Da magna (e inteligente) (in)actividade do Instituto Sá Carneiro

Li com atenção o famoso documento produzido pelo FMI e, ao contrário do Carlos Carreiras, não vejo qual o problema do seu teor. Pelo contrário, há aqui muita matéria para reflexão. Concordando-se ou não, o documento está bem feito, e como refere o Carlos Moedas, merece debate.

O que se esperaria de alguém que lidera o Instituto Francisco Sá Carneiro? Diria, que nos apresentasse as suas ideias sobre a refundação, e até, sobre muitos dos aspectos avaliados pelos técnicos que prepararam o documento do FMI. Pelo contrário, o que se lê no FB do Carlos Carreiras é um pedido pavloviano de demissão de uma das pessoas mais assertivas e trabalhadoras deste Governo.

Esforçado que sou, procurei saber o que pensa Carlos Carreiras sobre os temas em análise. Sendo Presidente do Instituto Sá Carneiro, e em visita ao site, constato, porém, que por ali nada se tem passado de relevante (e até de irrelevante), nem conferências, nem estudos, nem produção de pensamento digno desse nome, que ajudem o PSD e os curiosos como eu à reflexão. E depois espanta-se Carlos Carreiras que haja no PSD quem elogie o que nos oferece o FMI: talvez o Carlos Moedas pudesse igualmente elogiar o produto do pensamento recente do Instituto Sá Carneiro, se ele realmente existisse. 

Sendo eu paciente, fico a aguardar pelos contributos inteligentes de Carlos Carreiras e do Instituto Sá Carneiro sobre os temas em discussão, para rebater ou elogiar. Esperamos que a campanha autárquica não atrapalhe, nem tenha sido o motivo – nããããooo, claro que nããooo – do rasgar das vestes contra o Carlos Moedas.

4 pensamentos sobre “Da magna (e inteligente) (in)actividade do Instituto Sá Carneiro

  1. Paulo Pinto

    Carlos Carreiras começou a campanha a Cascais. Não quer saber do debate, nem do Instituto Sá Carneiro, nem da economia do país. Quer saber do seu lugarzinho por 4 anos na Câmara. É um retrato de 30 anos de política do país.

  2. Pingback: Bem entregues « O Insurgente

  3. Pingback: Resumindo « O Insurgente

  4. Pingback: O drama da Europa | Ricardo Campelo de Magalhães

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.