E se sairmos do euro?

Uma eventual saída do euro passará sempre por um imposto encapotado sobre os depósitos. Palpita-me que nem os depósito em moeda estrangeira ficariam a salvo.

Convém também dizer que com um eventual regresso ao escudo os governos passariam a resolver todos os problemas com recurso a “desvalorizações competitivas” o que significa sucessivos impostos sobre os incautos que insistirem em fazer poupanças em moeda nacional. Para quê fazer reformas estruturais ou reduzir o défice? Seria o regresso ao decénio 75-85.

42 pensamentos sobre “E se sairmos do euro?

  1. Ricardo Arroja

    Quanto à questão concreta dos depósitos em moeda estrangeira…não esquecer que na Argentina em 2001 depois do corralito houve o corralon!

  2. Fernando C. Gabriel

    Muito bem Miguel.

    É lamentável que aos interessados no regresso à desonestidade do nacionalismo monetário se juntem algumas vozes (que se podem encontrar nesta página), repetindo aprovadoramente a recomendação destrutiva ecoada pelos defensores do nacionalismo monetário britânico: coitados, supõem que porque fulano-de-tal é “conservador”, basta regurgitar as respectivas opiniões sobre o Euro; como se o opinador não tivesse um interesse nacional a defender e esse interesse não fosse oposto ao interesse português enquanto (presumível) comunidade política. De uma vez por todas: uma moeda nacional é uma armadilha de empobrecimento; serve apenas aos políticos sem carácter que desejam reduzir o poder de compra geral sem que os afectados tenham uma noção clara disso –e das transferências brutais de rendimento implicadas pela inflação. É apenas um mecanismo de confisco cobarde e desonesto.

  3. LDR

    E se colocarmos os euros no Deutsche Bank? Como se sabe, este banco já não tem sede em Portugal.

    A minha questão é se Portugal saisse do Euro, o nosso dinheiro estaria a salvo na Alemanha.

  4. Miguel Noronha

    Acho que estaria mesmo de estar depositado na Alemanha.
    Julgo que haviam umas aplicações em que eles faziam isso mas apenas com parte do dinheiro. E o capital necessário era elevdo.

  5. Carlos Ferraz

    E sair do euro porquê, ou para quê? Talvez para fazer o que chama de desvalorizações competitivas, precisamente?
    Estes bloggers…
    Perdem-se com tenta verbosidade, não dão muita atenção aos factos e confundem palpites com opiniões.
    Têm as ideia pouco claras e nenhuma ideia de acção…
    A solução do problema não passa por aqui..

  6. Miguel Noronha

    “De uma vez por todas: uma moeda nacional é uma armadilha de empobrecimento”
    Mas seria um bom negócio para os impressores.

  7. Vasco

    #6
    Mas sendo o Deutsche Bank um banco de direito alemão não é o “mesmo” que o dinheiro estar na Alermanha?

  8. Paulo Pereira

    Veja lá como Suécia, Dinamarca, Suiça, R.U. são tão pobres porque mantiveram a sua moeda !

    Vejam lá que poderiamos regressar aos anos de 84 a 90, com um crescimento médio de 3,7% !

    É mesmo engenharia aeroespacial uma desvalorização de 20% apoiada pelo FMI !

    Só foi testada para aí umas quarenta vezes com sucesso, incluindo em Portugal !

  9. Miguel Noronha

    “Mas sendo o Deutsche Bank um banco de direito alemão não é o “mesmo” que o dinheiro estar na Alermanha?”
    Há uns meses andei com a mesma duvida. Resolvi investigar mas a resposta não sendo conclusiva aponta para o “não”.

  10. paam

    Tudo leva a crer que assim seria.

