A Crise não é igual para todos…

Quando alguém me dizia que a culpa do Desemprego no tempo do Sócrates não era deste mas antes da “crise Europeia”, eu costumava lembrar aos meus interlocutores que isso não explicava como Portugal passou de um dos países da Europa com menos desemprego (20º, creio) para um dos com mais desemprego (4º ou 5º).

Quem hoje culpa a evolução das nações sobre-endividadas com a crise esquece-se frequentemente que há números que sugerem que a crise não é mundial: é das nações sobre-endividadas.

Reparem nestes dois dados:

1 – Se a crise fosse mundial era natural que as nações com estímulos gigantes, como os EUA, estivessem pelo menos a manter o peso do seu PIB no PIB mundial. Mas como podem ver no gráfico…

2 – Se a  aumentar o endividamento para estimular a economia resultasse, as economias que tivessem aumentado a dívida teriam a aumentar o peso da sua economia no mundo. Mas vejamos o exemplo Japonês: o que vos sugere isto:

Estas palavras são minhas, mas os gráficos e uma análise mais profunda podem ser lidas (em inglês) aqui: The Cost of Kidding Yourself.

Anúncios

6 pensamentos sobre “A Crise não é igual para todos…

  1. josé rodrigues

    Então se uma economia cresce mais devagar do que outras, quer dizer que está em recessão é isso?

  2. Não José Rodrigues. Eu explico:
    “Recessão” é quando o PIB cai 2 semestres consecutivos.
    “Descida de peso no PIB mundial quer dizer que ou cresce mais devagar ou cai mais rapidamente que as restantes economias combinadas. Por exemplo, sobe apenas 1% quando as outras sobem 3% ou então varia -3% face a uma variação de -1% das restantes. Ou até mesmo varia -2% quando as outras crescem 2%.

    Qual é a conclusão? É que face aos mesmos eventos (um choque petrolífero que faria todos variar negativamente ou uma revolução tecnológica que faria todos crescer, por exemplo), as economias melhor preparadas crescem mais ou caem menos.
    E isso sugere (não demonstra, mas ainda assim sugere) que a opção dessas economias é superior.
    Compreendeu?

  3. josé rodrigues

    Sim, Obrigado eu já tinha compreendido quando li a argumentação no artigo. Peço desculpa, a minha pergunta é que talvez tenha sido mal formulada.

    Não lhe parece que o espectular crescimento da economia chinesa (e outros) neste referido período é bastante mais explicativo da queda desse indicador nos EUA, Japão, e Europa? E que esse crescimento seria mais ou menos inevitável e impossível de igualar tal é a massa de trabalho disponível actualmente na China?

  4. Euro2cent

    Sempre gostei muito desses gráficos de percentagens com a escala a começar em 20 e acabar em 30.

    (Sem prejuízo de que indiquem o sentido do movimento – são é completamente inúteis para avaliar a amplitude.)

  5. Lucas Galuxo

    Então e quanto é que aumentou o peso relativo do PIB, por exemplo, da Suiça e da Noruega no PIB mundial?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.