Desobediência civil

O assunto foi mencionado ontem mas vale a pena trazer de novo para a página principal. Ultrapassar esta medida do governo é possível, de forma legal (por enquanto) e não violenta e estará nas mãos de cada um de nós de avaliar os prós e os contras das soluções mencionadas e informar as entidades patronais das opções disponíveis não só para aumentar o rendimento líquido dos colaboradores mas mais importante que isso reduzir o saque fiscal que querem impor aos portugueses.

A primeira medida seria pedir uma redução do vencimento base bruto à entidade empregadora, como contra-partida negociar vencimentos variaveis atribuídos em ajudas de deslocação ou despesas de representação (we’re all salesmen now!). Apesar de estes rendimentos estarem sujeitos a pagamento de IRS estão isentos de SS e portanto passam ao lado das medidas ontem anunciadas. Poderá ser possível em alguns casos até levar mais para casa líquidos do que anteriormente.

Se anda frequentemente de carro em alternativa ao mencionado acima poderá tentar negociar um cartão GALP Frota ou similar. Mais uma vez pagamentos neste cartão estarão isentos de SS.

Outro subterfugio que muitos portugueses já conhecem é o cartão À la card. Este permite que a entidade empregadora aumente a quantia relacionada com os subsídios de almoço com um menor agravamento fiscal. Tem o inconveniente que o cartão só pode ser usado em restaurantes e supermercados.

Sim, é uma chatice mas fica mais dinheiro no nosso bolso e menos no do Estado.  É uma boa causa para nos chatearmos, fora isto resta só votar com os pés e procurar melhores paragens.

14 pensamentos sobre “Desobediência civil

  1. JoaoMiranda

    A taxa do empregado e do empregador incidem sobre o mesmo rendimento e tenderão a cancelar. Esses esquemas terão pouco interesse.

  2. Qual taxa? O cartão à la Card já uso há quase um ano e permitiu-me uma poupança de 90€ que não foram para o Estado. É pouco mas é MEU!

    Além disso estou certo que o BES deu algumas beneces à empresa quando aderiu.

  3. hcl

    “forma legal”.
    O que é legalidade?

    Praticamente tudo o que foi prometido em campanha eleitoral foi descartado.
    No entanto, ao obter o poder, obtém-se a exclusividade da utilização da violência, e, no fundo, é essa a legalidade que existe.

    Já não existe a legitimidade, uma vez que foi obtida por meio de uma fraude.
    O processo é transversal aos partidos (PS, PSD, CDS) e ao presidente da república (letra pequena propositada que o Cavaco não interessa a ninguém).

    Não é considerado nem imoral nem ilegal mentir descaradamente para obter o poder.

    Então e para nós cidadãos? O que é legalidade? É obedecer?

    A pergunta é a sério.

    Nota: PCP e BE são anti-liberdade individual e não me interessam.

  4. Ruben Fletcher

    Falta explicar que essas medidas reduzem a contribuição para a SS, mas também reduzem o valor das prestações em caso de subsidio de doença (baixa) ou subs. desemprego, e provavelmente as pensões de reforma. É um risco…

  5. Pingback: E o parvo sou eu? – Aventar

  6. “. Apesar de estes rendimentos estarem sujeitos a pagamento de IRS estão isentos de SS e portanto passam ao lado das medidas ontem anunciadas. ”

    Já não estão – desde o novo código contributivo que já não há quase nada isento de SS.

  7. “A taxa do empregado e do empregador incidem sobre o mesmo rendimento e tenderão a cancelar. Esses esquemas terão pouco interesse.”

    Se esses esquemas fosse viáveis (e acho que de acordo com o novo código contributivo não são) as taxas não se iriam cancelar, mas sim acumular – afinal, a taxa do empregador também é calculado sobre o rendimento do empregado, logo se se arranjasse uma maneira de o empregado poupar, digamos, 50 euros, o empregador também iria poupar 50 euros e ambos os lados ganhavam com o negócio.

  8. Não sou fiscalista não vou discutir é capaz de ter razão que os governantes levam já muitos anos de experiência a roubar e não se deixam enganar facilmente. Pelo menos ao ponto de compensar as medidas tomadas.

    Haverá sempre alternativas como baixar voluntariamente os rendimentos, e eles mereciam mas será porventura demasiado doloroso. É mesmo mais fácil votar com os pés.

  9. Pingback: As Opções de Passos Coelho « O Insurgente

  10. Pingback: Anónimo

  11. Pingback: Qual dos dois é o PM verdadeiro? « O Insurgente

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.