Obviamente, Demita-se

Não era preciso ser genial para prever que o aumento pornográfico da carga fiscal levado a cabo por este Governo levaria a uma quebra da receita – que julgo que se vá agravar. Gostaria de saber duas coisas. Se os Papagaios Laranjinhas e Azuis de serviço vão pedir a demissão do senhor, como faziam sempre que Teixeira dos Santos via derrapar as contas. E quando é que este indivíduo apresenta a sua demissão.

43 pensamentos sobre “Obviamente, Demita-se

  1. Para mim é simples:
    – Aumento de Impostos = Redução da Receita Fiscal (já passamos o máximo de Laffer…)
    – Redução de Despesa é adiada sem motivos (renegociação das PPP, Pagamento de dívidas do BPN, …)
    – Ministro das Finanças que não controle contas é como faca que não corta e pode ter o mesmo destino

  2. Ricardo Lima

    Ainda bem que concordas. De facto, o senhor até pode saber muito de finanças, mas o que me interessa são resultados práticos.

  3. Paulo Pereira

    Eu votava no AAA para as finanças .

    Ter economistas nas finanças raramente funciona ( nao me lembro de nenhum caso excepto o Ernani Lopes)

  4. João Pereira da Silva

    Parece-me que a liberdade de qualquer que seja o Min Fin seja muito limitada. O problema esta acima, ao nível da estratégia para resolver = cortar a serio nos gastos do estado. O Min Fin nao tem autonomia sem uma grande cobertura politica.

  5. tric

    para ministro das finanças, só vale a pena ter uma pessoa que defenda a saida de Portugal da zona euro e prepare Portugal para o impacto…é claro que tal pessoa teria que ser igualmente o chefe do executivo, outro perfil para o cargo era, como Vitor Gaspar o foi, uma perca de tempo…Passos, demite-te!!

  6. JoaoMiranda

    Engraçado, tantos liberais a queixar-se de uma execução orçamental em que o Estado cobrou menos impostos e cortou mais despesa que o esperado.
    .
    Tenho alguma dificuldade em perceber a vossa teoria para explicar como é que um aumento de taxas pode levar a uma descida da receita. É que nenhuma teoria imaginavel é consistente com a realidade portuguesa. Na realidade portuguesa, a poupança aumentou, o consumo caiu (como era desejável que caísse), os bancos e as empresas estão a desalavancar, o crédito sumiu, o PIB do 1º trimestre caiu menos que o esperado, as importações desceram e as exportarções aumentaram. A ideia de que o Estado teve menos receitas porque aumentou as taxas nem sequer pode ser testado uma vez que não estamos num mundo ceteris paribus. Mas mais importante que isso, existem 2 candidatos melhores à explicação: queda do crédito e implosão da procura pública.

  7. Je

    Cada vez mais sinto este governo é um remake -substituindo prodigalidade por austeridade – do horrendo modus operandi de Guterres, que tantos danos causou. Ambos conseguem passar completamente ao lado de reformas prementes, numa altura crucial para o país. Há aqui uma falta de vontade e sentido de estado cada vez mais evidente. E não foi por falta de aviso da troika- que insistiu nas reformas e na redução e justiça da TSU: é deliberado.

  8. hcl

    Eu concordo com o Je. Não há vontade de mudar. Os políticos continuam a pensar que o sistema (que lhes é abundantemente generoso) é viável tal como está. Nunca o mudarão voluntariamente.

  9. paam

    Coitado do Gaspar. A luta de um homem contra o nosso gigante Adamastor. A fome do monstro não cessa. Não lhe interessa que esteja a consumir mais do que os recursos lhe permitem. O monstro não liga a números. O Gaspar tentou-o acalmar com mais impostos mas o monstro apenas cresceu e, agora, necessita de mais. Se o seu desejo não for cumprido ele cairá mas, garante, levar-nos-á a todos com ele.

    A diminuição da despesa pública é o nosso Cabo das Tormentas do século XXI e, infelizmente, temos falta de bons timoneiros.

  10. ricardo saramago

    Só quando nos cortarem o crédito de vez é que a coisa começa a mudar e vai ser uma peregrinação a Santa Comba…

  11. mggomes

    A velha questão será… substituí-lo por quem?
    O problema é o de mudar apenas (e pouco) o discurso. A praxis mantém-se.
    É a nossa sina: passamos a vida a trocar a merda dos socialistas por uns socialistas de merda. E vice-versa.
    Isso explica como chegámos ao estado actual e como dele não saímos.

  12. O Gaspar foi nomeado pela troika não pelo Coelho e &.

    Agora a troika pediu para fazer os cortes em 2/3 na despesa e 1/3 na receita e isso é que não foi cumprido…

  13. lucklucky

    “Engraçado, tantos liberais a queixar-se de uma execução orçamental em que o Estado cobrou menos impostos e cortou mais despesa que o esperado.”

    Engraçado é esta frase. Se todos ganharem o salário mínimo então a colecta de IRS desce a pique para Zero. Acha que isso seria produto de algum ideal liberal?

  14. Paulo Pereira

    A poupança está a aumentar e o investimento da diminuir porque o governo assusta as pessoas e as empresas com a lengalenga da austeridade sem fim.

    Deste modo a divida é impagável. Só com crescimento económico é que a divida é pagável.

