Às ordens da UE

O meu artigo publicado hoje no Diário Económico.

Costuma dizer-se que ‘de Espanha nem bom vento nem bom casamento’. Nos dias que correm essa máxima alastra-se até Bruxelas. A tendência para responder a cada passo falhado rumo ao federalismo europeu com um passo ainda maior nesse sentido, que vai esmagando os povos europeus e as soberanias nacionais, tem tornado a União Europeia uma desastrosa conselheira e um péssimo exemplo.

A recente ideia de criar uma autoridade central que vigie os orçamentos de cada país e, caso entenda necessário, os condene à força implacável de um veto, apenas corresponde a mais um capítulo de uma federalização a todo o custo, centralizada na ideia de omnipotência e infalibilidade da União Europeia, que vai avançando à medida que a soberania dos estados europeus vai sendo triturada.

O princípio que lhe está subjacente – a arrumação das contas nacionais dentro de limites higiénicos – nem merece grande contestação. Um país que se respeita e que quer ser levado a sério não pode viver em cima de défices sucessivos e cada vez maiores. Da mesma forma, não se estranha que o timoneiro do barco da moeda única tenha pretensões de que os restantes companheiros de viagem tenham saúde para remar com vigor e para o lado que mais lhe convém.

Por isso, o problema não está na imposição de metas rigorosas para os défices que os tornem pouco significativos ou até inexistentes. Está em saber quem é que as estabelece e controla: se as autoridades dos próprios países, fazendo uso da cada vez mais parca soberania de que dispõem, ou a toda-poderosa máquina burocrática sediada em Bruxelas, continuando a subtil transferência de poder das autoridades nacionais para os orgãos comunitários, desta vez entregando a capacidade de vetar algo que os nossos eleitos – bem ou mal – aprovaram, a um conjunto de decisores que não escolhemos e, na generalidade dos casos, nem sequer conhecemos.

As soberanias nacionais devem ser respeitadas e não ser olhadas como um obstáculo a um projecto cuja viabilidade cada vez mais é posta em causa, tropeção atrás de tropeção.

4 pensamentos sobre “Às ordens da UE

  1. “Um país que se respeita e que quer ser levado a sério não pode viver em cima de défices sucessivos e cada vez maiores.”

    Acredita mesmo nisso? Acredita que a Grécia ou que os socialistas em Portugal não incorram nunca mais em políticas despesistas e irresponsáveis? Eu não. E nem quero sequer esperar para ver se isso acontece ou não. O direito a veto que venha, que quanto a mim é bem-vindo. Pela primeira vez, poderei acreditar num futuro para Portugal.

  2. Paulo Pereira

    os deficits são inerentes ao sistema capitalista, dada a taxa de poupança ter de ser positiva.

    num sistema com balança comercial equilibrada o deficit tende a ser igual á taxa de poupança do sector pivado , ou seja G-T = S-I

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.