Leitura dominical

O conhecimento do “dr.” Relvas, por Alberto Gonçalves.

A greve dos médicos, ao que consta muito concorrida, revelou um grau de abnegação na classe que eu sinceramente desconhecia. Segundo os próprios, a greve fez-se em prol dos doentes e da salvação do Serviço Nacional de Saúde (SNS), contra uma perspectiva “economicista” (cito) que favorece o sector privado, degrada as condições de atendimento, obriga à importação de colegas estrangeiros e força os melhores clínicos a emigrar.

Confesso-me estupefacto. Não fazia ideia de que o adiamento de cirurgias ajuda os pacientes. Não fazia ideia de que o excelso SNS se encontra em tão mau estado que só pode beneficiar de dois dias de paragem. Não fazia ideia de que suprimir, ainda que provisoriamente, uma instituição que se garante necessária merece festejos pelos números da adesão. Não fazia ideia de que havia tantos médicos avessos aos sórdidos hospitais e clínicas particulares a ponto de recusarem terminantemente trabalhar para eles, dentro ou fora das horas de expediente. Não fazia ideia de que os nossos médicos eram assim indiferentes aos apelos materiais e vivem fundamentalmente como ascetas. Não fazia ideia de que, na área em questão, a xenofobia constitui uma atitude louvável. Não fazia ideia de que alguém se espantaria com o recurso a médicos de fora quando, a bem do “prestígio”, se limita cá dentro o número de licenciaturas em Medicina. Não fazia ideia de que a elite dos profissionais de saúde já abandonou este ingrato país e, pelos vistos, deixou o SNS entregue a gente fraquinha. Altruísta, é certo. Mas fraquinha.

Agora a sério. Do alto do pedestal em que o servilismo pátrio os coloca, não admira que os senhores doutores vejam uma data de ingénuos dispostos a acreditar em tudo. O mais preocupante, porém, é que alguns dos senhores doutores também parecem engolir as patranhas que difundem, incluindo a de que agem por generosidade em vez do típico, e até certo ponto compreensível, interesse corporativo. A confirmar-se, no SNS não são só os “utentes” que precisam de tratamento.

2 pensamentos sobre “Leitura dominical

  1. JS

    Se carca de 3.000 Srs. Doutores de medecina -devidamente selecionados com 19s e 20s- se deixão manipular da forma que se viu … já nada, neste País, nos pode admirar.

  2. Neste caso o interesse por mais material que seja dos médicos até coincidiu com o dos cidadãos.
    O SNS não será extinto por decreto, deixar-se-à degradar lentamente. Parece ser este o plano do governo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.