O princípio do fim para Kirchner

O governo argentino, tão elogiado pela blogosfera de extrema esquerda, começa agora a enfrentar as consequências da sua política económica desastrosa. A mesma política desastrosa que a esquerda deseja ver aplicada a nível Europeu, já faz com que andem a ser trocados dólares no mercado negro a um valor 20% superior à taxa oficial, e também com que os depósitos bancários andem a cair a um ritmo mais acelerado do que na Grécia. Sem empresas internacionais dispostas a investir, vão escasseando dólares no país, e os mesmos governantes que apelam a que o povo poupe em Pesos, vão confessando também ter as suas poupanças em dólares.
Já se ouvem os tachos em Buenos Aires: é o princípio do fim para Kirchner.

14 pensamentos sobre “O princípio do fim para Kirchner

  1. Henrique Gama Pinto

    “O governo argentino, tão elogiado pela blogosfera de extrema esquerda”?! Mas a Argentina não é caso de sucesso económico?!
    A Argentina foi tubo de ensaio pela escola de Chicago, aplicando as medidas económicas neoliberais (e quando não estavam a resultar, vamos la colocar o Peso colado ao Dolar, para adiar o desastre das privatizações por tuta e meia). Infelizmente, foi um desastre tremendo, muito antes das politicas do actual governo, que também não estão a resultar.

  2. TLD

    Não diga asneiras. A situação na Argentina está completamente controlada. O país tem reservas mais que suficientes para fazer face às suas necessidades. Só uma pessoa com um potencial cognitivo tão baixo como o seu é que pode dizer estas barbaridades. Preocupe-se é com a situação de Portugal que está prestes a sair do Euro.

  3. JP Ribeiro

    quatro observações sobre a Argentina:
    1. O peronismo durou mais tempo que o salazarismo. É obra!
    2. O peronismo (justicialismo) foi no seu tempo considerado uma variedade de fascismo (corporativismo). Por isso os refugiados do nazismo vencido na guerra, encontraram uma mão acolhedora do outro lado do atlantico. O seu mantra é típico do falar dos totalitarismos da Coreia do Norte: Justiça social, independencia económica, independencia política. Não admira portanto que a esquerda os abençoe, e que os considere da sua família.
    3. Antes do peronismo, a Argentina era a 5ª potência mundial. Hoje é a 50ª. Também é obra!
    4. apesar disso a Argentina é um país fabuloso com paisagens lindíssimas, gente acolhedora, cultura riqíssima. A prova que as democracias são capazes do melhor e do pior.

  4. TLD

    Eu sei que custa ver o sucesso da Argentina. Temos pena. Boas políticas resultam, na maioria dos casos, em bons resultados. Resultados esses que são inequívocos. Portanto quem diz mal da Argentina ou tem problemas cognitivos ou não quer ver a realidade. Porque os números falam por si e demonstram um crescimento sustentado desde a 2ª metade de 2002.

  5. Paulo Pereira

    O governo Argentino actual insiste em politicas macroeconomica peronistas que já demonstraram há décadas atrás que não funcionam, nomeadamente as nacionalizações e a circulação do dolar como segunda moeda.

  6. A. R

    O Peronismo foi uma ideologia de esquerda -ora comunista, ora social fascista- em que os Peron viviam à grande e à francesa. O regime identifica-se com o chavismo e foi chavez quem carregou malas de dólares para eleger a madame botox ( a pinguim) e tem estreitos laços com o regime nazi de Teerão. A Sra Kirchner militou na guerrilha urbana de esquerda dos montoneros que banharam as ruas de sangue.

  7. Jaques Towaki

    “A Argentina foi tubo de ensaio pela escola de Chicago”

    A meu saber o Chile foi outro tubo de ensaio pela escola de Chicago e parece-me ter sido um caso de sucesso…Agora, resta saber porque é uns tiveram sucesso e outros não. A meu ver o problema não deve ser meramente económico, mas poderá ter a ver com aspectos culturais e até de governação.

  8. PT

    Um país que deu ao mundo escumalha como Che, Perón, Kirchner e mesmo o imbecil do Maradona não pode ser boa coisa, portanto que se afundem e que depois renasçam com outro modelo mais humano e razoável e não baseado no estrume pseudo-marxista-leninista!

  9. cfe

    “A Argentina foi tubo de ensaio pela escola de Chicago”

    Não confunda as coisas. A paridade em lei do peso ao dolar foi ideia argentina para estabilizar a hiper-inflação que o país experimentava muito antes do presidente Menen, que aliás ganhou as eleições prometendo o contrário do que fez no poder. O Brasil fez algo parecido mas não ratificou a paridade em lei por isso conseguiu sair sem grandes danos.

    “Porque os números falam por si e demonstram um crescimento sustentado desde a 2ª metade de 2002.”

    Pois é… Vá lá ver se a aquisição da dívida pública argentina após o calote e 5 presidentes subsequentes não foi sustentada pela Venezuela de Chavez

  10. cfe

    Já disseram mas vale sempre lembrar:

    O país mais equilibrado da AL, que aplicou os fundamentos da escola de Chicago é o Chile.

  11. Pingback: Top posts da semana « O Insurgente

  12. Pingback: O princípio do fim para Kirchner (2) « O Insurgente

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.