Exijo: demissão de Arménio Carlos já!

Arménio Carlos interessa-me muito pouco, a CGTP igualmente e só depois de uma lobotomia (e também de alguma esquizofrenia, cismas de personalidade ou por aí) descontaria mensalmente uns poucos cêntimos que fossem para algum sindicato da CGTP, que são AS organizações mais reaccionárias e imobilistas do país. (A UGT tem dias menos maus – e hoje não foi um deles).

Mas isso não interessa nada. Se a criatura pode ousar supor que os seus devaneios ideológicos e as suas alucinações sobre o que são ‘a vontade popular’ têm mais valor do que o meu voto de há dois anos para a manutenção de um governo eleito para quatro, então eu quero dar palpites sobre o que se deve passar numa organização com a qual nada tenho a ver – nem quero (até o teclado e a mesa por baixo do teclado estremeceram com pavor de uma súbita loucura marxisto-sindical minha).

E como hoje é dia de protesto, acabo também com um protesto: vade retro gente, ó gente com a fineza democrática de um Kim-il-sung, que no meu voto mando eu.

10 pensamentos sobre “Exijo: demissão de Arménio Carlos já!

  1. JG

    Maria João, tem mesmo a certeza disso “que no meu voto mando eu”, eu, no meu caso não tenho tantas certezas…, sabe é que as nossas decisões são limitadas em função das informações a que temos acesso.

  2. JP

    Parece que a invasão da ponte 25 de Abril com a frase “a ponte é nossa”, como aperitivo para o Telejornal e remedeio da grave, está a corer mal. Apareceram as forças reccionárias (os “maus”) da democracia democrática e deram-lhes cabo do espectáculo. Obviamente, inconstitucional. Que tristes devem estar os alegres mários.

  3. “No meu voto mando eu!” LOL
    A eterna ilusao do colectivismo democratico: a idea de que. so porque se marca uma cruzinha num pedacinho de papel, manda-se nalguma coisa. Nao se manda nada, quem manda e’ que vai para o poleiro. No tempo da monarquia o “master” das vidas das pessoas nao era “escolhido”; no tempo da democracia, o “master” e’ escolhido pela maioria. Guess what, continua a ser um “master”…

  4. Antonio melo

    Prefiro ser eu a por uma cruzinha no papel na eterna ilusão do colectivismo democrático , do que sejam outros a por a cruz por mim numa realidade de colectivismo autocrático .

  5. Após a intervenção de Arménio Carlos ter terminado, junto ao Parlamento, cerca de 300 manifestantes, com ligações a movimentos apartidários, decidiram prosseguir com a manifestação da greve geral e tentaram cortar o acesso à Ponte 25 de Abril.
    Os manifestantes seguiram em direcção às Amoreiras, pela rua D. João V, o que obrigou a polícia a cortar o trânsito.

    Entretanto a polícia de choque impediu o corte da Ponte 25 de Abril, ao montar um bloqueio junto ao Viaduto Duarte Pacheco, depois de os manifestantes terem paralisado a A5

    Olha, um mini-PREC na rua e um novo COPCON também, só que este é fassista.-..

  6. fernandojmferreira

    “Prefiro ser eu a por uma cruzinha no papel na eterna ilusão do colectivismo democrático , do que sejam outros a por a cruz por mim numa realidade de colectivismo autocrático.”

    E o resultado final e’ diferente em… ?

  7. Pingback: Uma “Greve Geral” esvaziada pela Fenprof | O Insurgente

  8. Comunista

    O Arménio não tem mais a fazer do que cagar na sua exigência. Se quiser a demissão do Arménio inscreva-se num sindicato afecto à CGTP e lute pela sua demissão. Fora isso o que você acha não vale nada.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.