Um bom exemplo da mentalidade socialista

Sintonática o atitude arrogante a roçar o histerismo das deputadas Inês de Medeiros e Catarina Martins na audição de Francisco José Viegas a propósito da venda da pintura de Crivelli. Um verdadeiro case-study. Como bem referiu o ex-secretário de estado ““Não é atitude própria do estado como pessoa de bem impedir que um proprietário disponha de um bem que é seu”. Pena que o próprio estado nem sempre siga siga esta simples regra.

14 pensamentos sobre “Um bom exemplo da mentalidade socialista

  1. Qualquer decisão politica é balizada pelas leis (as mesmas que regulam, de resto, a propriedade privada). Não existe capacidade legal do poder executivo ignorar as leis, pode quando muito alterá-las se for da sua competência, ou sugerir a outros que as alterem. Mas enfim…

  2. Luís Lavoura

    Pois, mas F. J. Viegas enquanto secretário de Estado não tem nada que seguir a sua própria opinião, tem é que seguir as leis do país. E as leis do país determinam que a pintura de Crivelli é um bem cultural protegido pelo Estado.
    É a diferença entre um Estado de Direito e outra coisa qualquer: no Estado de Direito os governantes seguem as leis e não as suas opiniões pessoais.

  3. Francisco Colaço

    Luís lavoura,

    A pintura de Crivelli não era um bem protegido pelo Estado, a menos que este a comprasse. Houve, aliás, um parecer desse teor.

    Espero bem que com o dinheiro de impostos não a compre. Esse dinheiro é necessário para financiar obras a preto de pessoas que sugerem ao público português a prática da ciência tântrica, para a renovação quinquagésima sexta da rotunda no meio de lugar nenhum, e para financiar parretidos políticos para continuarem a financiar obras a preto e renovações de rotundas e partidos políticos para continuarem a f…

  4. Acho muito bem que o quadro possa ser vendido. Aliás, se não está exposto em lado nenhum, não vejo como é que a exportação possa afectar minimamente a cultura nacional.

    O problema é que os anteriores proprietários não o puderam exportar devido à interferência estatal e assim perderam dinheiro na venda. Isto só ajuda a reforçar a ideia de que o poder discricionário do Estado dá mau resultado.

  5. Silvério Coutinho

    Um bom exemplo da gestão socialista foi a gestão de Francisco José Viegas como SEC.

  6. Luís Lavoura

    Francisco Colaço

    A pintura de Crivelli não era um bem protegido pelo Estado, a menos que este a comprasse.

    A lei relevante é a 107/2001, que diz respeito ao “património cultural”. O Estado tem o dever de o defender e proteger e valorizar, não necessariamente comprando-o. Por exemplo, a Igreja Católica é detentora de uma parte muito grande do partimonio cultural português e não está em causa o Estado comprá-lo, mas deve não obstante protegê-lo. O secretário de Estado da Cultura tem por obrigação seguir a referida lei, e não as suas opiniões pessoais nem as do Francisco Colaço. Isso é que é um Estado de Direito.

  7. Miguel Noronha

    “O Estado tem o dever de o defender e proteger e valorizar, não necessariamente comprando-o”
    Socialismo no seu melhor.

  8. Francisco Colaço

    Luís Lavoura,

    Houve um parecer da SEC, cujo desvalorizava o quadro. E se por acaso o quuadro devesse ser valorizado como património nacional, seria pelo, sei lá, Estado Italiano, sucessor da República de Veneza!?

    De qualquer modo, se o Estado quer proteger, que o compre com o SEU (do Luís Lavoura) dinheiro. Pode passar o cheque à Secretaria de Estado da Cultura. Use e abuse da lei do mecenato (Lei 8/2012, se não estou em engano).

  9. Luís Lavoura

    Francisco Colaço,
    como já lhe disse, para avaliar da atuação de F. J. Viegas, as suas opiniões não interessam nada. O que interessa é a lei. Qualquer governante tem a obrigação de pôr a lei em prática. Isso é que é um Estado de Direito, coisa que neste blogue se costuma defender. E a lei é a que eu referi – vá lê-la.

  10. silver

    FC,mas a lei que rege o património é a que o Luis citou.É uma lei errada? É sim senhora, estou de acordo.Então,como somos um Estado de Direito(o liberalismo não é anarquia,admite o Estado de Direito) a lei tem que ser mudada.Basta que a maioria governamental aprove uma mudança de lei.Tenho a certeza que serão bem sucedidos nessa tarefa ;).Muit Fácil e Simples

  11. Pingback: Da série “o governo mais liberal de sempre” | O Insurgente

  12. Pingback: Bom exemplo | O Insurgente

  13. Pingback: O imperialismo artistico português | O Insurgente

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.