    Assim, os anos de 1977 a 1980 foram de contínua desvalorização do escudo face ao dólar (em 1980 o escudo valia metade do valor de 1975), grandes taxas de inflação (rondando os 24% ao ano) e altas taxas de juro, dificultando a vida de quem tinha de pedir empréstimos aos bancos
    http://www.infopedia.pt/$instabilidade-socioeconomica-pos-25-de-abril

    A inflação, medida pelo deflactor do PIB, em média uns 4 por cento ao ano antes da revolução em comparação com quase 18 por cento anualmente durante os anos 1980.
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_econ%C3%B3mica_de_Portugal#A_alterar_estrutura_da_economia

    Há um trabalho de Daniel Bessa- O processo inflacionário português – sobre este tema onde se pode observar um gráfico com as taxas de inflação de 60 a 79 em Portugal em comparação com a média da OCDE:

    Click to access 1223399471V7dPV3xx9Bv35MG0.pdf

  11. Paulo Pereira

    Acho que ouvi dizer que existiram muitas nacionalizações para os anos de 1974 a 1976 , não sei se foi verdade !

    Será que as nacionalizações tiveram algo a ver com a inflação e a desvalorização nos anos 70 ?

    E a duplicação do preço do petroleo, será que influenciou a economia ? Não deve ter porque como sabemos o preço do petroleo não interessa para nada !

    Enfim, é só nabices !

  12. Miguel Noronha

    Acho melhor verifcar as “timelines” do crawling peg com as do preços do petroleo e das nacionalizações.

  13. tina

    Bem, eu vou já é transferir o dinheiro todo que tenho na minha conta, 89 euros, para um paraíso offshore, só por causa das coisas.

  14. Paulo Pereira

    Pois deve ser mesmo isso, porque como sabemos em macroeconomia do sec. XIX as respostas das empresas e dos consumidores são instantâneas.

    Até ouvi dizer que o investimento aumenta com o consumo a diminuir, nessa tal macroeconomia !

    E claro que nos anos 80 o crescimento foi muito mais baixo que nos anos 90, o inicio da época dourada com a preparação para a moeda forte !

    Enfim !

  15. paam

    Paulo Pereira,

    Antes de 74 Portugal manteve três frentes de guerra durante mais de uma década e conseguiu manter a taxa de inflação sob controle. Acha que foram as nacionalizações as únicas causas? E a subida de salários reais, em cerca de 10% em cada um dos anos de 1974 e 1975, a fixação de um salário mínimo e a situação de indisciplina que se vivia, não contribuíram para o aumento da inflação?

    Quanto à crise do petróleo, compare os seus efeitos na inflação sofrida pelos outros países da OCDE. A economia portuguesa, forte na altura, conseguiu aguentar o embate. Foi o desvaire socialista que nos arruinou.

  16. MFC

    Como disseram atrás, só valeria mesmo a pena se o dinheiro fosse depositado numa filial do Deutsche Bank sediada na Alemanha. Caso contrário (i.e., desde que a filial esteja em Portugal), estaria sujeita à regulação e supervisão do Banco de Portugal (que seria a entidade responsável pelas conversões forçadas, caso estas ocorressem).

    Não tenho a certeza, mas penso que uma alternativa a depósitos no estrangeiros poderia ser a aquisição de títulos de uma dívida estrangeira qualquer que seja líquida o suficiente (US, UK ou Alemanha). Penso que nessa situação, o BdP pouco poderia fazer… (a menos que expropriasse os títulos à força, o que duvido que ocorresse).

  17. Luís

    Ricardo Salgado já pede o regresso ao escudo. Este banqueiro ajudou e muito a afundar o país e prepara-se para tornar o poço ainda mais fundo!

  18. Miguel Noronha

    E pode-se sempre investir em activos que resistem bem à inflação.
    Nos depósitos já ouvi dizer que no Saxo Bank (que até está sediado fora da zona euro) pode-se com relativa facilidade abrir uma conta apenas recorrendo a telefone/net/fax

  19. lucklucky

    Aviso aos patetas que julgam que ter moeda serve para alguma coisa a não ser para ajudar os políticos a mentir:

    “Government borrowing for the first five months of the financial year is running at more than 25pc above target, official figures showed as the deficit in August hit a record high, casting further doubt over the Chancellor’s debt reduction goals.”

    http://www.telegraph.co.uk/finance/economics/9557329/UK-borrowing-running-more-that-25pc-over-target.html

    Portugal não deve ter moeda alguma.

