui ninguém a advogar os bombardeamentos de civis. Se acha que os bombardeamentos de civis são hediondos, deve reclamar junto das embaixadas americana e russa, não n’O Insurgente. Aproveite e apele também às embaixadas francesa, síria e saudita.

  9. A. R

    mandela foi porreiro porque não banhou emn sangue a África do Sul: realmente é um objectivo difícil para um comuna. Graças a ditadura nos media foi guindado a santo. Nunca falam na imprensa a razão de estar preso, como enriqueceu com o negócio de diamantes da de beers, etc. Não acabou com o Apatheid: o apartheid acabou porque o regime assim o quis. A Afriaca do Sul não foi feita por mandela: foi feita com muito sofrimento pelo boers.
    Comparemos o que a hipocrisia mundial goebelliana faz: mandela esteve preso por crimes de sangue (muitos) e foi solto.
    Imre Nagy quis libertar a Hungria do sufoco soviético. Que lhe aconteceu: foi enforcado pelos comunas. Nunca mais se falou dele. É pior em quê que mandela?
    Chavez juncou Caracas de cadávers e logo saiu da prisão para reduzir o país a pó.
    Há uma complacência com terroristas que se paga: mais cedo ou mais tarde.

  10. A. R

    Que deixa mandela: SIDA generalizada, pretos a viver pior que antes, saúde pior que antes, armamentismo, economia encalhada, brancos a serem chacinados, o ANC a apelar à morte de brancos, chacinas a mineiros (à rajada), um presidente violador e que cura a sida com unguentos, borrifou-se para o Zimbabwe, conviveu com os piores ditadores do planeta

  11. A. R

    “O estado pode atacar escolas mas o cidadão só pode atacar quartéis? ” Os argumentos que invoca podem ser virados contra si! É a mente do psicopata trerrorista: todos são culpados excepto ele próprio. Trate-se!

  12. Francisco Colaço

    A. R.,

    O sistema de Apartheid era sumamente injusto. Submeter pessoas a perdas de direitos civis por causa da cor da pele ou da religião é injusto. Se considera que era um sistema justo, que dirá dos cem mil cristãos que todos os anos perdem a vida em países islâmicos, ou aos quais são negados diversos direitos civis?

    Se o Nelson Mandela lutou contra esse sistema da maneira mais macabra (atacando civis e outros negros), pagou a sua dívida à sociedade e reformou as suas maneiras. Bem pior para mim foi ver o Obama tudo fazendo para se apoderar da luta de paz do Mandela quando nos Estados Unidos estão a fazer precisamente o contrário: estão a atacar os opositores políticos de todas as maneiras — até ameaças de morte a bloguistas conservadores por oficiais militares.

  13. A. R

    “O sistema de Apartheid era sumamente injusto.” Quem disse o contrário? Cuba também segrega os pretos no sistema de saúde e cargos. Conhece, ou conheceu, algum preto que tenha sido ministro? Castro, Che e Allende também segregaram os homossexuais!

    Durante su encarcelamiento, Mandela se hizo admirador de los escritos de Mao y el Che Guevara, a quien también dedicó halagos cuando recuperó la libertad: “Sus hazañas revolucionarias fueron de tal magnitud que ningún encargado de censura en la prisión nos las pudo ocultar. La vida del Che es una inspiración para todo ser humano que ame la libertad. Siempre honraremos su memoria”, aseguró. (http://www.libertaddigital.com/internacional/mundo/2013-12-10/el-otro-mandela-1276506075/)

    A URSS também segrega pretos: basta seguir o trajecto dos que para lá foram estudar no tempo das amplas.

  14. A. R

    O problema é que quem tenta libertar as populações de certos regimes nunca encontra apoio nos média: é executado, por muito menos que mandela, e acabou! Imre Nagy, deputados búlgaros que evitaram a deportação de judeus e foram fuzilados pelos comunistas (um dos fuziladores chegou a ser considerado para Nobel), Vaclava Havel o que não passou, Soljnetsyn o que não passou!
    Há dois pesos e duas medidas e neste sistema eu abomino mandelas: não possuem credibilidade. Mandela nunca deu testemunho dos oprimidos pelas ditaduras dos que visitou. Não tem estatura moral!

  15. dervich

    “Mandela (…) não tem estatura moral!”
    Um homem que é o único a gerar um consenso planetário ainda durante o seu tempo de vida tem estatura demasiado grande para algum dia sequer se aperceber de alguns disparates escritos num blog que nem sequer um “like” obtiveram.

  16. Francisco Colaço

    «Castro, Che e Allende também segregaram os homossexuais!»

    Eles não os segregam. Sangravam-nos. Ultimamente há uma aceitação tímida da homossexualidade na ilha.

    A URSS tinha quotas de judeus para entrar na Universidade. A Universidade Patrice Lumumba era chamada por nomes que me custa aqui repetir. Os americanos chamam-lhe «KGB Tech». Os russos chamam-lhe vários nomes cujo menos chocante é «o jardim zoológico».

  17. Hugo

    Francisco Colaço, ao contrário de si que fala de cor ou daquilo que lê sobre outros lugares, costumo ir a Caracas, terra capital de Maduro, e nunca ninguém me veio questionar se eu sou contra o comunismo. Inclusive já tive várias conversas em bares e cafés à volta de garrafas de Rum que muitos de vocês, insurgentes, já me teriam decapitado caso fossem governo lá…

    Por favor, os bichos papões estão nas vossas cabeças e nos jornais de propaganda. O capitalismo e o comunismo são totalitários.

  18. Hugo

    Não estou a falar da coreia do norte obviamente… Mas isso é um regime ditatorial puro e nefasto. Não se confundam as situações e os modelos.

  19. lucklucky

    Nelson Mandela apoiou a maioria das ditaduras Africanas. Ou seja foi também um racista. Numa ditadura de brancos sobre os pretos esteve contra, quando foram ditaduras de pretos contra pretos nada fez.

    “O capitalismo e o comunismo são totalitários.”

    Você não sabe a definição de totalitarismo, ou adopta o lema de Goebbels, mente descaradamente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.