Beja airport: A runway to nowhere? (2)

9 pensamentos sobre “Beja airport: A runway to nowhere? (2)

  1. JLeite

    Néscios.
    Esta gente pensa que só porque o governo diz algo que lhes dá jeito, acreditam piamente.
    Também, é gente que pensa que a locomotiva de tudo é o estado. “Fizeram um aeroporto? Alguém viu um aeroporto às moscas? Chegarão paletes de gente, é preciso dar-lhes de comer, beber, onde dormir, meios de locomoção, vamos lá a enterrar-nos em investimentos para os quais não temos dinheiro. Isto vai dar certo”.
    Coitados de todos nós.

  2. tina

    Que projecto tão estapafúrdio. Mais uma confirmação de que os socialistas não têm o mínimo respeito pelo dinheiro dos outros. E percebe-se também porque é que só sabem falar em dinheiro e tudo para eles gira à volta de dinheiro: gastam tudo e nunca sobra nada.

  3. JP

    Provavelmente, este aeroporto era uma da coisas que o “doutor” Jorge Sampaio tinha em mente quando se referia à responsabilização. As pessoas que fizeram estudos a prever mais de um milhão e meio de passageiros quem são? Têm alguma certificação que os habilite a fornecer esse tipo de parecer ao Estado? É que hoje em dia até para dar umas aulas num vão de escada é preciso um certificado oficial. Essas pessoas existirão mesmo? Ou não houve estudo/parecer? Ou foi feito com o passe do autocarro?

  4. Bruno Grácio

    Realmente gostaria de ver o tal estudo. Deve ser uma boa obra de ficção científica: 1 milhão de passageiros; receitas superiores aos custos de funcionamento e com o clímax final da recuperação do investimento.

  5. Surprese

    Era simples evitar isto: bastava não ter encomendado nenhum estudo (que foi pago por nós!), e abrir um concurso público para a construção e exploração do aeroporto, sem pagamento de qualquer espécie por parte do Estado.

    Como ainda tenho uma réstia estatizante (fruto de muitos anos de lavagem ao cérebro na escola pública), admitia que os terrenos fossem emprestados a preço zero, por 50 anos.

    Era vê-los a querer construir!

  6. Francisco Colaço

    Surprese,

    A palavra que quer escrever é «réstea». Uma «réstia» é uma trança de cebolas.

    E não me escandaliza que o Estado ceda os terrenos a uma obra coletiva, se for um equipamento de uso comum, realizado e explorado por privados. Em boa verdade, o Estado vai receber de impostos muito mais do que o valor dos terrenos que cede. É uma situação em que o público e o privado ganham, e em que o Estado não assume riscos financeiros: na pior das hipóteses, o Estado fica com terrenos já construídos, além dos impostos de exploração até ao ponto da falência.

    Outra coisa diferente é, como concordamos, o Estado querer fazer obra por fazer obra. Podemos dizer que assim o Estado obrará sobre todos nós. E se for do Norte do Mondego, compreenderá bem o que quero dizer com obrar.

  7. HO

    If you build it, they will come.

    O Sr. Kevin Costner continua a semear confusões a despropósito, um pouco por todo o lado.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.