  20. CN

    Podemos contar nas opiniões contra o “nacionalismo monetário” como apoiantes do supra-nacional padrão ouro-prata?

  21. CN

    a melhor opção era apenas libertarem o ouro como moeda de troca, preços e contratos e incluindo o pagamentos de impostos em concorrência com o euro

  22. lucklucky

    “Podemos contar nas opiniões contra o “nacionalismo monetário” como apoiantes do supra-nacional padrão ouro-prata?!”

    Porque não vinho?

  23. Paulo Pereira

    Apoio o LL para tornar o vinho como moeda em Portugal !

    Paam,

    É óbvio que as nacionalizações comunistas provocaram um aumento da inflação na década de 70, essa foi a principal causa.
    Por isso devemos ser contra o comunismo.

    Mas a desvalorização de 1984 ajudou depois a um forte crescimento nos 6 anos seguintes, aliás como em dezenas de outros casos.

  24. CN

    lucklucky, eu explico: divida a produção anual de vinho pelo stock médio existente anual de vinho, Depois faça isso para todas as restantes infinitas possibilidades de moeda, quando chegar ao ouro, é o menor rácio que se conhece para qualquer elemento. O carácter espontâneo do escolha do ouro ao longo dos tempos tem razões muito objectivas.

  25. lucklucky

    “lucklucky, eu explico: divida a produção anual de vinho pelo stock médio existente anual de vinho, Depois faça isso para todas as restantes infinitas possibilidades de moeda, quando chegar ao ouro, é o menor rácio que se conhece para qualquer elemento. O carácter espontâneo do escolha do ouro ao longo dos tempos tem razões muito objectivas.”

    Irrelevante, artificial. Se quer mesmo ter algum elemento de referência pode ser o número de pessoas de um país. Diminui a população diminui-se a moeda aumenta aumenta- se a quantidade de moeda.

  26. vivendipt

    Sair do € para quê?

    Para os nossos políticos andarem mais descansados da vida com as suas práticas socialistas…

    No way.

    Estou com Huerta del Soto. Depois o padrão-ouro o € é a melhor coisa que apareceu.

    Só falta acabar com as reservas fracionárias dos bancos.

    No escudo só com Salazar ou alguém com o mesmo tipo de calibre económico… Alguém aqui do fórum apresenta algum candidato dentro deste perfil?

  27. Luís

    Pelo caminho que isto está a tomar o país ficará ingovernável. E não acredito que o povo aceite o caminho apontado pela Esquerda chique. Poderemos desde já começar a especular sobre o nome do futuro líder da Quarta República.

  28. lucklucky

    “Daqui a pouco o LL apoia a moeda fiat !”

    Depende do que considera moeda fiat. Nunca achei necessário ligar a moeda a ouro prata ou outra coisa qualquer.

    Para mim a quantidade moeda só deve aumentar se há crescimento, se existe mais riqueza e subtraíndo o crédito. Para isso não é preciso ouro.

  29. Nuno

    Concordo que a moeda própria facilitaria o despesismo populista do socialismo mas teria sido mais difícil acumular a quantidade de dívida – privada e pública – que acumulámos. O nosso maior problema é mesmo o calibre dos nossos “representantes”.

  30. Mário Amorim Lopes

    Tivesse Portugal dirigentes honestos e sérios, e ter câmbio flexível seria, de facto, benéfico. Teríamos um mecanismo de ajuste automático da balança comercial, com o uso da política monetária a ser compensado com a desvalorização nominal.

    Como somos uma cambada de irresponsáveis, prefiro alinhar pela posição do monetarista Robert Mundell e submeter Portugal a um câmbio fixo como protecção contra nós próprios de abusos na política monetária e como forma de nos forçar a efectuar reformas estruturais que tanto, mas tanto precisamos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.