  15. rr

    joao miranda, então o governo para que fim é que aumentou os impostos? para aumentar a receita ou para incentivar o corte de despesa? é que daqui so ha 2 maneiras: receitas, baixas, logo o corte da despesa terá que ser muito maior, uma vez que para atingirmos 4 temos omar 2 +2.Se a despesa se mantiver, espero que tenha a noçaõ que o cumprimento do memorando está em risco

  16. ««joao miranda, então o governo para que fim é que aumentou os impostos?»»
    .
    Porque ceteris paribus a receita aumenta.
    .
    O cuimprimento do memorando está em risco, como sempre esteve. Não se corta 3,5% de PIB ao défice sem riscos.

  17. rr

    joao miranda, como é que pode aumentar a receita.Mais: como é que voce ainda se atreve a dizer que aumenta a receitas, quando ainda há pouco voce disse que devido á retracção da procura as receitas baixaram?

  18. rr

    joao miranda: então se sabe isso, sabe que cumprir o memorando nos acutais termos, é uma tarefa quase impossivel, e que portanto podemos não conseguir cumpri-lo.Quando é um risco pode dar para uma margem, mas pode dar para a outra

  19. rr

    joao: como voce sabe e já o disse,a procura reagiu a amento da fiscalidade.Isto é: o preço da oferta aumentou, a procura diminuiu.Logo como é que tudo podia-se manter constante? o ministro errou nas suas opções.Temos que assumir isso e seguir em frente

  20. ««joao miranda, como é que pode aumentar a receita.Mais: como é que voce ainda se atreve a dizer que aumenta a receitas, quando ainda há pouco voce disse que devido á retracção da procura as receitas baixaram?»»
    .
    A procura baixou. Isso não prova que aumentar impostos fez baixar a procura. Os principais factores que levaram à descida da procura são outros.

  21. ««joao: como voce sabe e já o disse,a procura reagiu a amento da fiscalidade.»»
    .
    Isso é falso. A procura desceu essencialmente porque o crédito acabou e o Estado está a cortar no défice. Quando o Estado corta no défice a procura pública cai.

  22. ««o ministro errou nas suas opções.»»
    .
    A partir do momento em que o ministro optou por cortar 3,5% do PIB ao défice o destino da procura estava traçado. Tinha que descer. Isso nada tem a ver com impostos.

  23. rr

    foram outros factores, ou seja o fim do credito coincidiu exatamente com o aumento da fiscalidade da parte do ministro. mas a verdade é que num cenário de pouca disponibilidade financeira da procura ,a oferta tem de se ajustar a esta, mantendo ou baixando o preço.Ora, ao aumentar a fiscalidade sobre os produtos, as pessoas passaram a poupar mais, protegendo o pouco que tinham,comprando menos,e no caso da directa, bem esta desincentiva o investimento e a manutenção das empresas.
    De qualquer forma joão miranda, não nos centremos na causa.Afinal de contas, o que foi feito está feito e não se pode voltar atrás para reescrever a história, seja qual foram os motivos, só estando nas nossas capacidades, resolver o que foi criado.Ora a verdade é que a procura fosse porque fosse, diminuiu, diminuindo assim as receitas.Como é que se vai a partir de agora fazer com que se atinga a meta orçamental diga-me? Nos actuais moldes, só conclui que o governo tem que descer muito mais a despesa a partir de agora.

  24. rr

    joão, mas assim o governo quis o sol na eira e a chuva no nabal.A fiscalidade sim que está indexada ao comportamento da procura.É verdade que acabou o credito que este nos tempos aureos, era um trunfo que as pessoas tinham, mas é preciso dizer que a tendencia do credito vai na direcção contrario da fiscalidade.Eu percebo o seu raciocinio: ao manter-se o credito e o rendimento das pessoas, a procura assim suportaria o aumento da oferta.Mas as pessoas deixaram de ter o credito para suportar a fiscalidade, logo deixaram de suportar esta, logo assim a procura diminuiu sim, logo assim as receitas baixaram.
    Sintetizando: Aumento de Impostos + Manutenção/aumento credito= Manutenção das receitas
    Aumentos de impostos de Impostos+Redução ou fim rendimento credito= Redução das receitas.
    O que nos leva a concluir que num cenario de baixamento de crédito, a fiscalidade passou a gerar efeitos,ou por outras palavras, que na ausencia do credito, só a manutençaõ/diminuicao é que podia fazer com que as receitas aumentassem.Isso ou o aumento de rendimento das pessoas

  25. ««Nos actuais moldes, só conclui que o governo tem que descer muito mais a despesa a partir de agora.»»
    .
    É uma opção, Se optar por cortar na despesa a receita baixa porque o consumo baixa. Depois vocês vão dizer o quê? A única forma de o consumo não baixar é aumentando o défice.

  26. rr

    “É uma opção, Se optar por cortar na despesa a receita baixa porque o consumo baixa” Em que medida é que o efeito seria o mesmo?
    Mas mesmo que tenha os mesmo efeitos, é outra coisa: a despesa não é um ganho, é um gasto, e o rendimento é uma coisa e a despesa onde se aplica o rendimento é outra.Se voce descer os encargos, logo são menos encargos que o estado tem, logo é menos despesas que ele tem para suportar.Simples

  27. rr

    Menos receita, menos consumo.Mas o défice continua para ser eliminado.Se descer as receitas,e mantiver as despesas no mesmo nivel, logo o défice mantém-se.Se as despesas descerem, logo mais se encurta o nivel de défice.É uma questão de matemática

  28. Só gostava de saber se o Ricardo e todos os outros se demitem cada vez que as coisas no trabalho não correm como esperado…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.