Raquel Varela pede um bebé para o próximo debate

Raquel Varelas no 5 Dias anda com uma produção acima do habitual. No seu mais recente artigo – “Para a próxima aguardo um adversário à altura, um bebé que desperte em mim o instinto maternal” – Raquel Varela dá-nos um lugar de 1ª fila para saber o que vai na sua mente.

Abandonada por outros elementos de extrema-esquerda – como Daniel Oliveira ou Sérgio Lavos, que um dia também eles receberão o rótulo de neo-neo-liberais – que criticam a sua falta de tacto e de sentido de oportunidade, Raquel Varela e o marido passam ao ataque!

Queixa-se de que não teve interlocutores, de que ninguém (além dela) apresentou qualquer ideia “que tivesse conseguido ser defendida”, que o único argumento da campanha contra ela é “os 16 anos” do Martim. Desgostosa por ser uma incompreendida, pede “um bebé que desperte em mim o instinto maternal”.

Acusa o Governo e a Troika – que na sua mente limitada é quem controla tudo e todos, num modo de pensar que eu estou mais habituado em crianças de 5 anos, que culpam tudo no “papão” ou no “homem do saco” – de quererem desemprego. Para ela, “o desemprego serve justamente para isto. Serve para se legitimar o mal menor, isto é, a miséria. Desemprego é, numa palavra (sic), criação de um exército de desesperados dispostos a trabalhar a qualquer preço – é esse o programa da troika, numa frase.” Nesta frase comete essencialmente 2 erros:

  1. Ela achar que o desemprego deve dar votos ao Governo. Isso e a miséria. Está nas intenções de qualquer governo gerar uma crise para ajudar na reeleição…
  2. Ela achar que o desemprego ajuda a pagar o que devemos à Troika. Isso e a diminuição do PIB. Gerar desemprego não é um efeito lateral, é mesmo o objectivo de qualquer comissão criada para levar um país a pagar o que deve…

Por fim, diabolizou o José Manuel Fernandes, um site do BCP e um site de anúncios que – na sua mente – são os culpados por esta “campanha” contra si (tentando menosprezar O Insurgente e Blasfémias, que provavelmente terão ajudado um bocadinho). Como claramente ela não disse nada senão ideias interessantes, bem contextualizadas e inseridas, revolta-a a reação.

A mulher que só compra produção nacional de marcas que paguem salários “dignos” e que comprem matérias-primas em fornecedores igualmente escrupulosos na sua relação com a mão-de-obra não pára de justificar o salário que eu lhe pago: já que não produz nada de jeito na sua “investigação” ao menos diverte-me :]

23 pensamentos sobre “Raquel Varela pede um bebé para o próximo debate

  1. Rúben Lopes

    E eu peço que emigre para a Coreia do Norte. É que lá eles recebem decentes salários, em comparação à escravatura na China.

  2. A. R

    Fez mossa esta intervenção de Martin ao desmontar a toleira da esquerda. Nada como um esquerdista despeitado. Sem kalashnikov tornam-se mais perigosos e cospem veneno: são como os meninos com birras

  3. PT

    Mas esta gente também se casa??? Eu pensava que eles só juntavam os trapinhos e já está, que isso do casamento é pequeno-burguês. E o marido, veio em defesa da mulher ou meramente da camarada e co-blogueira? E esta história do bébé? Quem ler aquilo na diagonal pode até pensar outras coisas, assim na linha do camarada Cohn-Bendit… o Martim não era suficientemente novo? Ai se ela estivesse ligada à Igreja, o que não se teria já escrito lá na tasca dela…

  4. lucklucky

    É a Esquerda. Totalitarismo é parte do ADN. Mesmo que não queiras nada com a Esquerda a Esquerda quer controlar tudo sobre a tua vida. E como boa Estalinista apaga a história.

  5. jem

    Raquel, não vá para um debate com um bebé!!! Basta-lhe estar calado e a Raquel apresentar as suas ideias para o bebé lhe ganhar o debate!

  6. Joaquim Amado Lopes

    Concordo com o jem (comentário 8). Mesmo contra um bébé (suponho que ainda de colo), a Raquel Varela está em clara desvantagem em termos intelectuais.

  7. Rui Sousa

    E esse bébé da Raquel traz doutoramento? Gosto muito de ouvir esta gente que quer emprego para todos, mas depois rebentam quem os tenta criar

  8. carlos reis

    Eu gosto bastante de malta , que se lance para a frente, que faça coisas. Ainda mais sendo um puto. Eu próprio fiz o mesmo há muitos anos.
    O país precisa. Nós precisamos.
    Dando uma volta pela blogoesfera, chegamos a conclusão, que afinal o puto não manda fabricar nada. Compra já feito. Tão novinho e já a sabe toda. Aldabrou toda a gente. Mas eu não gosto de aldraboes. Mas que vai ter futuro,vai. Tá na onda

  9. Gosto muito do comentário do marido da doutora em resposta ao pingback deste post:

    “António Paço diz:
    Maio 22, 2013 às 9:06 pm
    Dentro da mesma linha de deixar que os propagandistas de direita mostrem o que valem, aprovo este comentário publicitário do Insurgente e do Blasfémias. Com as suas prosas ocas, continuam alegremente a mostrar que não valem nada. Na verdade, não valem nem mais um clique no teclado.”

    Eu, que não tenho dignidade moral, estou muito divertido.

  10. Ricardo Monteiro

    Não se pode fechar a Maria Teixeira Alves e a Raquel Varela numa casa e fazer um Big Brother Alucinadas? As claques na plateia eram O Insurgente e Blasfémias de um lado e o 5 Dias do outro.

  11. BGracio
    “Eu, que não tenho dignidade moral, estou muito divertido.”
    O senhor é um ímpio que deveria ser purificado num gulag. Ai se ela estivesse no poder…

    Ins da III Rep,
    “Destaque exagerado a quem não merece.”
    Também tenho direito à minha diversão de vez em quando. Com a crise como é e o país ainda a pedir mais estado e a culpar os elementos mais aleatórios, também mereço!

  12. Ricardo,
    Se a Raquel estivesse no poder eu estaria a esfalfar o couro por uma sopa num gulag. O Ricardo não poderia escrever n’O Insurgente (e já agora o próprio Daniel Oliveira não poderia escrever no Arrastão). A Raquel continuaria provavelmente a poder viajar entre Portugal e Holanda, a educar o povo em programas de televisão e a utilizar o seu iPad.

  13. JMVidal

    Será que esta senhora doutora, antes de comprar as belas roupas com que se veste, foi verificar a proveniência? Ou, quando compra uns belos camarões no supermercado foi primeiro verificar quanto ganham os Tailandeses que os pescaram? E, quando publica os seus livros, foi verificar primeiro quanto ganham os trabalhadores Brasileiros (e outros) que cultivam as árvores destinadas à produção da pasta de papel? Demagogia da pior, isso sim!

  14. Jose

    Curioso ver a quantidade enorme de ‘dislikes’ que conseguiu este tópico, ‘eles andam aí!’ 😉

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.