Spin

Malcolm Tucker

Aos entusiasmados que por aí se vão regozijando com a ascensão do spin a estratégia oficial de comunicação do governo, armados (entre outras coisas) com o argumento de que – vejam! – os briefings do governo britânico são feitos integralmente em off, deixo somente duas notas e uma sugestão.

A primeira nota é de que Portugal não é Inglaterra, e de que a tentativa de tentar copiar as regras pelas quais se rege o funcionamento da relação do governo do Reino Unido com a imprensa é tão somente mais um reflexo do culto da carga que o provincianismo luso gosta tanto de professar. Além disso, a ambição de querer emular essa relação esbarra num outro grande problema: é que não basta somente querer para o conseguir. É preciso ter matéria prima, o que francamente olhando para este governo e para o seu historial em termos de comunicação, não parece abundar.

A segunda nota é para que ponham os olhinhos na imprensa inglesa, e na maneira como foram geridos os escândalos recentes ligados a figuras públicas, entre outros fragmentos do dia-a-dia político britânico. Se é aquilo que os defensores do modelo que parece estar a ser abraçado pelo governo antevêem como um sucesso comunicativo, e o paradigma de opinião pública informada de forma construtiva, fico bem esclarecido em relação a onde se quer chegar. Independentemente do facto de achar que este governo não duraria um mês debaixo da perseguição da tal imprensa inglesa, dificilmente tal me parecerá o paradigma de transparência e de informação do público.

Em terceiro lugar a sugestão: para os aprendizes de feiticeiro e devotos do spin (ou não), se ainda não viram, recomendo a visualização da série da BBC The Thick Of It, onde poderão ver o senhor que encabeça este artigo (uma personagem que consta foi inspirada no cão-de-fila de Tony Blair Alastair Campbell) a mostrar como se faz, entre os últimos dias dos trabalhistas e a ascensão dos conservadores e lib-dems. De bónus levam todo um novo repertório cheio de colorido do uso da língua de Shakespeare.

Fica a recomendação.

Um pensamento sobre “Spin

  1. Lá está… é o defeito dos portugueses, sobretudo os que estão no topo, imitar os outros países, independentemente de se aplicar ou não ao nosso sistema. Depois? Bem… depois dá em m…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.